• 17 de abril de 2021

Políticas de cannabis em esportes de combate são revisadas

 Políticas de cannabis em esportes de combate são revisadas

Boxing gloves hanging

De acordo com um estudo, os atletas com testes positivos de THC não devem ser punidos da mesma maneira que atletas com testes positivo de drogas, que usam para melhorar o desempenho.

A Associação de Comissões de Boxe e Esportes Combativos (ABC) é a organização esportiva mais recente a repensar sobre suas políticas de cannabis.

De acordo com o site MMA Junkie, o comitê médico da ABC concordou que o uso de cannabis nos esportes de combate deve ser tratado como uma ofensa menor, comparada a outras substâncias proibidas.

A decisão vem cerca de dois meses após o Ultimate Fighting Championship (UFC) anunciar que os testes positivos de cannabis não geram mais multas e suspensões para os lutadores.

As novas diretrizes, relatadas pela primeira vez pela plataforma Mixed Martial Arts, incluem uma multa de US $ 100 para o primeiro teste de THC positivo de um atleta acima de 150 nanogramas por mililitro (ng/ml) de urina, o mesmo padrão aprovado pela Agência Mundial Antidopagem. 

Um segundo teste positivo acima do limite acarretará em outra multa de US $100, assim como o atleta arcará com os custos do teste, estimado em cerca de US $295.

Violações adicionais podem resultar no aumento de multas e inscrições em um programa de aconselhamento sobre drogas.

O conselho médico da ABC também declarou que “não recomenda ou apoia a anulação da vitória de um atleta se o atleta tiver teste positivo para THC, acima de 150 ng/ml, nem a suspensão deste atleta”.

Nos últimos 12 meses, pelo menos cinco lutadores da UFC foram suspensos após os testes positivos de cannabis. 

A Comissão Atlética do Estado de Nevada, em particular, não hesitou em suspender, multar e anular as vitórias dos lutadores que tiveram resultado positivo no teste de cannabis. 

“É aí que a questão continua, com as comissões atléticas”, disse Jeff Novitzky, vice-presidente sênior de saúde e desempenho do atleta do UFC, em outubro do ano passado.

 “Ao sancionar a maconha, realmente acho que estamos empurrando esses atletas para drogas que são ainda mais perigosas”, argumentou Novitzky.

Além disso, o comitê ABC declara que “o THC não é uma droga para melhorar o desempenho, é um supressor de desempenho, e os atletas com teste positivo para THC não devem ser punidos da mesma maneira que um atleta com teste positivo de drogas pesadas para melhorar o desempenho.”

Referências 

  • The Growth Op
Avatar

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias