• 14 de abril de 2021

Autismo: O que é, Tipos, Causas, Sintomas e Tratamentos 

 Autismo: O que é, Tipos, Causas, Sintomas e Tratamentos 

Boy in blue shirt sitting on floor and starring at wall, doesn’t want to play with electric train

De acordo com os dados do CDC (Center of Deseases Control and Prevention), órgão ligado ao governo dos Estados Unidos, existe hoje um caso de autismo a cada 110 pessoas. Estima-se que o Brasil, com seus 200 milhões de habitantes, possua cerca de 2 milhões de autistas.

Os Transtornos do Espectro Autista (TEA), mais conhecido como Autismo, é um distúrbio psiquiátrico que afeta a capacidade do ser humano de se comunicar, interagir socialmente e fazer uso da imaginação.

Geralmente, essa condição aparece até os 3 anos de vida.Os especialistas apontam que a origem do problema se dá por anormalidades no cérebro, provocadas por fatores genéticos,por complicações na gravidêz ou no parto.

Segundo a Associação de Amigos do Autista (AMA), os cuidados durante a gestação são muito importantes na prevenção do autismo.

O consumo de cigarros, bebidas alcoólicas e remédios durante a gestação podem ser considerados fatores para o desenvolvimento do transtorno. 

Tipos de autismo

Existem variações do Autismo que são determinadas pelo grau de dificuldade que cada tipo apresenta. Entre elas estão:

  • Síndrome de Asperger: Classificada como transtorno do espectro autista porque apresenta características semelhantes, como dificuldade de socialização e Interesses muito individuais; 
  • Transtorno Invasivo do Desenvolvimento (TID): Uma fase intermediária entre o Asperger e o Autismo Clássico. E é caracterizado pelas mudanças na qualidade das interações sociais e no modo como elas acontecem, diminuindo bastante o interesse por muitas atividades; 
  • Autismo Clássico: Um pouco mais grave que a Síndrome de Asperger e o TID. Além disso, as suas características bem marcantes possibilitam um diagnóstico precoce, que geralmente ocorre antes dos 3 anos de idade; 
  • Transtorno Desintegrativo da Infância: O tipo mais grave do espectro autista. Em geral, na criança, a desintegração das capacidades sociais, linguísticas e intelectuais começa entre 2 e 4 anos de idade.

Causas de autismo

As causas do autismo ainda são desconhecidas, mas as pesquisas na área tem avançado cada vez mais.

Provavelmente, há uma combinação de fatores que levam ao autismo. Muitos especialistas acreditam que a genética e agentes externos podem ter um papel chave nas causas do transtorno.

Segundo a Associação Médica Americana, as chances de uma criança desenvolver autismo por causa da herança genética é de 50%, sendo que a outra metade dos casos pode corresponder a fatores exógenos, como o ambiente de criação.

Contudo, muitos genes parecem estar envolvidos nas causas do autismo. Alguns tornam as crianças mais suscetíveis ao transtorno, outros afetam o desenvolvimento do cérebro e a comunicação entre os neurônios. 

Outros, ainda, determinam a gravidade dos sintomas.

Quanto a coisas externas que possam contribuir para o surgimento do transtorno estão:

  • Poluição do ar;
  • Complicações durante a gravidêz;
  • Infecções causadas por vírus;
  • Alterações no trato digestório;
  • Contaminação por mercúrio;
  • Sensibilidade à vacinas.

Sintomas de autismo

Na maioria dos casos, muitos pais de crianças com autismo, suspeitam que algo está errado antes de a criança completar 18 meses de idade e busca ajuda antes que ela atinja 2 anos.

Entre os sintomas apresentados, às crianças com autismo normalmente têm dificuldade em:

  • Interações sociais;
  • Comunicação verbal e não verbal;
  • Brincar de faz de conta;

Existem crianças com autismo que parecem comuns antes de um ou dois anos, mas de repente perdem as habilidades linguísticas ou sociais que adquiriram anteriormente. 

Esse tipo de autismo é chamado de autismo regressivo. Uma pessoa com esse tipo de autismo pode apresentar sintomas como:

  • Sensibilidade na visão, audição, tato, olfato ou paladar;
  • Alteração emocional anormal quando há alguma mudança na rotina;
  • Fazer movimentos corporais repetitivos;
  • Demonstrar apego anormal aos objetos.

Essas características do autismo podem variar de moderados a graves. Quando se trata de comunicação no autismo, alguns problemas podem incluir:

  • Dificuldade em iniciar ou manter uma conversa social;
  • Comunicar-se com gestos em vez de palavras;
  • Desenvolver a linguagem de forma lenta ou não desenvolvê-la;
  • Não ajustar a visão para olhar para os objetos que as outras pessoas estão olhando;
  • Não se referir a si mesmo de forma correta;
  • Repetir palavras ou trechos memorizados, como comerciais e diálogos;
  • Usar rimas sem sentido.

Tratamento de autismo

É importante saber que não existe cura para o autismo, mas existem programas intensivos e apropriados que podem melhorar muito a perspectiva de crianças pequenas com o transtorno.

Muitos desses programas podem aumentar os interesses da criança com uma programação estruturada de atividades construtivas.

O tratamento tem como objetivo principal, maximizar as habilidades sociais e comunicativas da criança. Que é feito por meio da redução dos sintomas do autismo e do suporte ao desenvolvimento e aprendizado.

A forma de tratamento que tem mais êxito é o que é direcionado às necessidades específicas da criança. 

O programa deve ser desenvolvido por um especialista ou uma equipe experiente para cada criança. Existem diversas terapias para autismo disponíveis, incluindo:

  • Terapias de comunicação e comportamento;
  • Medicamentos;
  • Terapia ocupacional;
  • Fisioterapia;
  • Terapia do discurso/linguagem.

Há também, diversos programas que ajudam a tratar problemas sociais, de comunicação e comportamento que esteja relacionado ao autismo.

Cannabis no tratamento de autismo

Quando o assunto é a cannabis no tratamento do autismo, o composto que mais se destaca é o famoso canabidiol (CBD), um ingrediente que não é intoxicante e pode ser encontrado nas plantas industriais de cânhamo.

No final de 2010, foram feitos estudos que sugeriram que pode haver algum benefício real do composto.

O primeiro estudo foi publicado em 2018 pela revista especializada Frontiers in Pharmacology. 

Na pesquisa, um grupo de 53 crianças israelenses com uma idade aproximada aos 11 anos, receberam óleo de CBD de seus pais por meio da instrução de uma enfermeira.

Em dois meses, os pacientes testemunharam mudanças positivas no progresso das crianças. A autolesão e os ataques de raiva diminuíram, cerca de dois terços dos pacientes.

A hiperatividade foi reduzida em 64,4% e o sono melhorou em quase três quartos do grupo.

O segundo estudo foi publicado em 2019 pela Frontier in Neurology, ao qual teve como foco cerca de 15 crianças, incluindo cinco pacientes com epilepsia.

Depois de nove meses, aqueles que continuaram ao longo do teste experimentaram melhorias de comportamento nos sintomas relacionados a hiperatividade, transtorno de déficit de atenção, déficits de interação social e insônia.

Embora os especialistas tenham observado que o CBD possa melhorar os comportamentos, outros testes são necessários para determinar os efeitos ao longo do tempo.

Quer saber mais sobre o uso do canabidiol no tratamento de autismo?
Clique aqui.

Avatar

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias