• 16 de agosto de 2022

NCAA adota política flexível para o uso de cannabis pelos atletas

 NCAA adota política flexível para o uso de cannabis pelos atletas

A NCAA, associação responsável pelas competições universitárias nos Estados Unidos, aumentou oficialmente seu limite de THC.

 

A National Collegiate Athletic Association confirmou na última semana que está relaxando sua política de testes de cannabis entre atletas universitários nos Estados Unidos, além de recomendar que as penalidades sejam reduzidas caso o teste dê positivo. 

A decisão veio após uma reunião nos dias 22 e 23 de fevereiro, entre o Comitê de Segurança e Aspectos Médicos do Esporte (CSMAS) e a NCAA. 

A Associação disse que o novo limite de Tetrahidrocanabinol (THC) para seus atletas estudantes foi estabelecido pela Agência Mundial Antidoping (WADA),  que supervisiona os testes de drogas no atletismo.

BALTIMORE, MARYLAND – (Photo by Patrick Smith/Getty Images)

“Reconsiderar a abordagem da NCAA para testes de cannabis é importante. Está diretamente relacionado com o feedback dos membros sobre como apoiar e educar os alunos-atletas em uma sociedade com visões culturais e de saúde pública em rápida evolução em relação ao uso da cannabis”, disse o Dr Brian Hainline, chefe de Medicina da NCAA, em um comunicado de imprensa na última sexta-feira

E completou: “A maconha não é considerada uma substância que melhora o desempenho, mas continua sendo importante que as escolas associadas envolvam os alunos-atletas na prevenção do uso de substâncias e forneçam gerenciamento e suporte quando apropriado.”

Evolução no esporte

A mudança de política da NCAA, que compreende mais de 1.000 escolas nos Estados Unidos em três divisões diferentes, é o exemplo mais recente de que os esportes americanos avaliam as mudanças de atitudes e leis do país. 

Com a maioria dos estados norte-americanos legalizando a cannabis de alguma forma, ligas como a NBA e a NFL também atualizaram suas regras de testes de drogas. 

A incongruência entre as mudanças nas leis e as políticas de testes de drogas no mundo esportivo chamou a atenção no ano passado, quando a velocista norte-americana Sha’Carri Richardson foi suspensa das Olimpíadas de Tóquio após testar positivo para cannabis. 

Regras antigas

Além de aumentar o limite de THC, o CSMAS também recomendou que todas as três divisões da NCAA alterem as penalidades para um teste positivo de cannabis. 

A Associação declarou que as penalidades para testes de drogas “são legisladas sob os estatutos da NCAA; portanto, cada divisão será obrigada a adotar separadamente a nova legislação antes que as alterações sejam feitas”. 

De acordo com a Associated Press, sob a estrutura da penalidade anterior, “um teste positivo para maconha significaria que um atleta da NCAA teria imediatamente que perder 50% da temporada regular”.

Um possível segundo positivo significaria que um atleta ficaria de fora por “o equivalente a uma temporada”. 

Novas estruturas

A NCAA disse que, sob a nova estrutura, o primeiro teste positivo resultaria em “nenhuma perda de elegibilidade, se a escola fornecer um plano de tratamento e educação para o aluno-atleta”. 

Um segundo teste positivo também não resultaria em perda de elegibilidade “se a escola fornecer o tratamento e educação adicionais e confirmar que o aluno-atleta estava de acordo com o plano original”, embora “o aluno-atleta deva ser tirado de 25% de competições da temporada regular se não estiver de acordo com o plano original de tratamento e educação”. 

Um terceiro teste positivo também não resultaria em perda de elegibilidade “se a escola fornecer estrutura e educação adicionais e confirmar que o aluno-atleta estava de acordo com os dois planos de tratamento e educação anteriores”, mas “o aluno-atleta deve ser retido de 50% da temporada regular caso não esteja respeitando os planos de tratamento e educação fornecidos pela escola”.

“Esses ajustes no programa de testes de drogas da NCAA foram aprovados após uma análise cuidadosa e ampla discussão das recomendações feitas pelo Subcomitê de Testes de Drogas, que está se reunindo desde o ano passado”, disse Stephanie Chu, presidente do Comitê de Segurança e Aspectos Médicos do Esporte.

“As políticas atualizadas de teste de cannabis criam um caminho claro para os alunos-atletas participarem de programas de educação e gestão específicos para suas necessidades no nível do campus”.

Arthur Pomares

Jornalista e produtor de conteúdo da Cannalize. Apaixonado por café, futebol e boa música. Axé.

Mais Notícias