Mãe conta como a filha passou de 60 convulsões diárias para quase nenhuma. ‘Dá para ver a melhora no seu olhar’
Mãe conta como a filha passou de 60 convulsões diárias para quase nenhuma. ‘Dá para ver a melhora no seu olhar’

Mãe conta como a filha passou de 60 convulsões diárias para quase nenhuma. ‘Dá para ver a melhora no seu olhar’

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Conheça a trajetória de uma professora aposentada do Rio Grande do Sul que viu na cannabis a esperança para a filha ter uma qualidade de vida depois da Síndrome de Dravet

Foto: Arquivo Pessoal

Foram cinco anos para que a professora Liane Pereira (54), do Rio Grande do Sul, descobrisse que a filha Caroline tinha Síndrome de Dravet, um tipo raro de epilepsia resistente a medicamentos. 

A menina passou a ter convulsões desde que nasceu e com poucos meses de vida, já tomava altas doses de anticonvulsivantes. A família ainda tentou uma cirurgia pelo Instituto do Cérebro da Puc (Pontifícia Universidade Católica), mas não adiantaria para o seu caso.

Foi só depois da cannabis que a Caroline passou de 60 convulsões diárias para algumas pela noite. Hoje, com 13 anos, a menina superou as expectativas e passou a ter autonomia para comer, andar e sorrir.

Contudo, Liane precisou percorrer um longo caminho para isso.

Uma vida antes e uma vida depois

Para Liane, existia uma vida antes e depois do nascimento da caçula. Mesmo com outros filhos, a professora era uma funcionária exemplo, raramente faltava no trabalho. Mas tudo mudou depois que a Caroline veio ao mundo. 

A Síndrome de Dravet é uma condição genética, que acontece por causa da mutação dos genes e afeta uma em cada 40 mil pessoas no mundo. O problema acarreta convulsões, principalmente antes do primeiro ano de vida, como crises tão intensas e frequentes, que há a possibilidade de induzir ao coma.

“Com 25 dias de vida, a minha filha entrou em um estado de mal epiléptico”, acrescenta Liane.

Síndromes não têm cura, por isso, o paciente precisa conviver com a doença. A Síndrome de Dravet acontece a partir de mutações nos genes SCN1A, que impede a produção de uma proteína que garante o funcionamento dos canais de sódio que vão para os neurônios.

Caroline passou a tomar anticonvulsivantes com meses de vida. Remédios que nem eram recomendados para a sua faixa etária. Aos cinco anos, a menina já tomava quatro tipos de tarja preta em dose máxima, mas as crises continuavam.

A mãe ainda tentou uma cirurgia pelo Instituto do Cérebro da Puc do Rio Grande do Sul, mas não ia adiantar. “Os médicos disseram que o cérebro dela era como fogos de artifício, não tinham um foco único”, acrescenta. 

Cannabis como opção

Liane conta que a sua saga com a cannabis começou em 2014, após assistir o documentário Ilegal. O filme conta a história da família Fisher, que ficou conhecida por ser a primeira a obter na justiça o direito de importar produtos feitos com a planta.

O acontecimento rendeu o documentário, que foi um divisor de águas na vida de muitas pessoas que não conheciam os benefícios da planta. Além de ser um precursor para a criação de uma resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que permitiu a importação de cannabis em 2015. 

Caroline passou a tomar o óleo importado em 2016. Mas por causa do preço, era difícil manter. Liane ainda conseguiu uma ação judicial para o custeamento pelo seu município no ano seguinte, mas ainda assim não estava garantido.

“Em três anos, eles  (a prefeitura) só custeou o óleo por nove meses. Eu tinha que fazer rifas e vaquinhas online para comprar”, acrescenta. 

Foto: Arquivo Pessoal

A professora saiu pedindo ajuda por todos os lugares. Chegou até a sair em uma reportagem da RBS, uma afiliada da rede Globo no Rio Grande do Sul e em uma matéria no Correio do Povo, para pressionar o município a cumprir a decisão.

Liane conta que, assim que terminou a reportagem na TV, uma internauta lhe enviou um concentrado artesanal de cannabis. Ela não sabia exatamente o que continha dentro do frasco, muito menos quem mandou, mas ajudou a sua filha a amenizar as crises durante aquele mês. “Até hoje eu não sei quem foi, nunca conheci”, acrescenta.

Recorrendo ao cultivo

Foi nessa época que a história da Cidinha passou no Fantástico. Cida Carvalho, hoje fundadora da associação Cultive, também tem uma filha com a Síndrome de Dravet. Como na história da Anny Fisher, a cannabis foi o único tratamento que deu certo. 

Contudo, dessa vez, a história da Cidinha trouxe um novo elemento que, até agora, Liane não tinha apostado:o  Cultivo caseiro para a extração do óleo. Por isso, a professora não pensou duas vezes e viajou para São Paulo em busca da referência que poderia ajudá-la. 

Nunca tinha estado na metrópole, muito menos em uma Marcha da Maconha. Ela foi ao evento com um único objetivo: encontrar a frente das mães e falar com a Cidinha, mesmo sem nunca ter a conhecido. E conseguiu.

Em 2017 a professora  já estava fazendo os cursos de extração da Cultive. “Lembro que voltei para o Rio Grande do Sul com uma muda (de cannabis) dentro da mala, enrolada nas roupas. Nem sei como passou no Raio X”, relata.

O seu primeiro gabinete foi uma máquina de lavar velha com algumas lâmpadas penduradas, mas foi aperfeiçoando com o tempo. Ela passou pouco mais de um ano plantando na ilegalidade.

Por fim, saiu o Habeas Corpus, uma decisão judicial que dá o direito ao salvo-conduto para plantar sem correr o risco de ser presa. Liane precisa renovar de tempos em tempos, mas não se importa.

Sem anticonvulsivantes 

Liane conta que a melhora da filha foi incrível. As crises foram diminuindo com o tempo e hoje ela não tem praticamente nenhuma. Junto a um profissional ela conseguiu retirar os medicamentos aos poucos até tirar todos em 2020.

Fato que trouxe qualidade de vida. Para quem não podia sair de casa sem a cadeira de rodas, hoje Caroline pode andar pela casa livremente e tem autonomia para comer, não usa mais fraldas e já sabe juntar sílabas. 

“Hoje ela desenha, pinta, gosta de passear e até grava para o Tik Tok. Ela vive, dá para ver a melhora só no seu olhar”, relata a mãe.

Com isso, a mãe pode até voltar a trabalhar. Hoje, Liane virou representante da empresa Revivid, uma marca de produtos à base de cannabis. 

Foto: Arquivo Pessoal

Consulte um profissional

É importante ressaltar que qualquer produto feito com a cannabis precisa ser prescrito por um profissional de saúde habilitado, que poderá te orientar de forma específica e indicar qual o melhor tratamento para a sua condição.

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar na marcação de uma consulta, dar suporte na compra do produto até no acompanhamento do tratamento

Só na Cannalize você poderá fazer uma triagem gratuitamente através da nossa parceira Cannect. Clique aqui.

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas