• 17 de abril de 2021

Presidente do Conselho de Washington DC apresenta legislação sobre cannabis

 Presidente do Conselho de Washington DC apresenta legislação sobre cannabis

Será que Washington DC, finalmente está prestes a dar o pontapé inicial no mercado de cannabis recreacional? Como isso seria possível? O que poderia causar isso? Vamos descobrir.

Mesmo que seja muito conhecida por suas políticas liberais, a capital dos Estados Unidos, Washington DC, ainda não possui um mercado recreativo.

Mas talvez isso esteja prestes a mudar.

Atualmente o presidente do conselho, Phil Mendleson, propôs um novo projeto de lei de regulamentação da cannabis recreativa, com o foco no progresso e na equidade.

Esse mesmo projeto também é apoiado por outros membros do conselhos, como Kenyan McDuffie, Charles Allen, Brianne Nadeau, Brooke Pinto, Christina Henderson e Mary Cheh, e o objetivo está deliberadamente na equidade por causa dos problemas que a indústria da cannabis tem com a inclusão e o impacto negativo da guerra na as drogas têm nas pessoas de cor.

De acordo com Mendelson, esta legislação é o resultado de mais de um ano de trabalho de sua equipe e de partes interessadas externas.

“Ele cria uma estrutura regulatória abrangente para o cultivo, produção e venda de cannabis recreativa. Este projeto de lei tem como centro o reinvestimento e a oportunidade para as pessoas e comunidades mais afetadas pela Guerra às Drogas.” disse o presidente do conselho.

Tudo por equidade, justiça e educação

Este novo plano, conhecido como “Lei Abrangente de Legalização e Regulamentação da Cannabis de 2021”, estabeleceria um programa de equidade social e garantiria que pelo menos metade de todos os negócios de cannabis licenciados fossem requerentes de ações.

Os elegíveis para o status de requerente de equidade seriam pessoas que foram anteriormente condenadas por crimes de cannabis ou residentes de áreas com altas taxas de pobreza que foram impactadas pela guerra contra as drogas.

Além disso, o projeto também criará um fundo de igualdade e oportunidade para a maconha, a fim de financiar aqueles que são elegíveis para o status de igualdade social.

Enquanto a cannabis permanecer federalmente ilegal, será difícil acessar o financiamento e o apoio da cannabis por meio dos canais tradicionais. Portanto, o apoio aos candidatos a ações é importante para garantir que eles possam realmente participar da indústria legal.

Cerca de 30% do dinheiro dos impostos gerados com as vendas de cannabis irá para este fundo.

Parte do dinheiro dos impostos gerados também irá para um fundo de programa de reinvestimento comunitário, que dará subsídios a organizações que lidam com coisas como:

  • Falta de moradia;
  • Assistência jurídica;
  • Apoio a jovens em áreas pobres.

Esse fundo será sustentado por 50% do dinheiro dos impostos sobre a cannabis.

Além disso, a proposta reconhece a importância da educação para um programa completo de cannabis.
A educação pública será fornecida para ensinar aos residentes de DC o que a lei faz, faz e não permite, e haverá programas para educar os jovens e garantir que eles fiquem longe do uso da cannabis até a idade legalmente autorizada.

Continuando com o tema da equidade social, a cannabis legal em DC também significaria expurgo automático para aqueles que foram condenados por posse de cannabis. Também haveria um movimento para recompensar aqueles que estão cumprindo pena devido à cannabis.

Por fim, os cidadãos usuários de cannabis seriam protegidos, pois seria ilegal para eles perderem benefícios, empregos ou acesso a recursos por serem usuários recreativos de cannabis.

Os bancos também receberam licenças para que pudessem trabalhar com a indústria.

Se DC seguir e legalizar, este seria um dos programas de cannabis mais abrangentes e equitativos a serem estabelecidos nos Estados Unidos.

Referências

  • High Times
Avatar

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias