• 16 de maio de 2022

50% dos canadenses com Esclerose Múltipla estão usando cannabis, diz estudo

 50% dos canadenses com Esclerose Múltipla estão usando cannabis, diz estudo

Physiotherapist assisting a patient with Amyotrophic Lateral Sclerosis. High quality photo

Uma pesquisa realizada no Canadá constatou uma alta aceitação dos tratamentos canábicos para Esclerose Múltipla no país. 

 

Os tratamentos medicinais com a cannabis tem cada vez mais respaldo de vários tipos de pacientes. 

Um estudo publicado na revista Multiple Sclerosis and Related Disorders, mostrou que metade dos canadenses afetados com Esclerose Múltipla utilizam a cannabis para tratar os seus sintomas. 

A pesquisa foi feita pelo Departamento de Medicina da Universidade de Alberta, através de questionários anônimos direcionados para pessoas que sofrem com a condição. 

Respostas  

O levantamento abordou pessoas com diferentes estágios da doença, porém boa parte das respostas caminharam para a mesma direção. 

Dos 344 participantes, 215 afirmaram já ter utilizado algum composto canábico pelo menos uma vez na vida, enquanto outros 180 disseram ainda fazer uso da erva. 

A aceitação pela cannabis aumentou em pacientes diagnosticados com formas mais graves da doença. 

Outro ponto abordado foi sobre os motivos que levaram essas pessoas a começarem algum tratamento com a planta. Os principais percentuais estão relacionados ao sono (84%), dor (80%) e espasticidade (68%). 

Por fim, os pesquisadores pediram para os voluntários avaliarem os sintomas causados pela maconha. A maioria disse que a erva causa sonolência (57%), enquanto o restante disse ficar mais quieto (49%) e com dificuldades de concentração (28%). 

Outros países 

Na última década, o experimento em questão foi o único a constatar o uso da cannabis para pacientes de EM no Canadá

Entretanto, em outros países, como os Estados Unidos, houveram outras pesquisas sobre o assunto.

No país estadunidense, segundo a Universidade de Michigan, 42% dos portadores da doença disseram utilizar a erva frequentemente, 90% deles devido às propriedades medicinais da cannabis. 

A mesma pesquisa constatou que 44% dos voluntários encontraram na mistura entre Canabidiol (CBD) e Tetrahidrocanabinol (THC), a melhor forma de se tratar para Esclerose Múltipla. 

Cannabis para EM 

De acordo com os especialistas, o uso medicinal da cannabis pode ser importante no tratamento de Esclerose Múltipla, principalmente no alívio das dores causadas pela doença. 

Os compostos canábicos ajudam nas seguintes situações: 

  • Inflamações:

 A complicação pode causar inflamações em seus pacientes, devido ao dano gerado à mielina. Quando isso acontece, é comum o surgimento de fraquezas, espasmos e de um déficit na coordenação motora. 

Por ter propriedades anti-inflamatórias, a cannabis consegue amenizar esse sintoma e recuperar os efeitos causados pela doença. 

  • Dores: 

Os portadores de Esclerose Múltipla costumam sentir muitas dores, que limitam algumas ações do corpo. A erva tem papel fundamental nisso, pois alivia os sintomas e a sensação de desconforto. 

  • Espasticidade: 

Um dos principais sintomas da EM é o surgimento da espasticidade muscular, caracterizada pelo aumento involuntário das contrações dos músculos. 

Nessa questão, os compostos canábicos são capazes de reduzir a frequência e a gravidade da espasticidade. 

  • Depressão: 

A Esclerose pode causar depressão. Por apresentar características antidepressivas, canabinoides como CBD, THC e CBC, são fortemente recomendados para esse caso. 

  • Sono: 

Pacientes com a condição podem enfrentar problemas com o sono. A cannabis é muito conhecida por ajudar nesses casos, inclusive, sendo uma ótima alternativa para o tratamento de Insônia

Gustavo Lentini

Jornalista e produtor de conteúdo da Cannalize. Apaixonado por futebol e pela comunicação.

Mais Notícias