• 25 de junho de 2022

Governo remove as restrições da lei de sementes de cânhamo na Suíça 

 Governo remove as restrições da lei de sementes de cânhamo na Suíça 

Na Suíça, o ano de 2021 já começou com boas notícias para os amantes do universo canábico, após algumas mudanças nas leis referente a planta.

As sementes de cultivo de cânhamo já podem ser produzidas e vendidas a partir deste mês, depois que o governo removeu as restrições da lei de sementes do país.

“A Secretaria Federal de Agricultura (FOAG) permite a produção e vendas de sementes e mudas para a produção do cânhamo CBD na agricultura”, afirmou a agência em nota divulgando as mudanças na lei de sementes, que é guiada pelo Departamento Federal De Assuntos Econômicos, Educação e Pesquisa (WBF). 

Apesar da referência ao CBD, a mudança afeta toda a indústria do cânhamo, de acordo com o comunicado da FOAG. 

“Com o objetivo de permitir o desenvolvimento de sistemas de cultivo e métodos de propagação de plantas correspondentes na agricultura, todas as disposições sobre o cânhamo no decreto da WBF sobre sementes e materiais vegetais foram revogadas”, disse à agência. 

Porcentagem de THC

No ano de 1998, o cânhamo foi submetido à lei de semente para diferenciar seu uso industrial da cannabis narcótica, que é estritamente limitada e rigidamente regulamentada na Suíça. 

Embora o cânhamo se enquadrasse nas disposições da lei de sementes Do país, antes não estava sujeito às leis de narcóticos. 

A Suíça, que não é membro da União Europeia, é uma exceção no continente, tendo definido seu limite de THC para o cânhamo industrial em 1,0% em 2011.

Nos países da UE o limite deverá aumentar de 0,2% para 0,3 % depois que o Parlamento Europeu aprovou essa mudança em outubro de 2020.

“O valor limite para o canabinoide tetrahidrocanabinol (THC) introduzido em 2011 nas leis do narcóticos, permite uma delimitação suficiente da cannabis proibida”, disse a FOAG no comunicado. 

Países na América Latina, África e Ásia também colocaram limites do canabinoide para o cânhamo em 1,0%, desafiando um limite internacional geralmente de 0.3%.

Uma proposta para adotar a barreira de 1,0%  foi recentemente lançada no Congresso dos Estados Unidos, que estabeleceu o limite do THC em 0,3% na Farm Bill 2018, que legalizou o cânhamo pelo governo federal. 

Limite na Suíça

O limite de THC mais alto permitido para o cânhamo dá à Suíça uma vantagem na produção de CBD, porque o canabidiol no cânhamo aumenta em proporção ao THC.

O cânhamo é cultivado no país primeiramente para o fumo e como biomassas para a extração de CBD produzido por plantações densas que se parecem com plantas de maconha na aparência. 

O canabidiol e a cannabis rica CBD não são narcóticos programados na Suíça, mas não estão disponíveis gratuitamente como remédio nas farmácias sem receita médica.

Suplementos alimentares enriquecidos com canabidiol, botões fumáveis e outros produtos estão no mercado sob as diretrizes de controle de qualidade.

Leis revisadas são esperadas

A maconha é regulamentada pelas leis suíças de narcóticos e geralmente é proibida. 

As preparações terapêuticas de THC e cannabis contendo mais de 1% do composto requerem uma licença especial do Escritório Federal Suíço de Saúde Pública.

Observadores da indústria dizem que, com a legislação suíça sobre narcóticos sendo revisada, flores e preparações de cannabis ricas em THC provavelmente serão disponibilizadas por receita, mas sem autorizações especiais adicionais agora exigidas dos pacientes. 

O Sativex, um spray bucal baseado que é usado para tratar a Esclerose Múltipla e outras condições espásticas, é o único medicamento aprovado com alto teor de canabidiol no mercado na Suíça.

Este medicamento é fabricado pela GW Pharmaceuticals, do Reino Unido, que também fabrica o Epidiolex, o primeiro medicamento de prescrição derivado da cannabis a  obter a aprovação federal  da Food & Drug Administration dos EUA.

Referências

  • Hemp Today

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias