• 28 de junho de 2022

Aaron Riley: Jovem CEO de uma empresa de cannabis e sua história

 Aaron Riley: Jovem CEO de uma empresa de cannabis e sua história

Aaron Riley, aos 29 anos, é CEO da empresa CannaSafe, o primeiro laboratório com certificação da ISO (Organização Internacional de Normalização) no mundo.

A empresa é umas das que mais crescem nos Estados Unidos, com 20 milhões em receita no ano de 2019.  Mas, sua jornada para o espaço da cannabis começou dentro da faculdade, o que o levou ao sistema judicial.

Riley estudou no Furman College, em GreenVille, na Carolina do Sul, com uma bolsa de atletismo, jogando na posição da defesa, mas no final do segundo ano do ensino médio ele foi pego com cannabis e levado a justiça.

”Foi minha própria culpa”, ele respondeu, pensativo. ”O crescimento nas vendas foi tão grande e tão rápido que meu investimento inicial de US $1,000 cresceu para US $75,000 em apenas 4 meses.”


Como um empreendedor no mercado ilícito, Riley era o organizador e seus amigos o ajudava.

Quando um estudante foi pego fumando um cachimbo no dormitório, ele dedurou um dos amigos de Riley para se salvar. Um pouco depois, Riley deixou seu amigo responsável por uma venda de US $20,00 sem saber que seria para um agente secreto.

De acordo com o Riley, o jeito que os agentes questionaram e fizeram propostas ao seu amigo, deixou claro que era uma armadilha.

Em seguida houve uma operação da SWAT no apartamento de Riley, com alguns policiais vestidos com coletes a prova de balas e com rifles dentro de uma van. Chegando no local, eles colocaram uma arma na cabeça de Riley e o derrubaram, assim efetuando sua prisão.

Houve privilegio durante as decisões judiciais?

No local, os policiais acharam entre cinco a seis mil dólares em dinheiro e uma quantia não revelada de cannabis, aumentando a sua lista de acusações federais.

Aaron passou somente dois dias na prisão, mas seu processo legal se estendeu para quase dois anos. No final, ele foi aceito em outra faculdade com uma bolsa de futebol em Jacksonville, Florida, ganhando um diploma de bacharel e um MBA no processo.

Mas, a experiência de ser perseguido por algo que ao poucos esta se tornando legal em todo mundo, continua com ele.

A questão é, se ele não fosse branco e jogador de futebol com uma bolsa de estudos, teria saído como fez, com apenas dois dias de prisão, ou teria que cumprir uma sentença obrigatória de cinco anos? O questionamento só aumenta, pois, as outras cinco pessoas presas eram pessoas de cor, embora todos os jogadores de futebol da faculdade. Havia privilégios envolvidos? Podemos apenas tentar adivinhar.

Devido a aparente desigualdade de sua provação, a CannaSafe Programa de Equidade Social de Los Angeles, está ajudando a promover oportunidades de emprego na indústria da cannabis.

”Patrocinamos clínicas e organizações, como a Social Equity LA e o Social Impact Center.” disse ele. “Estou dolorosamente ciente de que pessoas de cor tem quatro vezes mais chance de serem presas e sentenciadas por cannabis do que um cara branco de olhos claros como eu. Por isso que é importante para mim, me envolver com esse programa.

Suas experiências pessoais com a cannabis

A ironia de tudo isso é que. enquanto jogava futebol na faculdade, Riley sofreu muitos ferimentos, incluindo uma tíbia quebrada e um cotovelo deslocado que ainda causa dores cronicas nele, até hoje, e ele usa cannabis para aliviar.

”Eu simplesmente não gosto de produtos farmacêuticos. Eu jogava futebol na faculdade quando comecei a usar cannabis para aliviar as dores. Eu diria que 65% dos jogadores fazem o mesmo nas universidades. Meus amigos e eu conseguimos ter alivio dessa forma.”

Riley disse que costuma usar a planta para tratamento da dor, no pescoço, cotovelos e joelhos.

Ser um paciente de boa-fé era um problema para Riley, pois, devido à prisão e aos procedimentos judiciais subsequentes, ele foi julgado de forma dura.

“Todo mundo me deixou chateado “, disse ele. “Meus pais, amigos e professores, todos me trataram como um criminoso. Fui expulso do time de futebol da Furman. Mas todos sabemos agora que a cannabis pode ser usada de forma medicinal.”

Do ilegal ao legítimo

Depois de seus problemas legais, o único trabalho que ele conseguiu, foi em construção, em seguida ele abriu seu próprio lote de carros usados ​​na Flórida. Ele até queria voltar para a cannabis, mas queria que fosse de forma legal desta vez.

Ele usou os recursos do estacionamento para investir no CannaSafe, que adquiriu em 2018. Conseguindo seus próprios cartões de crédito e investindo todo o dinheiro que podia no negócio, naquele primeiro ano, pela falta de experiência, eles perderam muito dinheiro.

Conseguiram sair do buraco, gerando US $20 milhões até o final de 2019. Atualmente, a CannaSafe tem uma equipe de 150 pessoas e já está abrindo cinco novos locais.


A indústria da cannabis é fortemente monitorada, e vários testes em vários níveis são obrigatórios nos estados legais dos EUA. Os cinco princípios fundamentais para a cannabis limpa são:

  • Práticas agrícolas orgânicas e regenerativas
  • Processo sem solvente
  • Infusão de plantas inteiras
  • Ingredientes limpos
  • Testes triplos por terceiros

Os Testes triplos são caros e às vezes prejudiciais para muitos, mas é um processo necessário, garantindo materiais e produtos limpos em toda a cadeia de suprimentos. Depois de tudo dito e feito, Riley disse que se sente sortudo, claro e simples.

“Tive a sorte de ter essas oportunidades em minha vida. Eu era empresário na faculdade, vendendo cannabis, sim, mas isso me ensinou habilidades empreendedoras. Você pode pegar o que aprendeu com o mercado ilícito e fazê-lo funcionar no mercado legal. Sou a prova viva.”

Referências:

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias