• 25 de junho de 2022

Qual será o impacto das eleições francesas para o cenário da cannabis?

 Qual será o impacto das eleições francesas para o cenário da cannabis?

A França, um dos maiores e mais influentes países da Europa, voltará às urnas no dia 24 de abril para eleger um novo presidente. O resultado pode influenciar a pauta da cannabis, não só no país, mas também na União Europeia. 

Quem compete para assumir a presidência, são o presidente em exercício, Emmanuel Macron, um ex-banqueiro de centro, e Marine Le Pen, uma versão feminina de Jair Bolsonaro. Ela foi a presidente nacional da Frente Nacional, de extrema direita (que mudou seu nome para Rally Nacional), de 2011 a 2021. 

Os dois se enfrentaram no primeiro turno da eleição presidencial francesa e seguiram na disputa como os dois candidatos mais votados em abril. 

Como a situação mudará após o segundo turno, em um país com algumas das leis mais duras contra a cannabis na Europa ainda em vigor? Vamos ver. 

Macron 

Ironicamente, se não tragicamente, como filho de um médico e de uma professora de neurologia, Macron esteve ausente na discussão da legalização da cannabis na França. 

No entanto, é preciso olhar para sua carreira desde que entrou para a política francesa como vice-secretário-geral do Eliseu, um cargo sênior na equipe do então presidente François Hollande. 

Ele defende uma posição de “com calma e com jeito” quando se trata da legalização da cannabis – e isso ficou claro por conta do ritmo lento de mudança que ele adotou até agora. 

O governo começou a discutir no parlamento a eficácia medicinal da cannabis e uma possível liberação para tratamentos no final do ano passado. Macron, no entanto, descartou a legalização para o uso adulto enquanto estiver no cargo

Marine Le Pen

Como a maioria da direita mundial, Le Pen se opõe veementemente à legalização da cannabis. 

Segundo ela, esse caminho “obviamente não é a solução”. Também disse coisas como “aqueles que acreditam que ao legalizar a cannabis, os traficantes se tornarão produtores de melão…” 

A candidata da direita obviamente não entende nada do assunto, e nem faz muita questão. Para Le Pen, a legalização, como a imigração, é perigosa para a identidade e a alma do povo francês. 

Se ela for eleita, o povo francês pode esperar outra Guerra às Drogas. E é isso que ela quer mesmo. 

França no cenário europeu da cannabis

A França está em uma posição interessante quando se trata de discutir a legalização. 

O país pode ser o maior produtor de cânhamo da Europa, mas entrou tarde para a “festa” da aceitação de tratamentos com cannabis. Isso, apesar da cannabis ser uma das “drogas ilegais” mais populares do país – e há muito tempo. 

Durante a invasão do Egito por Napoleão em 1798, as tropas francesas recorreram ao uso de haxixe, pois o álcool estava em falta na época.

No fim de 2018, uma pesquisa nacional descobriu que nove em cada 10 franceses eram a favor da legalização para o uso medicinal, e 51% da população apoiavam a abertura para o uso adulto. 

O que vai acontecer, então? 

Embora seja impossível prever com precisão o resultado da eleição, de acordo com os dados mais recentes, Macron provavelmente ganhará um segundo mandato e, talvez, por margem até confortável. 

O histórico político de Le Pen é péssimo.  Ela é anti-União Europeia, e está sendo acusada de peculato — desvio de dinheiro público para benefício próprio, de cerca de 700 mil dólares, pelo escritório antifraude da União Europeia. 

Se Macron, como esperado, ganhar o segundo mandato, no entanto, é melhor não esperar que ele (ou a França) desempenhe um papel de liderança no debate sobre a legalização na Europa. 

A pressão falará mais alto 

Macron adota a postura de um “animal” político em tudo o que faz e decide.

E a crescente onda do movimento pela legalização, tanto na França quanto na União Europeia, não será algo pelo qual o líder francês lutará contra com todas as forças. Não será bom para a imagem dele.

Ele pode não liderar um movimento a favor do uso medicinal da cannabis, muito menos do uso adulto, mas certamente seguirá o rebanho. 

Arthur Pomares

Jornalista e produtor de conteúdo da Cannalize. Apaixonado por café, futebol e boa música. Axé.

Mais Notícias