• 24 de junho de 2022

Sinusite: O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

 Sinusite: O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Se você não tem, com certeza conhece alguém que já teve ou tem sinusite. Estima-se que essa doença afete 1 em cada 8 pessoas em todo o mundo. É também a 5ª causa mais frequente do consumo de antibióticos

Uma gripe ou resfriado, os ossos da face ficam inflamados, desconforto e peso facial, congestão nasal, e ainda ter que lidar com alguma secreção.

Esse mal-estar tem prazo de validade, geralmente passa entre  3 a 5 dias, sem que seja necessária uma ajuda médica para se recuperar.

Mas nem sempre é assim, pode ser que piore. Os sintomas podem persistir e até se agravarem.

Estima-se que essa doença afeta 1 em cada 8 pessoas em todo o mundo e é a 5ª causa mais frequente do consumo de antibióticos. 

Não é considerada um problema hereditário, mas pode ser classificada como sinusite aguda ou crônica.

Mas o que é sinusite?

A Sinusite, ou sinusopatia, é o nome que damos a uma inflamação que ocorre nos seios paranasais, também conhecidos como seios da face.

Essa condição pode ser resultado de infecções virais, bacterianas ou fúngicas, alergias ou até problemas do sistema imunológico, incluindo as doenças autoimunes.

Geralmente, vem acompanhada de rinite, que é a inflamação da cavidade nasal, causando um quadro chamado rinossinusite. Na maioria dos casos, a rinossinusite é provocada por vírus respiratórios.

Existem dois tipos de sinusite, aos quais podem ser:

  • Sinusite Aguda: quando os sintomas duram menos de 4 semanas;
  • Sinusite subaguda: quando os sintomas duram entre 4 e 12 semanas;
  • Sinusite Crônica: quando os sintomas duram mais que 12 semanas;
  • Sinusite recorrente: quando há 4 ou mais episódios de sinusite durante o ano.

Causas de sinusite

Ela tanto pode ser causada por bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos.Também por  poeira, choque térmico e cheiros fortes.

A exposição a determinados produtos químicos e alterações na anatomia nasal fazem parte do outro grupo de responsáveis pelo surgimento da sinusite.

Como os seios da face tem uma certa conexão com órgãos nobres, como olhos, ouvidos e cérebro, em alguns casos a sinusite bacteriana pode levar a complicações graves.

É importante procurar atendimento médico sempre que houver os seguintes sinais de complicação listados abaixo:

  • Febre acima de 39ºC;
  • Vermelhidão na região do rosto;
  • Vermelhidão em volta dos olhos;
  • Visão dupla ou qualquer outra alteração visual;
  • Dor de cabeça muito intensa;
  • Dor na nuca.

A sinusite bacteriana, apesar de não apresentar uma taxa de mortalidade muito alta, é uma infecção que não deve ser ignorada, principalmente quando existem os sinais citados acima.

Sintomas de sinusite

Os sinais e sintomas da sinusite crônica não são tão semelhantes à sinusite aguda, pois nos quadros crônicos a tosse é um dos sintomas mais frequentes e a febre raramente está presente. Isso porque a sinusite aguda é uma infecção temporária dos seios muitas vezes associada a um resfriado.

Os principais sintomas da sinusite aguda são:

  • Congestão nasal;
  • Corrimento nasal ;
  • Dor de cabeça;
  • Dor no rosto;
  • Dor na arcada dentária superior;
  • Dor em volta dos olhos;
  • Sensação de pressão ao abaixar a cabeça;
  • Ouvidos entupidos;
  • Tosse;
  • Diminuição do paladar e do olfato.

Diferença entre rinite e sinusite?

No caso de rinite, o processo inflamatório alérgico ou infeccioso, acontece diretamente nas cavidades nasais. Já na sinusite, a inflamação ocorre nas cavidades paranasais (seios da face).

Muitos acreditam que tem sinusite, quando na verdade tem rinite. Existem diferenças entre as duas.

Alguns sintomas da rinite:

  • Coriza hialina;
  • Espirros;
  • Coceira no nariz;
  • Obstrução nasal.

Tratamentos mais comuns para sinusite

Na maioria dos casos de sinusite aguda melhora dentro de 7 a 10 dias. Portanto, o tratamento é basicamente sintomático. Até mesmo as sinusites bacterianas costumam ter bom prognóstico, pois as complicações são pouco comuns.

Para tratar a sinusite aguda não bacteriana, são indicados a lavagem da cavidade nasal com soro fisiológico e a aplicação de corticoides nasais em spray.

Compressas mornas sobre o rosto podem trazer alívio, e ingerir líquidos pode ajudar a diluir as secreções.

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, não é necessário se encher de remédios para tratar uma sinusite.

Contudo, os medicamentos mais utilizados nesses casos são 

  • Descongestionantes nasais –  São geralmente usados em excesso e desnecessariamente. Quando necessário, é indicado que seja usado por no máximo 3 dias, pois seu uso em excesso pode provocar congestão nasal.

O paciente que usa esse medicamento, apresenta alívio temporário dos sintomas, mas em pouco tempo, a congestão nasal retorna rapidamente, criando-se assim um ciclo vicioso.

  • Anti-histamínicos – Apesar de ser muito prescrito, não apresenta evidências de benefícios na sinusite. Se não há um processo alérgico por trás, é pouco provável que essa classe de remédios traga algum benefício.
  • Antibióticos – Só devem ser usados quando há evidências de sinusite bacteriana. Os mais usados são amoxacilina com ácido clavulânico, levofloxacino, moxifloxacino, claritromicina ou azitromicina.

Cannabis no tratamento de sinusite 

Como já sabemos, a sinusite aguda geralmente é causada por infecções bacterianas.

Os canabinóides, como o canabidiol (CBD), têm efeitos antibacterianos e antibióticos que podem ajudar a tratar essa condição, e também podem afetar as bactérias que desenvolveram resistência aos antibióticos.

Além disso, a planta cannabis é conhecida como um broncodilatador. Pelo fato da planta ter a capacidade de expandir os brônquios, ela facilita a respiração em pacientes com sinusite.

Os seus efeitos anti-inflamatórios também podem ajudar a aliviar sintomas como dor de cabeça, dor de garganta, dor nos seios da face, etc.

Com isso, a cannabis pode ser uma alternativa útil ou complementar aos tratamentos convencionais para sinusite. Contudo, como as vias aéreas já estão comprometidas por causa da doença, o consumo de cannabis através do fumo deve ser evitado.

O ideal é recorrer a outras opções, como óleo de CBD ou chás, que são muito mais úteis e têm o mesmo alto potencial para propriedades medicinais.

É importante ressaltar que não há estudos suficientes que comprovem a eficácia, por isso, a cannabis deve ser administrada como um tratamento complementar.

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias