• 20 de maio de 2022

Por quanto tempo o THC pode permanecer no leite materno?

 Por quanto tempo o THC pode permanecer no leite materno?

O THC é a principal substância química intoxicante da cannabis. Ele pode permanecer no leite materno por até seis semanas após o uso da cannabis, de acordo com um novo estudo.

Publicado na jAMA Pediatrics, o estudo acompanhou 25 novas mães que tinham um histórico de uso da cannabis. No final, sete dessas mulheres se abstiveram de cannabis para os fins da pesquisa.

Depois de testar as amostras de leite, sangue e urina das mulheres, os pesquisadores descobriram que todas as participantes ainda tinham níveis detectáveis de THC em seu leite materno seis semanas após parar de consumir a cannabis. 

O teste em Colorado

Para obter suas descobertas, os pesquisadores primeiro recrutaram mulheres que tinham um histórico de uso de cannabis e que deram à luz a seus bebês no Childrens’s Hospital Colorado ou no University of Colorado Hospital, da UC entre novembro de 2016 e julho de 2019.  

No total, 394 mulheres foram examinadas. 25 foram inscritas e 7 conseguiram se abster de cannabis durante o estudo. 

Essas participantes forneceram amostras de plasma e leite materno para os pesquisadores duas a cinco vezes por semana para análise de espectrometria de massa em tandem por cromatografia líquida de alto desempenho.

Todas as 25 participantes tinham níveis de THC detectados em seu leite materno durante o estudo.

Entre as sete mulheres que se abstiveram por mais de cinco semanas, a duração do THC no leite materno era em média de 17 dias, o que significa que o composto ainda estava presente em níveis significativos no leite além de seis semanas.

“Este estudo forneceu também um visão inestimável sobre o tempo que uma mulher leva para metabolizar o THC em seu corpo após o nascimento da criança”, disse Maya Bunik, professora de pediatria da Faculdade de Medicina da CU e diretora médica do Children’s Hospital Colorado, em uma afirmação ao site Analytical Cannabis.

Bunik e seus colegas também descobriram que as concentrações de THC nas amostras de leite tendiam a aumentar durante as primeiras duas semanas do estudo, diminuindo nas semanas seguintes. 

De acordo com sua equipe, esse fenômeno pode ser atribuído à mudança na composição da gordura no leite materno no início do período pós-natal, ao metabolismo individual dos participantes e as diferenças em suas taxas de consumo de cannabis, que o estudo não levou em conta.

Este último fator e o número escasso de participantes envolvidos no estudo que podem limitar a confiabilidade de suas conclusões. Mas Bunik e seus colegas ainda estão confiantes de que seus resultados podem ajudar em futuras orientações maternas sobre o uso da cannabis.

Cannabis e gravidez 

Embora poucos estudos tenham investigado como o THC pode impactar o leite materno, o Children’s Hospital Colorado é supostamente o primeiro a examinar o tópico desde 1982, muitos outros estudos recentes destacaram preocupações em torno do uso de cannabis pré-natal, fertilidade e resultados do nascimento.

Um estudo publicado recentemente na Human Reproduction descobriu que o uso da cannabis parece reduzir as chances de uma gravidez bem-sucedida nas participantes, especialmente entre mulheres que já haviam perdido seus bebês durante a gravidez.

“Essas descobertas destacam os riscos potenciais sobre fecundabilidade entre mulheres tentando engravidar com histórico de perda de gravidez e a necessidade de evidências ampliadas sobre os efeitos do uso de cannabis na saúde reprodutiva no atual clima de legalização“, relata o Dr.Sunni Mumford, investigador do National Institutos de saúde e principal  pesquisador deste estudo. 

Outro estudo publicado no ano passado no Medical Journal of Austrália descobriu que aquelas que continuaram a consumir cannabis depois de 15 semanas de gravidez eram mais propensas a dar à luz bebês com peso ao nascer mais baixo e perímetro cefálico mais curto. 

E outro estudo recente descobriu que, quando expostas ao THC, tinham uma probabilidade significativamente menor de resultar em uma gravidez viável.

Ficou curioso e quer saber mais sobre o uso da cannabis e o período de gravidez? Clique aqui.

Referência

  • Analytical Cannabis

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias