• 27 de junho de 2022

Prednisolona: O que é, Para que serve, Consumo, Efeitos e Contraindicações 

 Prednisolona: O que é, Para que serve, Consumo, Efeitos e Contraindicações 

Com certeza, você conhece diversos antiinflamatórios ou até faz o uso para alguma condição. Mas e sobre a prednisolona? Vamos conhecer um pouco sobre. 

A prednisona, também conhecida pelo seu nome comercial Meticorten, é um medicamento que pertence à classe dos glicocorticoides, um dos mais importante grupos farmacológicos da medicina por causa  da sua utilidade em dezenas de enfermidades diferentes.

Esse medicamento costuma ser utilizado no tratamento de doenças de origem inflamatória, mas  também é utilizado para reduzir o risco de rejeição nos pacientes que efetuaram algum transplante.

Está disponível na forma de comprimidos, suspensão oral ou gotas e pode ser comprado em farmácias, mediante a apresentação de receita médica.

Mas para que serve a Prednisolona?

Esse medicamento age como um anti-inflamatório e imunossupressor. Indicado para o tratamento de doenças em que ocorrem processos inflamatórios e autoimunes, tratamento de problemas endócrinos e associado a outros medicamentos para o tratamento de câncer. 

Sendo assim, a prednisolona está indicada nos seguintes casos:

  • Distúrbios endócrinos: O sistema imunológico do organismo ataca uma glândula endócrina (uma doença autoimune), o que diminui a produção hormonal; 
  • Reumatismo: Que afeta articulações, músculos e esqueleto, caracterizado por dores e restrições dos movimentos; 
  • Colagenoses: Um grupo de doenças auto-imunes e inflamatórias que prejudicam o tecido conjuntivo do corpo, que é o tecido formado por fibras, como o colágeno; 
  • Doenças de pele: Qualquer alteração da normalidade da pele, tudo aquilo que interfere no bem-estar do indivíduo; 
  • Alergias: Respostas inadequadas do sistema imunológico a uma substância que normalmente é inofensiva; 
  • Doenças oftálmicas: São problemas oftalmológicos provocados por inúmeros motivos, desde causas genéticas até a hábitos e estilos de vida; 
  • Doenças respiratórias: São doenças crônicas tanto das vias aéreas superiores como das inferiores. A maioria dessas doenças são preveníveis e incluem a asma, a rinite alérgica e a doença pulmonar obstrutiva crônica; 
  • Distúrbios do sangue: Fazem com que o número de células no sangue diminua.Uma diminuição do número de glóbulos vermelhos é chamada de anemia; 
  • Câncer: Abrange mais de 100 diferentes tipos de doenças malignas que têm em comum o crescimento desordenado de células, que podem invadir tecidos adjacentes ou órgãos a distância;

Além disso, a prednisolona pode ainda ser usada para o tratamento das exacerbações agudas da esclerose múltipla, para diminuir o inchaço e para a manutenção do paciente que sofre de colite ulcerativa e enterite regional.

Como tomar 

Quando se trata da dose da prednisolona, tudo depende da doença em questão e da sua gravidade.

Doses abaixo de 15 mg por dia apresentam um efeito anti-inflamatório, enquanto doses acima de 20 mg por dia começam a apresentar também ação imunossupressora (inibição do sistema imunológico). 

Quanto maior for a dose, maior será o seu efeito imunossupressor e anti-inflamatório.

A medida de consumo diária de prednisolona costuma variar entre 5 mg e 80 mg.

A dose de 60 mg por dia geralmente é mais utilizada quando se pretende ter uma ação imunossupressora. 

Já a dose de 5 mg a 10 mg costuma ser comum nos pacientes que precisam de tratamento anti-inflamatório por longos períodos, como os portadores de artrite reumatoide.

Como o pico de secreção do cortisol natural ocorre de manhã, o consumo da prednisolona costuma ser indicado nesse período do dia. 

Fazendo isso, pode aumentar a eficácia da droga e interferir menos com o ciclo natural do cortisol. 

Possíveis efeitos colaterais

A prednisolona pode causar alguns efeitos adversos, que variam desde problemas estéticos até o desenvolvimento de diabetes mellitus e infecções graves.

Tudo depende da dosagem e tempo, quanto maior for a dose e o tempo de tratamento, mais comuns e mais intensos serão os efeitos colaterais.

Os tratamentos por apenas 1 semana dificilmente provocam efeitos relevantes, mesmo em doses altas. Por outro lado, tratamentos com doses acima de 20 mg que duram mais de 3 semanas podem provocar ações indesejadas. 

O mesmo risco existe com os tratamentos que duram meses, mesmo quando as doses são baixas.

O risco de infecção é grande em pacientes que tomam 10 mg por dia ou mais de prednisolona por vários dias.

Este risco pode aumentar com doses acima de 40 mg por dia ou quando tem uma dose acumulada de 700 mg ao longo de todo o tratamento.

Entre os efeitos colaterais mais importantes do uso prolongado de prednisolona, podemos citar:

  • Ganho de peso;
  • Acúmulo de gordura na face e no tronco;
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial;
  • Manchas roxas na pele;
  • Estrias;
  • Catarata;
  • Glaucoma;
  • Elevação do colesterol;
  • Lesões musculares;
  • Fraturas ósseas;
  • Necrose da cabeça do fêmur;
  • Osteoporose;
  • Distúrbios do crescimento em crianças;
  • Psicose;
  • Depressão;
  • Aumento do risco de infecções;
  • Cicatrização deficiente;
  • Candidíase;
  • Retenção de líquidos;
  • Alterações menstruais;
  • Gastrite;
  • Úlcera péptica;
  • Esteatose hepática;
  • Pancreatite;
  • Infertilidade

A lista acima cita apenas alguns dos efeitos possíveis. Com isso podemos perceber que a prednisolona é um medicamento em que o uso deve ser muito bem indicado, caso contrário, há o risco do tratamento fazer mais mal do que bem.

Contraindicações

Este medicamento é contraindicado para pessoas com infecções fúngicas sistêmicas ou infecções não controladas e para pacientes com alergia à pednisolona ou a algum dos componentes da fórmula.

Além disso, este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas ou que estejam amamentando, a não ser que seja recomendado pelo médico.

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias