• 24 de junho de 2022

Tricomoníase: O que é, Causas, Sintomas, Transmissão e Tratamentos

 Tricomoníase: O que é, Causas, Sintomas, Transmissão e Tratamentos

Doenças sexualmente transmissíveis tem se tornado cada vez mais comum entre os assuntos atuais. Mas você já ouviu falar da tricomoníase? Vamos entender melhor sobre.

Basicamente,  a tricomoníase é uma infecção sexualmente transmissível (IST), causada por um parasita chamado de Trichomonas vaginalis, que pode resultar no aparecimento de sinais e sintomas que podem ser bastante desconfortáveis.

Vale lembrar, que é importante que essa doença seja identificada logo no início dos primeiros sintomas e seja tratada de acordo com a orientação médica para que o parasita seja eliminado de forma mais eficaz. 

De acordo com um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2016, 156 milhões de pessoas entre 15 e 49 anos foram diagnosticadas com o problema. 

Nas mulheres, a infecção da uretra (tricomoníase urogenital) ocorre em 90% dos casos.

Causas

Como citado, o principal causador da doença é o parasita Trichomonas vaginalis, que causa uma infecção não-bacteriana. 

Pelas suas características, este agente infecta predominantemente a vagina e uretra, sendo raro haver outras áreas do corpo afetadas, como a boca, a garganta, as mãos ou o ânus. 

Depois da infecção, o período de incubação pode ser de 4 a 28 dias, sendo frequente o aparecimento de sintomas nos 6 dias após a infeção.

Além disso, existem alguns fatores de risco para a infeção tricomoníase ou para a tricomoníase de repetição, entre elas estão: 

  • Relação com vários parceiros sexuais;
  • Relações sexuais sem utilização de preservativo;
  • Presença de outras infecções de transmissão sexual;
  • Infeção prévia de tricomoníase;
  • Imunidade diminuída.


Principais Sintomas

Essa doença pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres, no entanto nos homens é comum que essa infecção seja assintomática. 

Nos casos sintomáticos, os sintomas costumam aparecer entre 5 a 28 dias após o contato com o parasita, sendo os principais:

  • Dor e desconforto ao urinar;
  • Corrimento esverdeado ou amarelado com cheiro forte, no caso das mulheres;
  • Corrimento branco e fluido, no caso dos homens;
  • Vermelhidão na região genital.

No casos das mulheres, os sintomas costumam ser mais intensos durante e após o período menstrual devido à alteração do pH da vagina, enquanto que nos homens é comum que o parasita permaneça na uretra, causando uma infecção mais séria, podendo ser notado inchaço da próstata e inflamação do epidídimo.

Essa doença é contagiosa?

Em pessoas mais adultas, esta infeção é transmitida através do contato sexual, ou seja, o contágio ocorre através das relações sexuais acometendo a zona urogenital da mulher (tricomoníase feminina) e o pénis e uretra do homem (tricomoníase masculina).

Como foi dito, a tricomoníase é uma Doença Sexualmente Transmissível (DST). Portanto, a forma de contágio desta doença corre através das relações sexuais (passa ou “pega-se” com as relações sexuais).

A mulher ou o homem podem ser portadores assintomáticos da infecção, facilitando também a transmissão da doença.

Tricomoníase na gravidez

Essa doença também pode surgir durante uma gravidez, podendo estar associada a algumas complicações como:

  • Rotura prematura de membranas pré-termo;
  • Parto pré-termo ;
  • Recém-nascidos de baixo peso.

O tratamento da tricomoníase na mulher grávida está indicado quando sintomática ou se assintomática após as 37 semanas, pelo risco de transmissão da infeção ao recém-nascido.

Possíveis tratamentos

Mas afinal, existe tratamento para essa doença?

Sim, o tratamento para tricomoníase tem como objetivo aliviar os sintomas da infecção e prevenir futuras complicações. 

Isso porque quando a infecção não é tratada ou o tratamento não é realizado conforme orientação do médico, há maior risco da pessoa adquirir outras infecções sexualmente transmissíveis  no futuro, devido à maior fragilidade do sistema imune, como:

  • HIV
  • Gonorreia
  • Clamídia 
  • Vaginose bacteriana.

Além disso, quando o tratamento não é realizado até o fim, há também maior probabilidade da pessoa continuar a transmitir o parasita, além de favorecer a sua proliferação e o desenvolvimento de sintomas mais graves.

A tricomoníase tem cura, devendo para tal ser tratada de forma adequada. 

O tratamento está indicado para a mulher e para os seus parceiros sexuais uma vez que, tanto o homem como a mulher podem contrair a infeção. 

Desta forma, pode haver cura da infecção devendo ser adotadas medidas de prevenção para evitar uma nova infeção.

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias