Tópicos são a porta de entrada da cannabis para idosos

Tópicos são a porta de entrada da cannabis para idosos

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Para vencer o receio dos mais velhos em relação ao uso da cannabis medicinal, muitas empresas dos EUA têm focado na educação por meio de cremes e pomadas

Tópicos são a porta de entrada da cannabis para idosos

Tópicos são a porta de entrada da cannabis para idosos
Foto: Freepik

Em países em que os produtos de cannabis são mais comuns, os tópicos estão cada vez mais em alta. Desde celebridades que usam bálsamos para aliviar as dores nos pés até atletas profissionais que estreiam sua própria linha de produtos para massagem muscular.

O fato é que os produtos transdérmicos infundidos com canabinoides parecem estar em toda parte.Mas não são apenas os millennials e a elite de Hollywood que aderem ao movimento. 

E parece que um número crescente de idosos também recorre a medicamentos tópicos, muitas vezes procurando alívio às condições debilitantes que afetam quase 54 milhões de adultos americanos: a artrite.

Uso dos tópicos

A doença causa dores, inchaço e rigidez nas articulações e nos músculos.
Tradicionalmente tratada com uma combinação de medicamentos, incluindo esteroides e opiáceos, os idosos acabam sofrendo de outro mal: os temidos efeitos colaterais. 

No entanto, a cannabis tem se tornado uma alternativa mais popular e viável através de cremes e loções infundidos que são eficazes porque funcionam de forma simples:

Quando os canabinoides, substâncias produzidas pela cannabis, se ligam à rede de receptores do Sistema Endocanabinoide da pele, funcionam de forma rápida. E o melhor: sem a necessidade de entrar na corrente sanguínea. 

Isso significa que as pessoas que utilizam tópicos infundidos com o THC (tetrahidrocanabinol), por exemplo, a substância que gera o famoso “barato” da maconha, não sentirão um efeito na mente – apenas alívio localizado. 

O que a ciência diz

Embora as pesquisas sobre a eficácia dos tópicos seja limitada, os resultados até agora são promissores. Um estudo de 2015 publicado no European Journal of Pain, por exemplo, descobriu que, quando aplicado em ratos com articulações artríticas, o CBD (canabidiol) ofereceu alívio. 

Outro estudo realizado em 2017 em ratos com osteoartrite (o tipo mais comum de artrite, em que a cartilagem óssea se decompõe ao longo do tempo) concluiu que o CBD previne a dor e os danos nos nervos. 

Os cientistas também exploram evidências que concluem que os próprios receptores CB2 (canal do corpo por onde a cannabis atua), podem ser responsáveis ​​pela regulação da inflamação – um dos principais problemas causados ​​pela artrite.

Tópicos como porta de entrada

O idoso médio nos Estados Unidos toma cerca de cinco medicamentos prescritos diariamente, o que despertou uma preocupação sobre as interações entre os remédios, efeitos colaterais e o potencial de abuso, fazendo com que muitos procurem outro caminho.

E como muitas pessoas ainda têm o estereótipo na mente de “ficar chapados por fumar ou comer cannabis”, podem se sentir mais seguros com o uso de um bálsamo de cannabis.

Os tópicos oferecem uma maneira de explorar as propriedades da cannabis ao mesmo tempo que eliminam o medo de que a vovó e o vovô fiquem muito tontos.

Dificuldades reais

Karen Rumics Averill é uma empresária de 63 anos de Oregon que começou a fazer seus próprios tópicos com infusão de cannabis há alguns anos para ajudar o marido. Ele sofria de um tipo grave de artrite chamada espondilite anquilosante, também conhecida como “síndrome das costas curvadas”.

“Ele recebeu inicialmente uma injeção, estava recebendo o dobro da dose normalmente necessária”, disse Averill. “Então, (os médicos) prescreveram Oxycontin e Vicodin e, de repente, um dia, às duas da manhã, estávamos indo às pressas para o pronto-socorro por causa de uma úlcera hemorrágica.”

Averill acredita que os medicamentos prescritos ao marido estavam na verdade piorando sua condição.  Por isso, começou a experimentar a cannabis utilizando subprodutos de cepas indica de primeira linha para infundir em óleo de coco, criando um tópico com infusão de THC.

“A minha tia de 94 anos começou a usar para tratar a artrite. Ela me ligou ontem e disse que funciona muito bem!” Comentou.

Trazendo Idosos para a Cannabis

Para muitos dentro da indústria da cannabis, um dos maiores desafios é fornecer informações precisas ao público em geral. 

Depois de receber telefonemas e mais telefonemas de idosos perguntando sobre seu produto transdérmico, uma empresa norte-americana chamada NanoSphere Health Sciences, por exemplo, decidiu que precisava se concentrar, não em levar seus produtos aos idosos, mas em trazer os idosos até eles.

“Muitas vezes, a maneira como um idoso recebe nosso produto é porque uma sobrinha ou sobrinho, neta, filho ou filha entrou, comprou o produto para eles e disse que eles precisavam usá-lo, em vez de eles realmente entrarem o dispensário e comprando o produto por conta própria”, disse Crystal Colwell, diretora de marketing da NanoSphere.

Colwell lembra que houve um caso em que uma mulher tinha artrite tão grave nas mãos que não conseguia abri-las totalmente.

 “Uma de suas coisas favoritas é escrever cartas e notas manuscritas. Ela começou a usar NanoSerum nas mãos e usou uma vez por dia durante um mês e depois do primeiro mês ela conseguiu abrir a mão e segurar uma caneta ou lápis novamente. Em um período de dois meses, ela conseguiu escrever notas manuscritas novamente.”

Leia também: Pesquisa brasileira vai testar a cannabis em pacientes com osteoartrite

O diretor de marketing acrescenta que, embora leve tempo para desmantelar toda a desinformação sobre a maconha e as formas como ela pode ser consumida, os tópicos oferecem uma introdução não ameaçadora a um medicamento que pode fazer toda a diferença.

“Muitos equívocos que os idosos têm é que a única altura em que se pode obter alívio da cannabis é fumando-a ou ingerindo-a como alimento”, disse ela. “Depois que eles aprendem que existem aplicações alternativas, eles ficam intrigados e isso os faz pensar.”

Texto adaptado do portal CannabisNow

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas