• 24 de junho de 2022

Autorização de importação de Anny Fischer sofre atraso de dois meses

 Autorização de importação de Anny Fischer sofre atraso de dois meses

Os pais de Anny enviaram as documentações para a renovação do documento em julho, mas só conseguiram o aval ontem. A demora, que poderia pôr em risco a saúde da criança, não foi justificada pela Anvisa.

Depois de dois meses de problema, finalmente a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) renovou a autorização de importação da pequena Anny Fischer, conhecida por ser a primeira criança a conseguir o óleo importado de forma legal em 2014.

Anny Fischer tem uma doença rara chamada de CDKL5, que provoca convulsões. A família começou a usar o canabidiol (CBD) depois que outros anti convulsivos não adiantaram.

Na época, o produto ficou retido alfândega, mas depois de muito esforço, os pais conseguiram uma autorização judicial para importar.

A história virou um documentário chamado Ilegal, que ajudou a disseminar as propriedades terapêuticas da cannabis e também quebrar muitos preconceitos sobre a planta. 

O filme também foi uma ponte para que muitas famílias aderissem a remédios à base de cannabis.

Problema sem um motivo específico

A falta do remédio pode ser um risco, pois sem a medicação há a possibilidade de agravamento das crises convulsivas da menina, e até afetar a sua qualidade de vida.

Segundo o pai, Roberto Fischer (52), os problemas com a agência começaram depois da entrada do novo diretor-presidente da pasta, Antônio Barra Torres. 

Depois das documentações para as renovações, a Anvisa geralmente libera o documento em até 7 dias, mas para a família, o processo durou dois meses.

Segundo o órgão, novas autorizações tem um prazo de 20 dias, que pode se estender, caso haja algum documento errado ou faltando.

A família fez o pedido de renovação em julho. Roberto Fischer, ainda acrescentou que tentou um retorno de todas as formas, via e-mail, ouvidoria, Fale Conosco, e chegou até a se encontrar com dois diretores, mas não entendia o porquê a aprovação não era liberada.

Após tantas reclamações, a Anvisa finalmente disponibilizou o documento ontem (29 de setembro 2020), agora a família só precisa esperar 10 dias para que o produto chegue ao Brasil.

Informações do Metrópoles 

 

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias