• 27 de outubro de 2020

5 fatos fascinantes sobre a cannabis que você não sabia

 5 fatos fascinantes sobre a cannabis que você não sabia

Muitas pesquisas sobre a planta cannabis têm avançado nos últimos anos, a medida que as atitudes regulatórias e médicas começaram a mudar. Antigamente, essas pesquisas científicas e clínicas sobre a planta eram difíceis de fazer, mas atualmente o cenário é outro.

Hoje em dia chega a ser até impossível acompanhar a grande quantidade de novas informações e conhecimentos científicos sobre a planta que já foram e são publicados. 

Não há dúvidas de que muitos desses levantamentos têm o poder de mudar o destino de diversas doenças. Outros são simplesmente fascinantes.

A seguir estão cinco pontos mais fascinantes e atraentes de uma pesquisa sobre a cannabis medicinal recentemente publicada.

Consumidores de cannabis ganham mais ou menos peso?

Um estudo feito pela Michigan State University (MSU) sugere que os adultos que consomem cannabis através do fumo pesam menos do que aqueles que não fumam.

Essas descobertas, publicadas no International Journal of Epidemiology, contradiz uma crença  que defende que os consumidores de maconha ganham peso devido a um efeito que gera fome e os levam a consumir mais alimentos.

O estudo sugere que os consumidores novos têm menos probabilidade de estar acima do peso ou obesos.

A autora e pesquisadora principal, Omayma Alshaarawy e sua equipe descobriram que, apesar da diferença de peso entre os que consomem e os que não consomem a cannabis, as variedades na amostra prevaleceu da mesma forma. 

“Apenas 15% das pessoas que consomem com frequência foram consideradas obesas, em comparação com 20% das que não consomem”, afirmou.

Mas, o que há na cannabis que parece afetar o peso? Para simplificar, a autora disse que o uso de cannabis pode alterar na forma como algumas células e receptores endocanabinóides respondem no corpo e influenciam o metabolismo e o ganho de peso.

Com isso, chegamos na conclusão de que mais pesquisas precisam ser feitas, já que o uso de cannabis afeta homens e mulheres de maneiras diferentes. As dosagens variam e as diferentes proporções de THC para CBD devem ser consideradas.

Ligação entre os receptores de canabinóides

Durante décadas, muitos acreditavam que a liberação de endorfina causada por exercício físico era a principal responsável pela sensação de euforia .

As endorfinas são grandes moléculas que não podem se mover facilmente no sangue para o cérebro, então é improvável que sejam as únicas responsáveis ​​pelas sensações associadas ao sentimento de euforia.

Os cientistas acreditam que o efeito pode ser atribuído a outras substâncias químicas no corpo, que produzem alívio semelhante da dor e êxtase.

Um estudo da Universidade de Heidelberg, publicado no Proceedings of the National Academy of Science , mostra que os camundongos que correm em uma roda aumentam a produção de endocanabinoides e diminuem a ansiedade e a dor.

Esta forma de exercício aumentou os níveis sanguíneos e de anandamida (um endocanabinoide produzido pelo corpo, conhecido como a moleca da felicidade).

Cannabis pode melhorar a visão durante a noite

Há 15 anos atrás, uma equipe multidisciplinar de todo o mundo compartilhou suas descobertas no The Journal of Ethnopharmacology, ao observar que os pescadores e os habitantes das montanhas melhoraram a visão noturna após fumar kif (uma mistura de cannabis sativa e tabaco).

Outros estudos de campo foram realizados com as pessoas antes e depois de fumar a substância e houve melhorias na visão noturna. Muitos acreditam que esse efeito depende da dose de canabinóides no nível retinal.

Por exemplo, uma pessoa não viu nenhuma diferença até que uma alteração na sensibilidade foi percebido com o consumo de 10 mg e mantido com o consumo de 20 mg de THC usado oralmente.

O estudo também levou em consideração  que a cannabis pode melhorar a visão noturna entre os pescadores jamaicanos após a ingestão de uma tintura de cannabis.

Mas por que isso é importante? Os pesquisadores do estudo, liderados pelo Dr. Ethan Russo, esperam que mais testes possam encontrar possíveis aplicações clínicas desses resultados na retinite pigmentosa, um distúrbio genético que causa perda de visão e entre os sintomas estão problemas para enxergar à noite e diminuição da visão periférica.

Pesquisas futuras podem revelar se esta aplicação clínica de cannabis pode ser utilizada no tratamento da dor, espasticidade da esclerose múltipla e náusea da quimioterapia como indicações reconhecidas para a planta. 

Cannabis e enjoo matinal?

Cada vez mais, jovens e futuras mamães estão usando cannabis para aliviar os enjôos matinais, mas isso não significa que seja recomendado para mulheres grávidas.

Durante a gravidez, muitas mulheres sentem náuseas e vômito, que variam de leves a extremos. A cannabis, principalmente sativa, pode ser usada terapeuticamente para mitigar náuseas e vômitos induzidos pela gravidez.

Michael Smith, bolsista de pós-doutorado da Foundation for Health Research, entrevistou 84 mulheres que consomem cannabis. Cerca de 79 entrevistadas que tiveram gravidez, 51  disseram terem usado cannabis durante a gravidez. 

Enquanto 59 delas tiveram náuseas e  vômitos durante a gravidez, 40 consumiram a planta para tratar a doença e, dessas entrevistadas, 37 definiram a cannabis como “extremamente eficaz ”ou“ ineficaz ”.

Em alguns estados, em que a o uso medicinal da planta é legalizado. Condições como náusea é uma indicação medicamente aprovada. No entanto, há uma diferença entre a cannabis regulamentada de um dispensário e a do mercado ilícito.

E mesmo que as descobertas apóiam ​​a necessidade de mais pesquisas sobre o uso de cannabis para náuseas e vômitos durante a gravidez, é importante ter em mente que a American Medical Association afirma que a cannabis durante a gravidez não é segura.

Cannabis como neuroprotetor após lesão cerebral traumática

Muitos estudos analisaram os efeitos neuroprotetores dos canabinóides, principalmente após uma lesão cerebral traumática. 

Em 2014, uma equipe de pesquisadores publicou suas descobertas quanto à relação entre a presença de THC e mortalidade após essa condição cerebral. 

Uma revisão de 3 anos dos dados se concentrou em mais de 400 pacientes que sofreram uma lesão cerebral traumática e que, após o ocorrido, também foram submetidos a um teste de sangue toxicológico para a presença de tetrahidrocanabinol.

O grupo de pacientes nesse estado, cujos relatórios toxicológicos mostraram que eles tinham THC em seu sistema no momento da lesão, foram comparados com aqueles que tiveram resultados negativos em relação ao mecanismo de lesão, gravidade, disposição e mortalidade.

A mortalidade no grupo THC-positivo foi reduzida em comparação com o grupo THC-negativo, associando assim a presença do composto com a sobrevivência após uma lesão.

Outra revisão de 2017 dos estudos pré-clínicos existentes sobre lesão cerebral traumática, avaliaram o poder terapêutico dos canabinoides e manipulações do Sistema Endocanabinoide para aliviar a patologia de lesão cerebral traumática, considerando os estudo mencionado acima. 

De acordo com a revisão, as evidências sugerem que o tetrahidrocanabinol é neuroprotetor, quando consumido antes de uma lesão cerebral. Por incrível que pareça, uma dose extraordinariamente baixa reduziu os déficits cognitivos induzidos por lesões em camundongos.

E, embora 80% do THC seja eliminado dentro de cinco dias após o consumo, as pessoas podem experimentar concentrações muito baixas do composto por períodos maiores. Esta exposição, como outros canabinóides potencialmente neuroprotetores, como o canabidiol, podem ser responsáveis ​​pelos efeitos de sobrevivência, encontrados em pacientes com lesão cerebral traumática expostos à cannabis.

Referências

  • Cannigma

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias