• 16 de maio de 2022

Março Amarelo: A cannabis pode ser uma opção para a endometriose?

 Março Amarelo: A cannabis pode ser uma opção para a endometriose?

Já fez o seu exame preventivo para saber se possui a condição? Caso já tenha certeza, já pensou na cannabis como alternativa?

Segundo uma pesquisa divulgada no começo do ano, mais de 70% das mulheres australianas utilizam a cannabis como primeira opção para o tratamento da endometriose.

Isso equivale a uma em cada nove mulheres no país. Elas ainda consideram a cannabis como primeira opção.

No Brasil, até a maconha, tem ganhado destaque no tratamento contra as cólicas. Por isso, será que a cannabis realmente pode ser útil?

Endometriose no Brasil

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), cerca de 10% das brasileiras sofrem com a condição. Principalmente mulheres de 25 a 35 anos. 

Só em 2020, pelo menos 6.531 mulheres foram internadas por problemas relacionados à endometriose, segundo o Ministério da Saúde. 

A condição provoca cólicas intensas durante o período menstrual, além de dores durante as relações sexuais. Conforme o avanço da doença, ela pode provocar sangramentos intestinais e dificuldades para engravidar.

Se não for tratada, pode resultar em infertilidade.

Março amarelo

Embora possa ser evitado, há casos é necessário até cirurgias. Só em 2013, pelo menos sete mulheres foram operadas todos os dias no estado de São Paulo, de acordo com a secretaria de saúde. 

Por isso, foi criado o Março Amarelo. Ele serve para conscientizar a realização de exames preventivos, que ajudam a identificar a condição ainda no estágio inicial, o que evita o desenvolvimento da doença em forma grave.  

Tratamentos Convencionais

O tratamento da doença pode ser feito de diversas formas, que inclusive, são oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), como: 

  • Tratamento Clínico. Busca neutralizar o estímulo hormonal estrogênio nos focos da endometriose. O que pode proporcionar uma melhora dos sintomas e controle da dor. 
  • Contraceptivos. Os contraceptivos hormonais são uma opção mais comum, é indicado para mulheres que não planejam engravidar.

Cannabis como alternativa

A cannabis tem se mostrado um tratamento efetivo e cada vez mais prescrito por ginecologistas. 

As pacientes relatam uma melhora nas dores, depressão, ansiedade e até a redução do uso de medicamentos convencionais, o que inclui opioides e contraceptivos orais, que geram uma série de efeitos colaterais.

Isso porque a cannabis age diretamente no Sistema Endocanabinoide, que está presente também no endométrio. 

O que é o Sistema Endocanabinoide

Trata-se de um sistema que funciona a nível molecular. Ele ajuda a restaurar a homeostase, ou seja, o equilíbrio de várias funções do organismo. 

Através dos chamados canabinoides, substâncias feitas pelo próprio organismo, ele ajuda a sinalizar quando algo está errado. 

Os nossos receptores canabinoides também aceitam substâncias que vêm de fora, como os canabinoides das plantas. 

Estudos

Fora os relatos, há também pesquisas que mostram a eficiência da cannabis como tratamento para a endometriose, comoum estudo feito na Espanha.

O artigo publicado pelo Laboratório de Neurofarmacologia da Universidade Pompeu Fabra, relata que o tetraidrocanabinol (THC) foi capaz de aliviar as dores e até limitar o desenvolvimento dos cistos causados pela doença.

A substância que causa o famoso “barato” na maconha foi testada em camundongos e a resposta foi um efeito bastante positivo.

Outras pesquisas mostram que pacientes com endometriose apresentavam uma queda nos receptores do Sistema Endocanabinoide, sistema que ajuda a regular as funções do organismo.

A revista científica Journal of Molecular Endocrinology mostrou que o Canabidiol (CBD) tem um papel importante nos órgãos reprodutores femininos.

Segundo a publicação, estas substâncias podem regular algumas funções tais como a migração e a proliferação de células do endométrio.

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias