• 27 de outubro de 2020

Alzheimer: como a cannabis pode auxiliar no tratamento

 Alzheimer: como a cannabis pode auxiliar no tratamento

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa, sendo a mais comum dentre as demências. Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 50 milhões de pessoas são diagnosticadas com demência em todo o mundo. Estima-se que 152 milhões de pessoas serão afetadas até 2050. 

Estes números a tornam uma importante questão de saúde pública, gerando cada vez mais debates sobre causas, prevenção, fatores de risco, tratamento e a possibilidade de cura para o Alzheimer. 

Apesar dos esforços da ciência, ainda não foi descoberta a causa efetiva para o problema, que prevalece entre idosos com mais de 65 anos, podendo, ainda que raramente, atingir pacientes mais jovens. Dentre os possíveis facilitadores estão a genética, estilo de vida e alimentação. 

Não há cura para o Alzheimer e todos os medicamentos já desenvolvidos visam atenuar seus sintomas, que incluem declínio mental, esquecimento, dificuldade de raciocínio, mudanças de humor, agressividade, apatia, entre outros. 

Resultado de imagem para alzheimer

Assim, sabendo que o envelhecimento populacional é uma realidade, encontrar maneiras de melhorar a qualidade de vida destes pacientes e impedir o avanço da doença tornou-se uma prioridade de saúde pública, sendo a cannabis um importante aliado nesta tarefa. 

Cannabis Medicinal no tratamento do Alzheimer

Dentre as propriedades terapêuticas da cannabis estão a diminuição do estresse oxidativo, retardo da neurodegeneração e das placas amilóides, que sabidamente colaboram para o surgimento e agravo do Alzheimer. 

Aqui, tanto o canabidiol (CBD) quanto o tetrahidrocanabinol (THC) têm sua parcela de importância e merecem ser considerados. Eles interagem diretamente com o Sistema Endocanabinóide (ECS) que, segundo os cientistas, é um dos grandes responsáveis pela homeostase do organismo. 

Resultado de imagem para alzheimer cannabis

Dentre suas várias atribuições, o ECS age sobre o humor, apetite, memória, aprendizado e atividade motora, o que explicaria seu efeito surpreendente em pacientes diagnosticados com Alzheimer. Saiba mais sobre a cannabis medicinal e seus efeitos sob o organismo. 

O que diz a ciência

Um estudo conduzido pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Sul da Flórida constatou, após ensaios e investigação, que o TCH interage diretamente com o peptídeo beta-amilóide, inibindo sua agregação. Além disso, não foi observada toxicidade nas doses analisadas, o que torna o TCH uma opção potencial de tratamento para o Alzheimer. [1]

As análises do Instituto Salk de pesquisas biológicas colaboram para isso. Segundo seus cientistas, o TCH e outros canabinóides poderiam ajudar a remover a proteína beta-amilóide em neurônios cultivados em laboratório, além de reduzir a inflamação celular. [2]

A teoria é de que o acúmulo da proteína beta-amilóide formaria placas, que impediriam a comunicação entre os neurônio. Isso torna o canabidiol o primeiro composto não tóxico com resultados comprovados no tratamento da doença. 

Outro estudo realizado em 2016 pelo Centro de Saúde Mental da Universidade de Tel-Aviv, em Israel, mostrou que o óleo de cannabis medicinal é uma opção segura e promissora para o tratamento de demências, auxiliando na diminuição de seus sintomas. [3]

Considerando as importantes alterações comportamentais decorrentes da doença, os compostos da cannabis poderiam auxiliar na diminuição da ansiedade, agressividade e depressão entre os pacientes, resultando em uma melhora na qualidade de vida dos mesmos.

Este fator deve-se, principalmente, à interação entre o THC e os receptores do tipo CB1, fortemente presentes no sistema nervoso central. 

Ainda é impossível falar em cura para o Alzheimer. Ainda assim, com a compilação e análise dos diversos estudos já existentes, é inegável que a cannabis medicinal traz uma série de benefícios no tratamento e controle da doença, impedindo a sua progressão e, em muitos casos, favorecendo a regressão dos sintomas. 

O tema ainda é polêmico e gera debates muitas vezes acalorados entre a classe médica. Parte disso se deve ao fato de que ainda não existem estudos fortes o suficiente para comprovar sua segurança e eficácia em longo prazo. 

Casos reais: como a cannabis medicinal já ajudou pacientes diagnosticados com Alzheimer

Apesar dos obstáculos como a legislação, burocracia, tabus e a descrença por parte dos especialistas, não é raro encontrar casos bem sucedidos do uso da cannabis medicinal em pacientes com Alzheimer.

Um dos exemplos mais famosos é o de Ivo Suzin, um homem de 52 anos, precocemente diagnosticado com a doença. Após o diagnóstico e a mudança drástica na rotina da família, seu filho Filipe passou a estudar centenas de artigos científicos sobre os benefícios da cannabis medicinal. 

Descartando a possibilidade do plantio caseiro, por questões legais, Filipe conheceu a AGAPE, uma ONG que fornece o óleo de cannabis ao Sr. Ivo, iniciando o tratamento imediatamente. Para ele, o tratamento trouxe seu pai de volta, reduzindo sua agressividade, melhorando suas funções cognitivas e melhorando a qualidade do sono. 

Em seu canal do Youtube, Curando Ivo, Filipe e sua mãe Solange mostram as dificuldades da doença e a evolução de Ivo com o tratamento à base de cannabis medicinal. 

Resultado de imagem para curando o ivo

Outro caso real de sucesso é o de Walter Selani, de 86 anos. Segundo seu filho, a doença demorou a ser diagnosticada, porém, evoluiu rapidamente. Walter, que é surdo, se tornou agressivo e os cuidados com ele se tornaram cada vez mais difíceis. 

Ao descobrir o canabidiol o tratamento foi iniciado e permanece até hoje, sete meses depois, como um complemento aos medicamentos prescritos pelo médico. Segundo a família, hoje o Sr Walter reconhece os bisnetos, interage mais e melhor com as pessoas e mostra um melhor desempenho cognitivo. 

São apenas dois exemplos dos muitos que surgem dia após dia. Cada vez mais a cannabis medicinal mostra-se uma alternativa plausível para melhorar a qualidade de vida de pacientes e familiares que convivem com o Alzheimer. Vale ressaltar que, invariavelmente, o acompanhamento médico se faz indispensável. 

Bruna Souza

Mais Notícias