• 27 de junho de 2022

Idosos que consomem cannabis são mais ativos do que os que não consomem, diz estudo

 Idosos que consomem cannabis são mais ativos do que os que não consomem, diz estudo

Quando a cannabis é usada com segurança, ela pode gerar diversão durante o exercício, aumentando as chances das pessoas se exercitarem com mais frequência. Existem muitos outros fatores mentais que afetam diretamente nosso desejo de nos exercitar.

Os cidadãos americanos com 60 anos ou mais que consomem cannabis, se exercitam com mais frequência e vigor e demonstraram um índice de massa corporal mais baixo do que aqueles que não consumiram.

Muitos entusiastas da cannabis de todas as idades descobriram as vantagens de se exercitar após o consumo e que geralmente os resultados são agradáveis.

Apesar das décadas de propaganda e alguns estudos pouco conclusivos trazerem a teoria da síndrome amotivacional (um distúrbio que afeta consumidores crônicos de cannabis) em torno da cannabis, muitas evidências desafiam o conceito de que a cannabis diminui a velocidade do corpo físico e prejudica a capacidade psicomotora.

Um novo estudo, analisou americanos com 60 anos ou mais e descobriu que os consumidores de cannabis são mais hábeis em exercícios regulares do que os não consumidores.

Os resultados foram publicados na edição de julho de 2020 do American Journal of Health Behavior. Os dados sugerem que os usuários de cannabis com mais de 60 se exercitam com mais frequência e têm um índice de massa corporal mais baixo do que os cidadãos mais velhos que não consomem.

A equipe chegou à conclusão de que a cannabis não afetou negativamente as rotinas de exercícios deles.

O estudo foi conduzido por uma equipe do Departamento de Neurociência e Psicologia da Universidade do Colorado, Boulder. “Embora os estudos tenham sugerido que a cannabis pode prejudicar o desempenho psicomotor e a função pulmonar, ela realmente ajuda a melhorar o desempenho físico”, escreveram os pesquisadores.

“É importante notar que os poucos estudos que testam diretamente essa associação carece de validade externa, pois, usaram formas de cannabis que não estão disponíveis nos dispensários modernos, para uso medicinal e recreativo”.

Os pesquisadores perceberam que estudos anteriores sobre o assunto, envolvia cannabis de baixa qualidade e que é quase impossível de encontrar hoje em dia, com flores disponíveis nas prateleiras de dispensários em dezenas de estados.

Usando a Escala de Recuperação de Atividade Física de 7 dias (PAR) de Stanford, a equipe conseguiu medir com precisão a frequência de exercícios entre os participantes. Os benefícios do PAR incluem o fato de permitir que os pesquisadores façam uma distinção entre atividade física relacionada ao trabalho e não relacionada ao trabalho, além de também medir os níveis de intensidade do exercício e outros fatores.

Todos os participantes tinham 60 anos ou mais e foram definidos como sedentários, em que eles mesmos relataram praticar menos de 80 minutos de “atividade física moderada” por semana.

Os participantes foram monitorados quanto ao índice de massa corporal, atividade cardiovascular e frequência de exercícios no início do estudo, depois de oito semanas e depois de 16 semanas. Em oito semanas, 164 participantes completaram o estudo e 153 participantes chegaram à marca de 16 semanas.

“Os resultados desta análise indicaram que, em comparação com os não usuários de idosos, os usuários de cannabis apresentaram menor [índice de massa corporal] no início de um estudo de intervenção com exercícios, envolvidos em dias de exercícios semanais durante a intervenção e estavam envolvidos em mais exercícios. Atividades relacionadas ao término da intervenção”, escreveu a equipe.

Por que a cannabis melhora a prática de atividade física?

Ao examinar a cannabis e o seu feito nos exercícios, podemos afirmar que: a cannabis tem o poder, por exemplo, de induzir um estado mental durante caminhadas, jogging e corridas que fazem com que o exercício pareça mais fácil de executar.

Um estudo semelhante publicado em 2019, também realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade do Colorado, em Boulder, descobriu que pessoas que combinam cannabis e a prática de atividades físicas tendem a se exercitar com mais frequência.

Seiscentas pessoas com 21 anos ou mais foram observadas no estudo, essas pessoas moravam na Califórnia, Colorado, Nevada, Oregon e Washington.

Essa equipe constatou que 81,7% dos participantes disseram que consomem cannabis antes ou após o exercício, e outros 67,2% dos participantes disseram que consomem cannabis antes e após o exercício.

O que é mais importante ainda, os participantes que consomem cannabis relataram que fazem mais 43 minutos de exercício por semana, em comparação com os consumidores de cannabis que não consumiram um número significativo.

A maioria das pessoas está ciente da liberação natural de anandamida que se liga aos receptores canabinóides no cérebro. Isso explicaria porque alguns corredores relatam a sensação de serem apedrejados depois de uma corrida longa, e também porque os atletas são frequentemente atraídos pela cannabis em primeiro lugar. Ao combinar a cannabis com o exercício, podemos supor que ela aumenta os efeitos da anandamida.

As descobertas são relevantes, promovendo estilos de vida ativos em meio a paralisações generalizadas. Talvez o melhor argumento seja o modo como o estudo desafia o conceito de muitos, de que os ”drogados” são preguiçosos e sedentários, um conceito antigo que permanece até hoje.

Referências:

  • HighTimes

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias