• 24 de junho de 2022

Associação retoma as atividades três meses após o assassinato do presidente

 Associação retoma as atividades três meses após o assassinato do presidente

A associação paraguaia havia fechado após a morte de Sandro Sanchéz, conhecido como Dr. Cannabis

Três meses após o assassinato do advogado e estudante de medicina Sandro Saul Sánchez Benítez no Paraguai, os familiares resolveram reabrir a associação Apacam e voltar a disponibilizar o tratamento canábico de forma gratuita. 

As atividades da Associação Paraguaia de Apoio Cannabis Amambay, haviam sido paralisadas no dia 17 de março, depois da morte do advogado, que ficou conhecido como Dr. Cannabis.

De acordo com jornais locais, a entidade chegou a ser fechada oficialmente, mas as atividades foram retomadas por causa da importância do projeto. A Associação atendia mais de 3 mil famílias, tanto do Paraguai quanto do Brasil. 

Volta da associação

A retomada do projeto aconteceu primeiro com a criação da Fundação “Dr. Cannabis”, desenvolvida pelos familiares. “Além de voltar a prestar esse relevante serviço para comunidade, estamos honrando a sua memória”, diz uma nota distribuída pela fundação.

A Apacam vai voltar a funcionar no próximo domingo (19), no mesmo lugar de antes. O óleo e a pomada feitos na associação, serão distribuídos novamente de forma gratuita para os pacientes cadastrados. 

Assassinato

Sánchez morreu no dia 16 de março na mesa de cirurgia. Uma hora depois de um atentado no qual levou três tiros.

Ele foi baleado em frente à da associação, na cidade de Pedro Juan Caballero, que faz fronteira com Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul.

Dias antes à Cannalize, Sanchez contou que sofria ameaças por causa do seu trabalho voluntário. Principalmente por autoridades locais, como o prefeito da cidade. 

Sem um culpado

Até o momento, a Polícia Nacional do Paraguai ainda não conseguiu encontrar o homem que apareceu nas filmagens executando o presidente da associação e nem quem teria mandado matá-lo. 

De acordo com a polícia paraguaia, a investigação está avançada, embora não haja esclarecimentos. 

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias