• 26 de junho de 2022

Inglaterra pretende fabricar produtos de cannabis medicinal e torná-los mais acessíveis

 Inglaterra pretende fabricar produtos de cannabis medicinal e torná-los mais acessíveis

Através de campanhas de famílias de crianças com epilepsia de difícil controle, a legalização da cannabis foi liberada no Reino Unido. Hoje os profissionais da saúde querem se aprofundar no conhecimento dos produtos.

O Sistema de Saúde Pública da Inglaterra (NHS sigla em inglês), está pesquisando a possibilidade de fabricar produtos de cannabis medicinal para ensaios clínicos com criança que sofrem de epilepsia grave. 

Foi descoberto que os compostos conhecidos como canabinóides, que são encontrados na planta, podem ter algum poder anti-convulsivo que ajuda no tratamento de certas doenças.

A cannabis medicinal foi legalizada no Reino Unido em novembro do ano de 2018 através de campanhas de famílias de crianças que passavam por tratamento de epilepsia. Os pais de Billy Caldwell e Alfie Dingley disseram que seus filhos tiveram resultados positivos depois de serem tratados com óleo de cannabis importados de outros países como o Canadá e a Holanda.

Contudo, desde que a cannabis foi legalizada em 2018, nenhuma receita foi fornecida pelo Sistema Público de Saúde. Isso ocorre pelo fato de os profissionais não estarem familiarizados com o poder dos canabinóides.

Muitos pacientes contam com clínicas particulares para terem acesso a medicamentos de cannabis. Apesar do acesso e custo aos medicamentos estarem melhorando, as famílias ainda demandam grandes despesas com produtos medicinais de cannabis. No entanto, agora o NHS disse ter planos para fabricar óleos de cannabis em preparação para testes clínicos.

Carta é enviada aos deputados

O professor Stephen Powis, diretor médico do NHS Inglaterra, disse em sua carta:

“Tivemos sucesso no projeto e aprovação de um ensaio clínico feito sobre a epilepsia refratária, onde a eficácia dos medicamentos à base de cannabis pode ser avaliada”.

A esperança e que os resultados dos ensaios clínicos, previsto para começar no início do próximo ano, forneça evidências necessárias para o uso mais amplo da cannabis medicinal no sistema de saúde público.

Estudos anteriores descobriram que uma combinação dos compostos de cannabis chamados de CBD e THC podem ajudar a reduzir as convulsões no tratamento resistente de epilepsia. 

Em novembro de 2019, o Instituto Nacional de Saúde e Cuidados Excelentes (NICE) publicou recomendações para o uso de cannabis.

Atualmente, o Epidiolex da GW Pharmaceuticals é o único produto de cannabis medicinal recomendado para o tratamento de epilepsia no Reino Unido. No entanto, o uso do produto na maioria é indicado apenas em casos específicos de doenças como síndrome de Lennox e Dravet.

A cannabis foi movida para o cronograma 2 do Controle de Substâncias em novembro de 2018, permitindo o uso médico e a pesquisa da planta e seus derivados. Mais recentemente, o Epidiolex foi mudado para o cronograma 5 , se tornando o primeiro medicamento a base de cannabis a ganhar espaço nessa categoria.

Referências

  • The Cannabis Exchange
  • Sechat

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias