• 20 de maio de 2022

Uso da Maconha por jovens diminuiu em 2021 nos EUA, segundo novo estudo

 Uso da Maconha por jovens diminuiu em 2021 nos EUA, segundo novo estudo

Apesar do mercado legal de cannabis continuar evoluindo nos Estados Unidos, um novo estudo federal descobriu que o uso da maconha entre os adolescentes na verdade diminuiu em 2021. 

De acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas dos EUA, uma recente pesquisa sobre o comportamento de uso de substâncias e atitudes relacionadas entre os alunos da 8º, 10º e 12º séries escolares nos Estados Unidos mostrou um declínio significativo no ano passado.

Quando se trata do uso de maconha, a porcentagem de estudantes que relataram ter usado a substância (em todas as formas, incluindo fumar e vaporizar) no último ano diminuiu em todos os grupos analisados.

Os dados mostraram que 7,1% dos estudantes da oitava série relataram o uso de cannabis no último ano em 2021, comparado com 11.4% em 2020. 

O mesmo declínio aconteceu com os alunos do 10º e 12º ano, já que 

28,0% e 35,2% dos alunos do 10º e 12º ano relataram o uso de cannabis no ano de 2020, respectivamente. Isso teria caído para 17.3% e 30.5% em 2021. 

Nora Volkow, diretora do Instituto Nacional de Abuso de Drogas (NIDA), afirmou: “Nunca vimos diminuições tão dramáticas no uso de drogas entre os adolescentes em apenas um ano.’’

Esses dados não tem precedentes e destacam uma consequência potencial inesperada da pandemia COVID-19, que causou mudanças na vida cotidiana dos adolescentes.

“Mais adiante, isso será crucial para identificar os elementos essenciais do ano passado que contribuíram para a diminuição do uso de drogas, seja relacionado à disponibilidade de drogas, envolvimento da família, diferenças na pressão dos pares ou outros fatores, e aproveitá-los para informar os esforços de prevenção futuros.” acrescentou a diretora.

Descobertas anteriores de uma outra pesquisa apoiada pelo NIDA, conduzida como parte do Estudo do Desenvolvimento Cognitivo do Cérebro do Adolescente (ABCD), mostrou que a taxa geral de uso de drogas entre uma coorte mais jovem de pessoas de 10 a 14 anos permaneceu relativamente estável antes e durante os primeiros seis meses da pandemia da COVID-19.

No entanto, os pesquisadores detectaram mudanças nas drogas usadas, com uso do álcool diminuindo e o uso de produtos de nicotina e aumentando o uso indevido de medicamentos prescritos.

Adolescentes que passaram por estresse, depressão ou ansiedade relacionados à pandemia, ou cujas famílias passaram por dificuldades financeiras e materiais durante esse tempo, ou que os próprios pais usam substâncias, tinham maior probabilidade de usá-las também. 

“Além de olhar para essas quedas significativas de um ano no uso de substâncias entre os jovens, o real benefício da pesquisa Monitorando o Futuro é nossa capacidade única de rastrear mudanças ao longo do tempo e ao longo da história”. Disse Richard A. Miech, PhD, autor principal do artigo e líder da equipe do estudo Monitorando o Futuro da Universidade de Michigan.

Segundo Richard, ficou perceptível que os dados deste último ano iluminariam como a pandemia COVID-19 pode ter impactado o uso de substâncias entre os jovens. Nos próximos anos, será possível descobrir se esses impactos são de longa duração à medida que continuem rastreando os padrões de uso de drogas de essas coortes únicas de adolescentes.”

Referências

  • Canex

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias