• 25 de junho de 2022

A polêmica por trás da apreensão da maior fazenda de cannabis da Europa

 A polêmica por trás da apreensão  da maior fazenda de cannabis da Europa

A apreensão escancara o despreparo das autoridades e a necessidade de uma reforma abrangente da cannabis no cenário europeu. 

No último 13/04, as autoridades espanholas anunciaram a destruição de 415 mil plantas de cannabis no valor estimado em 108 milhões de dólares. 

fazenda

A polícia alegou que este foi um ataque vital contra a “maior plantação de cannabis” da Europa. 

Aproximadamente 50 toneladas de plantas estavam sendo secas em um armazém na região rural de Navarra. A plantação ocupava mais de 600 mil metros quadrados. Os proprietários enfrentam agora acusações criminais. 

Porém, a história começa a ficar estranha agora. As plantas eram todas de cânhamo com baixo teor de Tetrahidrocanabinol (THC) – uma substância que, pelo menos a nível europeu, não é mais considerada um “narcótico”. Mesmo na Espanha, a venda e consumo de Canabidiol (CBD) é legal. 

Cultivo e legalização na Espanha 

Este caso é um dos mais confusos dos últimos tempos no cenário da cannabis mundial, porque escancara a desinformação legal sobre o status da cannabis e do cânhamo em toda a União Europeia. 

Legalmente, o cultivo de cannabis na Espanha (incluindo CBD) só é permitido quando o cultivador está plantando “cânhamo industrial”. Cultivar cânhamo para converter em CBD continua sendo crime. 

Ainda efetivo nos dias de hoje, o artigo 368 do Código Penal espanhol criminaliza o cultivo de cannabis quando promove, favorece ou facilita o consumo ilegal de “drogas” com pena de prisão de 3 a 6 anos. 

Espanha x União Europeia

A lei europeia, a qual obviamente a Espanha está em desacordo, não define o cânhamo com mais de 0,02% de CBD como narcótico. 

Nesse caso, o agricultor aparentemente planejava exportar a planta para outros países ao utilizar esse processo de extração. 

Além disso, as empresas estão autorizadas a exportar flores de cânhamo e produtos com baixo teor de THC através das fronteiras do país para venda quando produzidos legalmente no país de origem – o que também parece se aplicar neste caso, pois o agricultor alegou que é isso que ele estava fazendo. 

Tudo indica que, embora a cultura tenha sido designada como cânhamo industrial na Espanha, a intenção de exportar e depois extrair foi o que desencadeou a ação policial. 

Necessidade de reforma 

São casos assim que demonstram a necessidade crescente de uma abordagem, região por região, para a reforma abrangente da cannabis. 

O problema visto na Espanha (caso de clubes de cannabis, onde a flor com alto nível de THC pode ser obtida) também está ocorrendo em outros países. 

Enquanto isso…

Toda a indústria europeia está ficando realmente mais perigosa — e não menos —, visto que o assunto da reforma geral começa a borbulhar em determinados países. 

A realidade é perigosa até mesmo na Holanda, sede dos famosos coffeeshops, país em que a legalização geral começou a tomar forma. Ao mesmo tempo, o prefeito da capital Amsterdã quer proibir os turistas de entrar nos cafés, além de fechar mais da metade deles. 

O obscurantismo é uma ameaça real em vários setores, a questão canábica inclusa.

Arthur Pomares

Jornalista e produtor de conteúdo da Cannalize. Apaixonado por café, futebol e boa música. Axé.

Mais Notícias