• 25 de junho de 2022

Como comprar Canabidiol (CBD): onde encontrar, como importar e quanto custa

 Como comprar Canabidiol (CBD): onde encontrar, como importar e quanto custa

Foto: Getty Images

A cannabis medicinal é uma alternativa cada vez mais popular no Brasil. Conheça todos os meios de se obter o óleo de CBD.

Conforme as propriedades da cannabis ficam mais conhecidas, mais pessoas optam pelo tratamento alternativo. 

De acordo com a Associação Brasileira de Indústria de Cannabis (BRCann), mais de 33 mil pessoas passaram a utilizar o óleo desde o começo da pandemia de COVID-19. Um aumento de 492%.

Se antes o tratamento era voltado apenas para epilepsia ou dores crônicas, hoje as pessoas utilizam a cannabis para ansiedade, depressão e até alzheimer

Foto: Shutterstock

Mas o que é o óleo de CBD?

O Canabidiol (CBD) é apenas uma das mais de 400 substâncias presentes na cannabis. Ele foi descoberto na década de 1990 pelo pesquisador israelense Raphael Mechoulam.

Ele interage com o nosso Sistema Endocanabinonide, um mecanismo do corpo responsável por equilibrar a maioria das funções do organismo. Através de receptores ele pode ajudar a regular o sono, inflamações e até o sistema nervoso.

Por isso é tão eficaz em doenças como epilepsia, por exemplo.

Veja também: Histórias reais de pessoas que tiveram a vida mudada através da cannabis medicinal

E as outras substâncias?

Embora o canabidiol seja o mais usado, há outras substâncias terapêuticas na cannabis também. Como o próprio tetraidrocanabinol (THC), componente que gera os efeitos alucinógenos da maconha

A maioria dos produtos são feitos com pelo menos, 03% de THC para gerar um efeito sinérgico. Juntos, são até 10 vezes mais potentes que separados. 

Há óleos que são feitos até com outras substâncias diferentes da cannabis. Eles são chamados de extrato da planta inteira.

O CBD é legal no Brasil? 

Sim. Depois de muita insistência de pais e familiares, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicou uma resolução que permitiu a importação de produtos derivados da planta no Brasil. 

A importação é individual e segue uma série de requisitos. Para saber mais, continue no artigo!

No final de 2019, a agência publicou mais uma RDC. Dessa vez, autorizando a fabricação e comercialização dos produtos em farmácias, mas vetou o cultivo.

Depois que a resolução entrou em vigor, 11 produtos foram aprovados para a venda até agora. Outras dezenas ainda aguardam na fila.

Produto VS Medicamento

É importante ressaltar que o Mevatyl é o único remédio feito com a cannabis aprovado pela agência. Os outros óleos disponíveis no mercado são categorizados como produtos.

Na prática, os produtos são iguais. A diferença é que eles só podem ficar no mercado por 5 anos, sem renovação.  Depois, precisam realizar testes clínicos para se tornar remédio.

Fale com um médico

Antes de tudo, fale com um médico. Medicamentos à base de cannabis só podem ser vendidos por meio de uma receita médica.

Hoje em dia, há médicos especializados em cannabis que são os mais indicados para prescrever, mas é possível conversar sobre isso com o seu especialista também.

No entanto, é válido ressaltar que o profissional é responsável por receitar a concentração do óleo. 

Isso porque as variações dos chamados canabinoides existentes na planta, não na mesma quantidade em cada produto ou para cada paciente. Eles variam de acordo com a necessidade, a marca e a condição tratada.

Foto: Getty Images

Como comprar canabidiol? 

Agora, tudo o que você queria saber: como comprar o óleo de canabidiol.  

Embora produtos e medicamentos à base de cannabis ainda sejam mais restritivos do que gostaríamos, há várias maneiras de se obter o óleo, como associações, importações e até nas farmácias.

Se depois de ler o artigo ainda estiver com dúvidas ou já quer começar um tratamento, tem um atendimento especializado que vai te ajudar desde a consulta com o médico até a compra do óleo. Clique aqui.

Importação

 Como dito anteriormente, as importações foram reguladas em 2015, através da resolução 335/15. Ela permitiu que pacientes e responsáveis importassem o óleo através da chamada,  “autorização excepcional” concedida pela Anvisa.

Para obter o documento, é necessário fazer um cadastro no site da agência. Segundo o órgão, a análise demora em média 10 dias.

Mas caso seja um produto da lista pré-definida do órgão, a aprovação é automática. 

Por causa da alta demanda, a Anvisa criou uma nova RDC em 2021. A resolução 570 substituiu e otimizou o processo. Agora, a análise dos produtos só leva em consideração a procedência, por exemplo.

Contudo, o cadastro ainda deve seguir em anexo:

O laudo. Ele deve conter a descrição do caso, o CID da doença, histórico dos tratamentos anteriores e uma descrição completa sobre a necessidade de comprar um remédio que não esteja registrado pela Anvisa.

A prescrição médica. Aqui a receita deve ser completa e detalhada, contendo o nome do paciente, o produto, a dosagem, a quantidade, o tempo de tratamento, a data e também assinatura, número do registro profissional e carimbo do médico.

Declaração de Responsabilidade. O paciente e o médico precisam escrever um termo de responsabilidade e esclarecimento sobre a cannabis medicinal, com data, local e o carimbo do profissional de saúde.

Adquirindo o produto 

Depois que você conseguir a autorização há várias maneiras de importar.

Uma delas é entrando em contato direto com uma importadora de óleo de cannabis ou empresas especializadas no assunto. Elas auxiliam em todo o processo de importação. 

Há casos em que as empresas ajudam até no processo burocrático para obter o aval da Anvisa, mas não é regra.É comum que um médico prescritor também indique uma empresa especializada.

É importante ressaltar que há apenas três maneiras de importar remédios à base de cannabis medicinal.

  • Remessa expressa;
  • Através do Licenciamento de Importação no Sistema de Comércio Exterior (Siscomex);
  • Ou simplesmente, bagagem acompanhada.

O envio pelos correios é proibido.

Renovação

A autorização é válida por dois anos. Durante este tempo, basta apresentar a prescrição médica contendo a quantidade para comprar o produto. 

Ela também deve ser apresentada nos postos da Anvisa para pegar o produto. Eles geralmente ficam nos aeroportos e áreas de fronteiras.

Depois dos dois anos é preciso renová-la. Para isso, o processo é o mesmo que fazer um cadastro, no entanto, precisa ter outros documentos, como:

  • Laudo com a evolução do caso;
  • Uma nova receita;
  • Um novo termo de responsabilidade.

Preço dos produtos importados

Por causa da variedade de produtos, eles têm custos diferentes, que podem ir de R$200,00 a até R$3 mil. Tudo vai depender da concentração, dosagem, aceitação do organismo do paciente e até da condição da doença tratada. 

Isso fora o frete.

Associações 

Entidades em todo o Brasil ajudam pacientes com os trâmites, tanto para processos de importação quanto para a compra do produto nacional. 

Há entidades que também promovem compras coletivas, para o medicamento ficar mais barato. Outras até fabricam o óleo com ou sem um aval judicial. 

A associação Abrace, por exemplo, foi a primeira a obter o direito de cultivo legal  em 2017. Hoje ela atende mais de 20 mil pacientes em todo o Brasil.

A Associação Amme, de Recife, também obteve uma liminar em 2021. Fora elas, outra entidade, a Cultive, obteve o chamado Habeas corpus coletivo.

Contudo, há mais de 30 espalhadas pelo país. Muitas praticam desobediência civil por cultivar sem autorização.

Preço do óleo nas associações 

Aqui há a possibilidade de o produto ser mais em conta, pois em muitos casos, é fabricação local. Contudo, assim como a importação, é necessário ter uma prescrição médica. 

As associações também doam para pessoas que não podem custear o óleo, mas na maioria dos casos, elas vendem pelo valor de custo, que também varia de R$70,00 a R$1 mil. 

Foto: Getty Images

Tudo vai depender da concentração, dosagem, aceitação do organismo do paciente e até da condição da doença tratada. 

As instituições também pedem um valor anual para continuar mantendo a associação e ajudando outros pacientes. 

Uma desvantagem é que estas entidades não possuem um padrão industrial, o que pode atrasar a entrega dos produtos ou acontecer das concentrações do óleo  não serem exatas.

Em contrapartida, os produtos são customizados, feitos especialmente para o paciente com todas as concentrações necessárias para cada um.

Farmácias

Depois da resolução 327/19, 11 produtos à base da planta foram aprovados para a venda nas farmácias. Contudo, apenas cinco deles estão efetivamente disponíveis nas drogarias. 

Eles são apenas de duas empresas: a Prati-Donaduzzi e a NuNature. Isso porque além da aprovação, há um longo processo para entrar nas farmácias. 

Assim como a importação e associações, só é possível comprar com receita médica azul do tipo B previamente enviado para o site ou apresentado na drogaria.

 Isso porque os produtos foram aprovados como medicamentos controlados de tarja preta. 

Preço dos produtos nas farmácias

Aqui os preços também variam de acordo com a concentração do óleo. Dependendo do produto, ele pode custar R$250,00 ou R$2.500,00.

A desvantagem é que os produtos são limitados e não atendem a todos os públicos. 

Mais informações

Se ainda estiver com dúvidas ou quer começar um tratamento, tem um atendimento especializado que vai te ajudar desde a consulta com o médico até a compra do óleo. Clique aqui.

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias