• 27 de outubro de 2020

O uso da maconha por adolescentes é prejudicial?

 O uso da maconha por adolescentes é prejudicial?

Sabemos que muita gente que faz o uso da maconha, experimentou antes dos 17 anos, o que não é o aconselhável. Saiba o porquê.

Falar de maconha sempre é polêmico, ainda mais quando colocamos os adolescentes no assunto. No entanto, é um tema necessário. Assim como em adultos, a maconha é a substância mais usada por adolescentes ao redor do mundo.

A preocupação é ainda maior por causa da sua proibição.

 No Brasil, a cannabis só é permitida exclusivamente para fins medicinais, o que deixa os futuros jovens nas mãos de traficantes que vendem produtos de origens duvidosas e que não se importam de vender para menores.

Veja os riscos da cannabis prensada no Brasil.

Como a maconha afeta o organismo?

É importante ressaltar que a maconha não é um bicho de sete cabeças. Os seus canabinóides podem interagir com o organismo e trazer benefícios, até mesmo o tetra-tetraidrocanabinol (THC), principal composto que gera os efeitos alucinógenos.

Pessoas com depressão ou dores crônicas, por exemplo, usam a planta como terapia, pois o THC pode elevar os níveis de alguns neurotransmissores. Mas o uso em excesso, pode ser bem ruim, causando até ansiedade.

O uso em grandes quantidades também pode causar dependência. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) a classificação da planta para induzir à dependência está entre leve e moderada.

Isso quer dizer que se alguém consumir em grandes doses e por muito tempo, pode sim levar a um tipo de dependência, mas certamente não é maior que álcool ou heroína.

É também praticamente impossível ter uma overdose com a cannabis.

Preocupação entre adolescentes

Mas talvez o principal motivo de preocupação do consumo entre os menores é o prejuízo da memória em formação. A maconha não tem o poder de “queimar neurônios”, mas pode sim afetar a memória.

Principalmente a memória de curto prazo. Efeito que acontece durante o uso, mas se a droga é consumida todos os dias, pode até reter informações.

Reação pode voltar ao normal, caso o indivíduo deixe de usar a substância em até sete dias. A maioria dos efeitos prejudiciais da maconha não são permanentes.

A suspeita é a ativação dos receptores no hipocampo, é como se fosse uma central da memória. O que pode produzir fragmentação do pensamento, desconexão de associações e aumento na distração. 

O problema é quando o cérebro ainda está em formação, como é o caso dos adolescentes. As reações no corpo são mais intensas que em uma pessoa adulta.

Um estudo publicado na revista científica Jama Psychiatry revisou 3.142 artigos publicados sobre o assunto e estudou a evolução de mais de 23 mil adolescentes que usavam uma quantidade alta de maconha.

Os resultados mostraram que eles tinham 37% mais chances de desenvolver depressão e 50% pensamentos suicidas. Os dados abordam questões multifatoriais, mas mesmo assim, de grande preocupação para os pais.

Mas como eles conseguem a maconha?

Por ser vendida de forma ilícita, não há uma preocupação com o estatuto da criança e do adolescente por parte dos vendedores.

Segundo um levantamento da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), 7,7% dos brasileiros entre 12 a 65 anos, já consumiram maconha pelo menos uma vez na vida.

Ela é introduzida principalmente por amigos, seguida da influência da internet e depois em festas. Mas em todos os casos ela é aceita por curiosidade. O adolescente está em uma fase de conhecer coisas novas e por influência, pode acabar experimentando.

Por isso, a proibição não é efetiva para barrá-los de usar a cannabis. Um estudo publicado na revista The American Journal of Public Health, dos Estados Unidos, por exemplo, mostrou que a legalização não alterou o consumo entre menores.

Os pesquisadores compararam dois estados, um que tinha a legalização e outro que não tinha. Eles chegaram à conclusão de que a porcentagem de adolescentes que usavam a planta era semelhante nos dois lugares, por isso, a legalização não aumentou o consumo.

Veja a matéria completa aqui.

Mas por motivos de precaução, sites e influenciadores que falam sobre maconha, tendem a alertar a consumir o conteúdo apenas se for maior de 18 anos. 

 

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias