• 8 de maio de 2021

Óleo de Cannabis enviado a paciente é retido pela polícia federal

 Óleo de Cannabis enviado a paciente é retido pela polícia federal

Classificado como “produto suspeito”, o óleo de canabidiol enviado por uma associação é um remédio essencial para tratar duas condições de um paciente.

Conseguir um tratamento com a planta não é fácil e a falta de uma legislação clara sobre o tema dificulta ainda mais o acesso à cannabis medicinal.

Associações, por exemplo, precisam enviar precisam enviar o fitofármaco pelo correio, mas nem sempre dá certo.

Como no caso de uma mãe, que não conseguiu receber o óleo da Associação de Apoio à Pesquisa e à Pacientes de Cannabis Medicinal (Apepi), porque foi retido na Polícia Federal.

O filho dela tem DAH (Transtorno do Déficit de Atenção) e TOD (Transtorno Opositivo Desafiador), por isso, não poderia ficar sem o fitofármaco.

Mesmo a encomenda contendo uma série de especificações estipuladas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o óleo de canabidiol foi impedido como “material suspeito”.

Conversamos com a equipe que atende os pacientes da Apepi que comentou que o envio segue alguns critérios, como um preenchimento de um formulário contendo todos os detalhes “nós enviamos o produto como óleo essencial” complementou.

A mãe do paciente tentou rever o produto de várias formas, mas sem sucesso. Até mesmo com um requerimento para a Polícia Federal rever o caso e aguarda um desfecho.

Segundo advogado da entidade, Ladslau Porto, outro produto foi enviado à mãe. “O mais importante é que iremos permanecer enviando o remédio para os associados” acrescentou.

Outros meios difíceis de se obter canabidiol

Apesar do caso isolado, a entidade possui mais de mil associados. O acontecimento pode gerar um temor em pacientes que dependem da planta.

Obter a cannabis não é uma tarefa fácil. Se optar por comprar nas farmácias ao invés das associações, terá que arcar com o custo na média de R$2.500,00

Em caso de importações, o envio pelo Correio é proibido. O óleo de cannabis precisa ser enviado por remessa expressa, um licenciamento de importação ou simplesmente bagagem acompanhada.

Pedido de cultivo negado

Essa não é a única dor de cabeça da Apepi. Em Julho a entidade havia conseguido uma liminar para o cultivo associativo de cannabis.

No entanto, a decisão foi derrubada. A entidade recorreu por duas vezes, mas sem sucesso. “Vamos recorrer sempre” acrescentou o advogado. 

 

Avatar

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias