• 27 de outubro de 2020

Cannabis medicinal no tratamento de dor aguda

 Cannabis medicinal no tratamento de dor aguda

Como já sabemos o uso medicinal da planta cannabis está marcado na história como um tratamento eficaz para uma variedade de doenças. 

Há evidências de que desde a antiguidade as preparações da planta eram usadas para tratar uma muitas condições, entre elas a epilepsia, e também serve como um anestésico.

Recentemente, um dos seus usos médicos mais conhecidos é para o controle da dor.

Apesar da Cannabis medicinal não ser recomendada pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) dos Estados Unidos como uma opção para tratar a dor, pesquisas clínicas nesta área continuam tendo bons resultados.

A Cannabis medicinal pode substituir os opióides?

Em muitos países, os opioides (uma categoria de produtos farmacêuticos derivados ou baseados na estrutura do ópio), geralmente são prescritos para o tratamento de dores. Contudo, esses medicamentos na maioria são consumidos de forma abusiva nos EUA e no Canadá. A crise já foi descrita como uma ‘epidemia de opioides’. 

Especialistas afirmam que entre o ano de 2018 e 2019 cerca de 130 pessoas foram a óbito todos os dias, por causa das overdoses causadas por opioides nos Estados Unidos.

Existem também, muitos questionamentos sobre a eficácia dos opióides. Estudos descobriram que, com o passar do tempo, os pacientes desenvolvem tolerância aos opióides, o que ocasionou o aumento das doses.

Essas descobertas fizeram com que muitos pacientes e médicos questionassem se poderia haver uma outra opção melhor. e Poderia ser a cannabis.

Cerca de 34 estados dos Estados Unidos já legalizaram a cannabis medicinal. Um estudo de 2017 descobriu que, apesar dos relatos sobre dependência e o abuso de Cannabis não ter mudado, o uso  de opióides caiu até 23%. 

Cannabis medicinal e dor aguda

Diversos estudos avaliaram a probabilidade de alívio da dor que os canabinoides sintéticos podem oferecer, como dronabinol e levonantradol. Mesmo que os resultados desses estudos tenham sido mistos, as descobertas criam um introdução para pesquisas feitas com frequência.

Dronabinol: Um estudo avaliou os dados de um centro de trauma em Colorado, EUA, para entender a eficácia do dronabinol como tratamento para a dor aguda associada a lesões traumáticas. Para isso, os pesquisadores mediram o efeito do dronabinol no uso de opioides em um grupo de pacientes que tiveram trauma.

Os pacientes que receberam dronabinol como terapia apresentaram maior probabilidade de reduzir o uso de opioides. Em comparação, o uso de opióides no grupo de pacientes de controle (que não recebeu dronabinol) permaneceu sem nenhuma alteração.

Levonantradol: Um outro estudo comparou os efeitos analgésicos do levonantradol em comparação com o placebo no tratamento da dor pós-operatória ou trauma. Cerca de 56 pacientes receberam uma forma levonantradol no período de 24 a 36 horas após serem tratados de lesões traumáticas ou submetidos a cirurgia.


O medicamento demonstrou ter um ótimo efeito analgésico em cada dose testada, em comparação com o placebo. No entanto, não está claro até que ponto os pacientes experimentaram alívio completo da dor.

Flor de cannabis seca

Os especialistas descobriram que a baixa dose de cannabis não teve efeito analgésico. Em comparação com a dose média de cannabis (com 4% de THC) que produziu analgesia retardada. Além disso, a alta dose de cannabis (8% de THC ) produziu um aumento retardado da dor.

A dor crônica é o motivo mais comum relatado para o uso de cannabis medicinal em todo o mundo. Como tal, grande parte da pesquisa relacionada à cannabis e à dor têm se concentrado nessa área. No entanto, os estudos descritos neste artigo apresentam evidências e um precedente para também continuar a pesquisa sobre o poder da cannabis medicinal no tratamento da dor aguda.

Referências

  • The Cannabis Exchange
  • Sechat

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias