• 16 de agosto de 2022

Você sabia que autocuidado não é um cuidado solitário? 

 Você sabia que autocuidado não é um cuidado solitário? 

Imagem: Freepik

Neste mês de Abril, o Ministério da Saúde está promovendo uma campanha com foco no autocuidado e na segurança do paciente em relação aos seus tratamentos de saúde.

tema escolhido para 2022 é “Valor do Autocuidado para a Segurança do Paciente”, visando iniciativas focadas em orientar e melhorar as práticas em assistência e o autocuidado para o uso seguro de medicamentos. 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o autocuidado é a capacidade de indivíduos, famílias e comunidades de promoverem sua própria saúde, prevenir doenças, manter a saúde e lidar com doenças e deficiências com ou sem o apoio de um profissional de saúde. 

VEJA SÓ… ISSO TEM TOTAL RELAÇÃO COM OS OBJETIVOS DOS PROGRAMAS DE CUIDADO COORDENADO!

Nestes programas, os profissionais da saúde colhem informações clínicas dos pacientes buscando compreender todos os aspectos que podem impactar na performance dele relacionados ao tratamento proposto, como o contexto social, doenças pregressas e medicamentos em uso.

Além disso, eles estimulam o paciente a participar ativamente do seu tratamento! 

MAS ISSO JÁ NÃO ACONTECE NATURALMENTE?

NÃO!

Muitos de nós costumam passar em uma consulta médica, relatar sua queixa, receber um receituário com uma proposta de tratamento e simplesmente seguem o que foi prescrito, sem participar ativamente das decisões sobre o seu tratamento.

No cenário do Cuidado Coordenado, principalmente com foco na Cannabis Medicinal, a participação ativa do paciente é FUNDAMENTAL para o sucesso do tratamento, já que a escolha do produto, pelo prescritor, vai ser muito mais afinada ao estilo de vida e histórico de saúde do paciente.

Ajuste na dose

Outro aspecto é a fase de ajuste de dose – etapa mandatória e que merece muita atenção de todos os envolvidos.

Neste momento, a percepção do paciente sobre seus sintomas, possíveis eventos adversos e sobre os efeitos terapêuticos da Cannabis Medicinal será determinante para a definição, em conjunto com toda a equipe de saúde, sobre a dose ideal, ou seja, aquela que traz efeitos positivos com base nos objetivos do tratamento.

Em termos gerais, à medida que o paciente avança na sua linha de tratamento, espera-se que ele:

  • Amplie seus conhecimentos sobre seu contexto de saúde atual
  • Reduza fatores de risco pessoais, geralmente relacionados à prática de atividade física, questões nutricionais e sobre o seu bem-estar;
  • Autogerencie sua saúde e tratamento, aderindo à terapia proposta e fazendo uso correto de medicamentos;
  • Buque respostas em casos de dúvidas;
  • Observe a presença de efeitos adversos causados com uso dos produtos à base de canabinoides;
  • Receba orientações provenientes de fontes seguras – profissionais capacitados, evidências científicas e notícias validadas por jornalistas responsáveis.

Para que tudo isso aconteça da melhor forma, o ideal é que você tenha este acompanhamento periódico individualizado, feito por uma equipe de saúde especializada.

Assim você garante a melhora da qualidade de vida esperada com o seu tratamento a base de Cannabis Medicinal.

Atendimento Cannalize

A Cannalize possui uma parceria com a Cannect, que proporciona um atendimento especializado através de um programa chamado Cannect Cuida, que te ajuda no autocuidado. Saiba mais sobre isso aqui.

Marcella Tardeli

Enfermeira e Mestre pela Universidade Federal de São Paulo. Especialista em Enfermagem em Oncologia pela Fundação Antônio Prudente. Pós-Graduação em Cuidados Paliativos e Psico-sócio-oncologia pelo Instituto Pallium Latinoamerica - Universidad del Salvador (Argentina). Aromaterapeuta pelo Instituto Harmonie. Founder da Ophicina de Cuidados Paliativos. Uma das organizadoras do livro "Cuidados Paliativos: diretrizes para melhores práticas." Gerente de Cuidado Coordenado na Cannect.

Mais Notícias