• 16 de agosto de 2022

Ásia tem se destacado como um possível local para pacientes e empresas de maconha medicinal

 Ásia tem se destacado como um possível local para pacientes e empresas de maconha medicinal

Estamos acostumados a ler e ouvir notícias sobre o avanço da cannabis nos Estados Unidos. Mas você sabia que a erva também tem ganhado espaço em países na região da Ásia?

Depois do anúncio do governo nepalês de que estava considerando legalizar a cannabis medicinal no país do antigo “paraíso hippie”, outro país asiático também reconheceu  a importância e potencial medicinal da planta.

De acordo com as últimas informações, a Malásia pode ser o próximo país da Ásia a legalizar a cannabis medicinal. 

A questão da legalização da cannabis medicinal tem se tornado um debate contínuo no país, mas a história ainda está longe de terminar.

Atualmente, a Malásia tem algumas das leis de cannabis mais rígidas do mundo, pessoas que forem pegos com até 50 gramas de cannabis podem ser sentenciados a dois a cinco anos de prisão e até mesmo receber chicotadas.

No caso dos traficantes de drogas, ou aqueles encontrados em posse de mais de 200 gramas, ainda podem ser condenados à morte.

O atual ministro da Saúde, Khairy Jamaluddin, disse que o Ministério da Saúde do país (MOH) “reconhece o uso de cannabis para fins medicinais”.

Com isso, os produtos de maconha devem ser registrados na Drug Control Authority (DCA). 

A importação só pode ser feita por importadores licenciados que tenham todas as licenças necessárias.

Pacientes com necessidades especiais podem receber prescrição de produtos de cannabis medicinal por médicos registrados.

Na região de Nepal, ativistas e defensores apresentaram no parlamento um projeto de lei para legalizar a cannabis medicinal para pacientes que sofrem de doenças graves e dores que mudam vidas.

Basicamente, o Nepal tem uma longa história com a cannabis. Quase dois anos atrás , um total de 46 parlamentares do governante Partido Comunista do Nepal apresentou uma moção ao parlamento defendendo a legalização da cannabis.

Em um país onde o uso de cannabis tem uma longa e profunda história, a proibição não tem sido muito eficaz em impedir o uso.

O mesmo acontece com a Tailândia , onde, após anos de consideração, o governo introduziu no ano passado uma nova legislação para permitir o uso da maior parte da maconha e do cânhamo em cosméticos e alimentos.

A Tailândia se tornou o primeiro país da Ásia a legalizar a cannabis medicinal em 2018 e, desde então, introduziu regras que permitiriam às famílias formar grupos comunitários para cultivar cannabis  e fornecer a safra para hospitais públicos e instalações estatais, como forma de complementar sua renda.

Se mais países na Ásia optarem por abraçar o potencial medicinal da cannabis, a região poderia se tornar um dos maiores hotspots do mundo para os pacientes.

Embora possa parecer uma ilusão, um país como a China, que tem uma das maiores indústrias de cânhamo do mundo, poderia traduzir essas habilidades na criação de uma enorme indústria de cannabis medicinal na Ásia.

Referências

  • Canex

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias