• 16 de agosto de 2022

Quais são os principais comestíveis CBD disponíveis no mercado?

 Quais são os principais comestíveis CBD disponíveis no mercado?

Cannabis bonbons and marijuana leafs on a table top view

Não há dúvidas de que a indústria do CBD seja um grande negócio e que os comestíveis à base de canabidiol também fazem parte desse crescimento.

Um estudo realizado em 2019, pela Green Entrepreneut, mostrou que os comestíveis à base de cannabis do mercado podem chegar no valor de cerca de  4.1 bilhões de dolares por ano até 2022. A venda de chocolates de CBD e gomas isoladas, superou os bilhões de dólares do mercado em 2018.

Grandes empresas têm entrado nesse espaço, agora que o poder deste setor se tornou mais visível.

O que são os comestíveis de CBD?

Os comestíveis de CBD são um tipo de canabidiol que pode ser comido. Eles são considerados no setor de cannabis como um método mais saudável de ingerir o THC.

O interessante é que, além de evitar o estigma do fumo ou vaporização, os comestíveis podem ser consumidos de forma discreta. Existe uma variedade de produtos. Além das gomas e chocolates de CBD, há também mel, xarope, pasta de amendoim, doces e salgados.

Contudo, o mercado de CBD é também o único não regulamentado.Como um resultado, encontrar as gomas de CBD ou outros comestíveis não é tão fácil como muitos podem achar.

Neste artigo, focamos em três dos melhores alimentos a base de cannabis disponíveis no mercado atualmente. Antes de tudo, vamos observar quem pode consumir eles, sua biodisponibilidade e os possíveis perigos.

Quem pode consumir os comestíveis CBD?

Com tantas opções de consumo do canabidiol, quem pode usá-lo? Geralmente os usuários mais frequentes dos comestíveis são aqueles que sofrem com dores e ansiedade, assim descartando as opções de fumo e vaporização.

Pessoas com problemas respiratórios devem evitar qualquer métodos relacionados ao fumo. Se caso optar por fumar cânhamo ou cepas de cannabis com nível alto de CBD, os processos de combustão provavelmente surgem de muitos canabinóides e terpenos úteis.

Aqui estão alguns dos mais relevantes pontos de ebulição e os graus.

  • CBD: o melhor estimado em 356 graus;
  • CBDA: 248 graus;
  • THC: 315 graus;
  • Linalool: 388 graus;
  • Mirceno: 334 graus;
  • Cariofileno: 349 graus;
  • Pinene: 311 graus.

Os compostos citados acima são associados a benefícios como: anti-inflamatórios, ajuda no tratamento da dor, insônia e náuseas. A combustão ocorre em 451 graus.Quando a pessoa fuma algo, o material é exposto a temperaturas altas.

Os vaporizadores de alta qualidade do mercado permitem o controle de temperatura, ou seja, é possível permanecer abaixo dos números mencionados acima.

No entanto, uma recente epidemia de vaping, que causou dezenas de mortes, deixou uma mancha negativa nessa indústria em particular. Isso acontece, apesar de a maioria das vítimas aparentemente ter usado óleo de cannabis do mercado negro. A presença de um ingrediente chamado acetato de vitamina, está relacionado a muitos dos casos.

Para os que usam produtos comestíveis de CBD, é simplesmente uma combinação de simplicidade e bom gosto. Seja chocolate, gomas ou mel, pode ser usado de maneira fácil.

Não há dúvidas de que os comestíveis são ótimos. Esses alimentos a base de CBD são ideais para quem deseja uma maneira rápida e fácil de consumir o canabinoide, sem fumar ou vapear.

Uma questão de biodisponibilidade

O termo “biodisponibilidade” tem como referência à proporção de um medicamento presente na circulação quando entra no corpo e pode causar um efeito.

Independentemente do produto canabidiol usado, ele passa do ponto da corrente sanguínea. Uma exceção são certos tópicos de CBD que penetram apenas na primeira camada da pele e são para alívio localizado.

Quando o CBD atinge a corrente sanguínea, ele viaja para o sistema endocanabinóide (ECS) e afeta os receptores canabinóides, CB1 e CB2. Também atinge receptores não CB, como o 5-HT 1A , nosso receptor de serotonina. A forma de como o CBD e consumido determina a taxa de absorção geral.

Uma das desvantagens dos produtos comestíveis de CBD é a biodisponibilidade relativamente baixa. Quando consumido por via oral, ele entra no sistema digestivo antes de ser absorvido.

Os canabinóides também passam pelo fígado. Esse processo é conhecido e como metabolismo de primeira passagem e reduz a concentração de canabinóides. As enzimas no fígado são responsáveis ​​por diminuírem a taxa de absorção.

Um estudo de Marilyn A. Huestis, publicado em Chemistry & Biodiversity em agosto de 2007, analisou a farmacocinética do canabinóide humano.

O pesquisador percebeu que a taxa de biodisponibilidade do CBD consumido por via oral estava entre 4% e 20%. Mesmo nas melhores condições, o corpo humano pode receber apenas 5 mg de um comestível de 25 mg.

O canabidiol consumido por via sublingual (como o óleo de CBD) tem uma taxa de absorção entre 12% e 35%. O canabidiol vaporizado tem uma biodisponibilidade muito maior, entre 34% e 56%.

Os comestíveis de CBD são perigosos?

É possível perceber, que existem muitos avisos associados aos produtosde cannabis. Pode levar até duas horas para que o hash brownie (bolo de chocolate com hash) afete o organismo depois de consumido. Infelizmente, existem algumas questões associadas ao uso excessivo de comestíveis de cannabis. O que geralmente acontece é que um usuário que não tem muita experiência com isso, come exageradamente e consome muito THC. Então, eles entram em pânico quando percebem que atingiu um nível alto de intoxicação.

Como o CBD não causa efeito tóxicos, não há nada com o que se preocupar a esse respeito. No entanto, isso não impediu que a FDA (Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos) se opusesse ao canabinóide.

Em novembro de 2019, foi uma emitida declaração que alertou os consumidores sobre os supostos riscos à saúde de alimentos, bebidas e outros produtos com infusão de CBD.

“O CBD pode prejudicá-lo, e o dano pode acontecer antes que você perceba”, disse os profissionais da FDA. A agência sugeriu que danos no fígado, efeitos colaterais das interações medicamentosas e mudanças de humor eram possíveis efeitos colaterais.

Sem esforço nenhum, a FDA decidiu considerar os comestíveis CBD como um grande perigo. Afinal, não há problemas em permitir que opióides assassinos inundam o mercado.

Dados do CDC (Centro de Controle e Prevenção) mostram que mais de 46.000 pessoas morreram de overdose relacionada a opioides em 2018. De alguma forma, a FDA acredita que um canabinóide, mesmo com um bom perfil de segurança, ainda é prejudicial. Enquanto isso, não há problema em termos fácil acesso a medicamentos que matam centenas de pessoas por dia.

Identificação e testes errados

A FDA está cobrindo todo o setor de CBD com o mesmo pincel. Não há dúvida de que produtos inferiores estão no mercado.

Um estudo de Bonn-Miller et al., publicado no JAMA em novembro de 2017, observou a precisão da rotulagem dos extratos de CBD vendidos online. Foram analisados ​​84 produtos de 25 empresas diferentes. O conteúdo do CBD foi rotulado com precisão em apenas 31% dos casos. Para piorar, os pesquisadores encontraram THC em níveis detectáveis ​​em mais de 20% dos produtos.

Ao comprar produtos comestíveis da CBD ou qualquer outro produto, é importante adquirir apenas de marcas que oferecem relatórios de laboratório de terceiros.

Agora, vamos dar uma olhada em alguns pontos importantes a serem considerados na escolha de um produto

  1. As marcas que utilizam produtos fabricados com cânhamo cultivado nos EUA devem contêm no máximo 0,3% de THC.
  2. A produção de gomas veganas, podem conter 25 mg de CBD cada e menos de 0,02% de THC.
  3. Além do isolado puro de CBD, o produto pode ter xarope de glicose orgânico, açúcar de cana orgânica e outros sabores, e corantes naturais. Sua aparência pode ser  gomosa e os sabores mistos incluir groselha, cenoura e abóbora.
  4. A marca pode utilizar cânhamo cultivado organicamente no Kentucky e também utiliza extração de CO2 sem solvente.
  5. Possuir uma gama maior de produtos, incluindo gomas, palitos de mel, palitos de dente e bebidas.
  6. Serem veganas e conter 25 mg de CBD por peça usando um isolado, mesmo não contendo THC.

  7. Usar  açúcar de cana orgânico, para acompanhar o xarope de tapioca orgânico e os sabores naturais.

Falando um pouco sobre Charlotte’s Web

Esta foi a empresa CBD mais famosa nos primeiros dias da indústria. Ganhou destaque depois que seus fundadores, os irmãos Stanley, criaram um método de tratamento de uma jovem chamada Charlotte Figi. Ela tinha Síndrome de Dravet e sofria centenas de crises por semana. Depois de usar o óleo CBD da linhagem de cannabis da Charlotte mais tarde renomeada, sua taxa de crises caiu para dois por mês. Infelizmente, Charlotte faleceu recentemente.

A CW oferece três tipos distintos de gomas de CBD. Cada um consiste em 60 gomas com 5 mg de CBD cada. Este produto é um pouco caro. No entanto, existem ingredientes adicionais. Por exemplo, a gama Calm inclui erva-cidreira e L-teanina. A opção Dormir apresenta 1,5 mg de melatonina por goma. Enquanto isso, as gomas Recovery incluem gengibre e açafrão.

Em todos os casos, o CBD vem da linhagem de Charlotte na Web. A marca afirma que usa um processo  para extrair o canabidiol da planta. As gomas também contêm outros canabinóides e terpenos, por isso é uma opção de espectro total. Embora os produtos da CW sejam caros, são de alta qualidade.

As três marcas descritas neste artigo estão entre as melhores do setor. Além de fornecer produtos comestíveis de CBD de qualidade, todos eles vendem alternativas de alto nível, como óleo, suco de vape e tópicos. Esse trio de empresas já conquistou uma reputação positiva em seu nicho, através de vários anos de serviço de alta qualidade.

O consumo de comestíveis de CBD no Brasil

O consumo de alimento com infusão de CBD no Brasil não é permitido por motivos óbvios: a proibição da cannabis, com o risco de ser preso simplesmente por cultivar uma planta. A pena para flagrante, pode levar de até 15 anos de prisão.

Para uso medicinal, somente mediante a autorização judicial e a importação só pode ser feita com a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O cultivo deve ser feito com autorização da justiça estadual, seguindo uma série de requisitos.

Referências:

  • Hightimes

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias