Cannabis é legal no Colorado há dez anos: quais os resultados?

Cannabis é legal no Colorado há dez anos: quais os resultados?

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.

A cannabis recreativa legal no Colorado completou 10 anos em novembro e fez história nos EUA e no exterior, e muitos resultados já estão evidentes 

Traduzido do Benzinga

A cannabis recreativa legal no Colorado completou 10 anos em novembro. Desde então, os pesquisadores estudam seu impacto na saúde, na segurança pública e na economia. Mas já reconhecem que ainda há muito a aprender. 

De certa forma, a carroça veio antes do cavalo – a legalização veio bem antes da pesquisa, observou Claire Cleveland, repórter do CPR News do Colorado, que conversou com a professora de psicologia Angela Bryan e o professor assistente de ciência da informação Brian Keegan, ambos da Universidade de Boulder, no estado.

Eles falaram sobre o que se sabe e o que ainda não se sabe sobre a cannabis e também quebraram alguns mitos.

O mito mais persistente de todos: os usuários de maconha são viciados em televisão 

Os dados sugerem que nos estados onde as pessoas foram questionadas sobre seu uso de cannabis e hábitos de exercícios, os consumidores têm maior probabilidade de atender às recomendações de exercícios do que os não usuários. 

“Eles tendem a usar cannabis em conjunto com o exercício de alguma forma e isso é usar antes do exercício ou depois do exercício para fins de recuperação”, disse o professor Bryan, que acrescentou que uma maior coleta de dados mostrou que os usuários de cannabis têm taxas mais baixas de diabetes tipo dois, melhores relações cintura-quadril e melhor função da insulina. 

Leia também: O uso de cannabis pode estar associado a aumento na prática de exercícios e esportes?

Indica ou Sativa? Tanto faz!

As duas subespécies de cannabis são conhecidas por terem diferentes efeitos subjetivos no usuário. A Indica é muitas vezes vista como tendo um efeito relaxante, em comparação com a Sativa, que é conhecida por ser estimulante e aumenta a criatividade. 

Keegan e seus colaboradores analisaram quase 90.000 amostras de produtos de cannabis de seis estados e descobriram que, na realidade, a maioria dos produtos no mercado legal do Colorado são híbridos das duas subespécies.

Se esse for o caso no Colorado e em mais seis estados, pode-se presumir que seja o caso em qualquer outro lugar dos Estados Unidos. 

Como acontece com todas as coisas relacionadas à cannabis, são necessárias mais pesquisas para entender os muitos componentes químicos da planta e como eles afetam a mente e o corpo. 

THC, CBD e dor

O que os pesquisadores concluíram é que a cannabis pode ter efeitos positivos sobre a dor; evidências também mostraram que o THC (tetrahidrocanabinol) em combinação com o CBD (canabidiol) funciona em conjunto para a redução da dor. 

O CBD tem propriedades anti-inflamatórias, por isso faz sentido que funcione bem para aliviar a dor. 

“Se você pensar em outros analgésicos, pense nos opiáceos. Os opiáceos também têm efeitos psicoativos”, disse Brian. “Portanto, não é muito surpreendente que alguma combinação de THC e CBD pareça ser a mais eficaz para a redução da dor.” 

Na medida em que a cannabis parece ser útil no tratamento da dor, também vale a pena notar que  o FDA (Food and Drugs Administration) aprovou uma droga, Epidiolex, para tratar convulsões, especialmente em crianças que sofrem das síndromes de Lennox-Gastaut e Dravet.

Efeitos colaterais negativos? 

Keegan disse que uma preocupação profunda que a indústria está enfrentando agora tem a ver com contaminantes. 

Por exemplo, o Colorado exige que os produtores de cannabis testem mofo e pesticidas, mas o estado ainda opera um sistema regulatório que permite que os mesmos pesticidas usados em uma maçã para manter os insetos afastados sejam usados na cannabis. 

“Esses produtos químicos entram em nossa corrente sanguínea e em nossos corpos”, disse Keegan. “E isso é muito mal compreendido, e acho um risco muito sério à saúde pública em torno do papel que esses tipos de contaminantes – pesticidas, fungicidas e mofo – têm”. 

A maconha legal aumentou os casos de embriaguez ao volante? E quanto ao uso de maconha por adolescentes?

Em uma palavra… não. Em um parágrafo, dirigir propositadamente sob a influência de maconha não é uma boa ideia. No entanto, a legalização da maconha não causou aumento nos casos de direção embriagada. O álcool, como sabemos, é o principal fator por trás disso, no Colorado, assim como no resto do país. 

Quanto ao uso de adolescentes, a Pesquisa Healthy Kids Colorado, que é realizada a cada dois anos, pergunta aos adolescentes sobre o uso de cannabis.

O número de menores que relatam o uso de cannabis aumentou apenas cerca de 4% desde 2013, de 33% para 37,5%. Em todo o país, um relatório publicado no início deste ano revelou que a legalização da maconha em nível estadual não causa um aumento no consumo de jovens.

“Não estamos, novamente, vendo esses tipos de explosões dramáticas de uso entre os jovens contra as quais muitos alertavam”, disse Keegan.

Consulte um médico 

É importante ressaltar que, no Brasil, qualquer produto feito com a cannabis precisa ser prescrito por um médico, que poderá te orientar de forma específica e indicar qual o melhor tratamento para a sua condição.

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar na marcação de uma consulta com um médico prescritor, passando pelo processo de importação do produto até o acompanhamento do tratamento. Clique aqui.

Tags: