• 17 de abril de 2021

A cannabis no tratamento da ansiedade

 A cannabis no tratamento da ansiedade

Arte: Flickr

Estudos mostram que a cannabis medicinal pode piorar ou melhorar a ansiedade. Entenda como funciona.

A relação da ansiedade e da cannabis tem apoiadores e críticos. Enquanto uns dizem que ela pode ajudar a relaxar e aliviar os sintomas da doença, outros ressaltam que ela pode agravar e ou ser uma causa para as crises de ansiedade.

Uma pesquisa feita com quase 10 mil americanos em 2017 concluiu que 81% deles acreditava que a cannabis tem ao menos um benefício, a ansiedade foi um dos exemplos mais citados. Mas um número grande de entrevistados também relatou uma piora nos seus quadros ansiosos devido à cannabis. Então quem realmente está certo?

Os dois estão. Eu vou te explicar o porquê. Mas primeiro, vamos entender o que de fato é a ansiedade.

Sobre a Ansiedade

O Brasil é o país mais ansioso do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são 9,3% da população brasileira, o que equivale a mais de 18 milhões de pessoas.  

E o que é isso que afeta tanta gente?

A ansiedade normal não é ruim. Ela é um mecanismo natural do corpo que serve como um sinal de alerta, nos auxiliando ao enfrentar desafios e situações de perigo, como uma espécie de precaução para pensarmos duas vezes.

No entanto, ela pode sair de controle e ao invés de ajudar, atrapalhar, resultando em um distúrbio que precisa ser tratado.

Estar eufórico para algum evento ou alguma situação não é a ansiedade que precisa ser tratada, ela é muito mais que isso. É a preocupação, o medo e o nervosismo aumentado que não passa, atrapalhando a rotina e os pensamentos.

Não há um fator único que possa desencadear uma ansiedade, ela pode se desenvolver por inúmeras causas, porém há uma pré-disposição para situações como:

  •         Problemas na infância;
  •         Traumas;
  •         Problemas cardíacos;
  •         Doenças hormonais;
  •         Problemas respiratórios;
  •         Abuso de drogas e álcool;
  •         A Ansiedade na herança genética.

Quando uma pessoa tem uma ansiedade maior do que o normal, ela pode se manifestar em algumas reações pelo corpo, como falta de ar, insônia, enxaqueca, tensão muscular, agitação, tremores, palpitação, enjoo e uma série de sintomas.

Ela pode apresentar também sinais psíquicos, como dificuldade de concentração, preocupação excessiva, pensamentos confusos, mau pressentimento, nervosismo e medo constante, que podem dificultar e muito a vida do paciente.

Sintomas da Ansiedade

A ansiedade anda lado a lado com o medo, por isso é fácil confundir os dois. No entanto, é possível distingui-lo quando se percebe que o medo é exagerado ou irracional. Isso pode mostrar que se trata de algum tipo de fobia.

Para deixar mais claro, separamos alguns exemplos de ansiedade. Existem cinco tipos do distúrbio:

Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT). Como dito acima, situações traumáticas, podem resultar em uma ansiedade fora do normal. O TEPT pode aparecer em média em 15% a 20% de pessoas que sofreram algum tipo de violência, assalto ou catástrofe, mas a maioria só procura ajuda em média dois anos depois.

  •         Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG). Aqui a pessoa teve uma preocupação excessiva com várias coisas e situações o tempo inteiro, que juntando o estresse, pode ser prejudicial.
  •         Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Esse tipo de ansiedade está mais relacionado ao medo de perder o controle das situações ou de ser responsável por algum “desastre” para ele ou alguém. O distúrbio psiquiátrico também é caracterizado por comportamentos repetitivos e compulsivos.
  •         Transtorno de Pânico. Ou também chamada de Síndrome de Pânico, é onde as reações físicas da ansiedade são mais intensas. O paciente pode sentir que está morrendo, mesmo que não haja nenhuma situação de perigo. Ele pode sentir que está perdendo o controle do seu corpo ou tendo um ataque do coração.
  •         Fobia Social. Ou ansiedade social é caracterizada por manifestar os sintomas geralmente em locais públicos, por algum problema psíquico com aglomerações. Ela pode carregar algum tipo de fobia, como a agorafobia, que é o medo de ficar sozinho em público, a claustrofobia (medo de lugares apertados) e outras fobias.

Tratamento da Ansiedade

É possível tratar a ansiedade com terapia e medicamentos, mas mudar ou criar alguns hábitos também é fundamental. Pequenas ações como dormir cedo, meditação, praticar atividades físicas, reduzir a cafeína, açúcar e alimentos processados, pode ser de grande ajuda para diminuir os níveis de ansiedade.

Ansiolíticos e antidepressivos também podem ser aliados, tanto na hora das crises, como diariamente para reduzir os sintomas. No entanto, a terapia ainda é a melhor solução, visto que os problemas são emocionais.

Mas você está lendo este artigo por causa da cannabis, então vamos focar nela.

A Cannabis para tratar ansiedade

A cannabis possui várias substâncias chamadas canabinóides, que podem interagir com o nosso corpo a nível celular. Ela serve como uma espécie de “reforço” para os canabinóides produzidos pelo próprio organismo, por isso a planta funciona para tantas doenças.

O primeiro canabinóide da cannabis a ser isolado foi o tetra-tetraidrocanabinol (THC), elemento que produz as reações alucinógenas da maconha.

Estudos já têm mostrado que a curto prazo, a maconha pode sim causar um efeito positivo sobre a ansiedade, no entanto, o uso contínuo é o que complica.

A ciência já mostrou que em doses altas, ele pode piorar a ansiedade, fazendo o  coração bater mais rápido e os pensamentos também. Isso pode desencadear casos de ansiedade.

A famosa “bad depois da brisa”, ou “bad trip”, pode vir por causa dele. Aquele ataque de pânico que acelera o coração, atrapalha a respiração e dá uma sensação de morte, é uma manifestação do corpo diante da ansiedade.

Já o canabidiol (CBD), que é mais indicado para o tratamento de doenças, não possui reações psicóticas. Os remédios são feitos com mais frequência como uma espécie de óleo, que pode ser pingado embaixo da língua ou engolido.

Também há opções de usar o medicamento de forma inalada ou vaporizada, que gera efeitos terapêuticos em questão de minutos, mas sempre com os níveis de CBD e THC controlados.

Apesar dos efeitos do tetra-tetraidrocanabinol na ansiedade, ele não precisa ser descartado. Quando o THC e o canabidiol estão juntos, ocorre algo que chamamos de Efeito Entourage, ou Efeito Sinergia, onde um potencializa os efeitos do outro.

Por isso, os remédios são feitos com alguma porcentagem mínima do canabinóide. Em doses mais altas, ele pode piorar, mas em doses mais baixas, pode ajudar.

Mas…

Contudo é importante lembrar que a genética de cada um é única, portanto, a planta age de formas diferentes dependendo de cada pessoa.

Mesmo utilizando um fitoterápico de cannabis, lembre-se de buscar tratar a ansiedade como um todo, principalmente ajuda psicológica.

Estudos

Para entender a cannabis no tratamento da ansiedade é preciso saber como a condição se comporta no cérebro. Uma pesquisa feita em 2018 na Universidade da Califórnia em São Francisco, por exemplo, usou máquinas de eletroencefalografia intracraniana (IEEG) para entender as atividades cerebrais de 21 pacientes com epilepsia.

13 deles que tiveram ataques de depressão e ansiedade, tinham sinais passando pelo hipocampo e por um grupo de neurônios no sistema límbico, que controla as emoções. Estas ondas sempre passavam quando a ansiedade ou depressão atacava.

Outra pesquisa também realizada em 2018 pela Universidade da Colúmbia e também da Califórnia descobriu a célula que “causa” a ansiedade. Ela se encontra no hipocampo e induz a um comportamento ansioso.

O experimento foi feito com microscópios em miniatura no cérebro de ratos, e mediram as atividades enquanto eles eram colocados em lugares abertos, onde os bichos se sentiam expostos e consequentemente vulneráveis e ansiosos.

Quanto mais ansiosos os roedores ficavam, mas a célula era disparada no hipocampo. Por isso, os cientistas sugeriam que a ansiedade pode ser parte da biologia humana.

Dito isso, podemos voltar para a cannabis.

Estudos clínicos e também em animais sobre a eficácia da cannabis para o tratamento da ansiedade são feitos em vários países, inclusive o Brasil. Um exemplo é um estudo realizado aqui em 2012 onde mostrou que o canabidiol tem propriedades ansiolíticas.

Outras pesquisas ao redor do mundo também mostraram em estudos de neuroimagens que o CBD junto ao THC no efeito sinérgico tem o poder de bloquear as ações negativas do tetra-tetraidrocanabinol.

Um estudo clínico realizado em 2004 o efeito ansiolítico do CBD altera algumas atividades na região do cérebro que controla processos emocionais, no sistema límbico e paralímbico.

Um pouco depois, outra pesquisa fez um experimento em roedores. Através de microinjeções de CBD em algumas partes do cérebro relacionadas às emoções, os estudos mostraram uma resposta positiva em relação à ansiedade e o pânico dos animais.   

Apesar dos cientistas terem um conhecimento como a cannabis funciona no cérebro, dos bons resultados e depoimento de pessoas, ainda são necessários mais estudos clínicos para garantir a eficácia da planta.

Avatar

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias