• 27 de junho de 2022

Cannabis Medicinal e DOR CRÔNICA na medicina funcional

 Cannabis Medicinal e DOR CRÔNICA na medicina funcional

Foto: Freepik

A dor crônica impacta não apenas o paciente, mas também todas as pessoas ao seu redor. Ela interfere na maneira como nos relacionamos com os outros e conosco mesmo, na habilidade para desempenhar funções no trabalho e fora dele. 

Dor, depressão, ansiedade, insônia, cansaço, etc, entram num ciclo vicioso que pode dificultar o diagnóstico e tratamento. Além disso, a resiliência está reduzida em pacientes com dor crônica, levando a uma pior reação ao estresse inevitável do dia a dia.

Quando a dor se torna crônica, há alteração nos receptores de dor, nos neurônios e nos hormônios. Nosso organismo amplifica a sensação de dor, reduz o sistema analgésico endógeno, libera hormônios de estresse e com isso gera diversas consequências que impactam negativamente a saúde. 

Consequências de tratamentos inadequados

E tratar os sintomas sem procurar as causas traz apenas alívio temporário e efeitos adversos do uso prolongado de medicamentos. Os antiinflamatórios, por exemplo, reduzem a secreção do hormônio melatonina e alteram a permeabilidade gastrointestinal e, com isso, aumentam a incidência de doenças autoimunes, diabetes, síndrome metabólica. 

Já os opioides são remédios que inicialmente podem reduzir muito a dor, mas ao preço de causarem dependência. Inclusive, um dos maiores problemas do sistema de saúde nos EUA, sendo responsável pela morte de mais de meio milhão de americanos entre 2000 e 2015.

Medicina Funcional

A dor crônica, pela ótica da Medicina Funcional, é causada muitas vezes por disfunção mitocondrial. As mitocôndrias são organelas celulares onde produzimos ATPs (moléculas de energia), ou seja, são trilhões de micro usinas de energia no nosso organismo. 

Na disfunção mitocondrial, ocorre redução da produção de energia, aumento de radicais livres e morte das mitocôndrias. Sem energia os órgãos não funcionam adequadamente.

É aí que entra a Cannabis Medicinal. Ela não trata apenas dor, inflamação, sono, contratura muscular, depressão, ansiedade, imunidade, etc. Ela também otimiza nossas mitocôndrias! O resultado é um equilíbrio da função dos órgãos levando à maior qualidade de vida e longevidade!

Redução de remédios

Além disso, os componentes da Cannabis reduzem as doses necessárias de outros medicamentos utilizados nas síndromes dolorosas crônicas, melhorando inclusive os efeitos colaterais desses.

Agora, cabe sempre lembrar que a consulta com um médico prescritor é fundamental, já que os fitocanabinoides interagem com medicamentos usados pelo paciente. Além disso, a quantidade de produtos no mercado é enorme. Um médico experiente saberá determinar qual produto é o melhor para cada caso.

Paula Reichert

Dra. Paula Reichert Leite é Médica Funcional Integrativa formada há 20 anos, com certificação pelo Institute for Functional Medicine (IFM.org- Certified MD Practitioner), Health Coach pelo Institute for Integrative Nutrition NY (IIN.org) e médica prescritora de Cannabis Medicinal. Conheceu a Medicina Canábica há 5 anos como paciente e desde então vem ajudando a desmistificar o tema. No seu Instagram "@equilibrando_sua_saude" e no seu Blog "Equilibrando Sua Saúde", ela fala sobre Medicina Funcional Integrativa e Cannabis Medicinal. Oferece consultas on-line de Medicina Canábica e Integrativa.

Mais Notícias