• 28 de junho de 2022

Partido australiano “Legalize Cannabis” tem campanha eleitoral bem-sucedida

 Partido australiano “Legalize Cannabis” tem campanha eleitoral bem-sucedida

O partido de foco único recebeu entre 2% e 7% dos votos do Senado na maioria dos estados e por pouco não conseguiu um assento em Queensland. 

O Partido Legalize Cannabis, anteriormente conhecido como Help End Marijuana Prohibition (HEMP), mostrou resultados surpreendentemente fortes nas eleições para o Senado australiano nesta semana. 

Embora tenha perdido por pouco um assento no Senado em Queensland, onde teve o melhor desempenho (e há o maior número de adeptos), o grupo obteve ganhos e aumentou seu sucesso no ano passado quando conquistou dois assentos na Câmara. 

O partido

O Legalize Cannabis defende a “reforma positiva das políticas relacionadas à cannabis para fins medicinais e adultos” desde o final da década de 1990.

Eles já têm a experiência necessária para conduzir uma campanha de base inteligente – o que valeu a pena este ano. 

Cannabis e Austrália

Mas será que esse sucesso nas urnas significa que a Austrália está pronta para legalizar a cannabis durante o mandato de Anthony Albanese, 31° ministro do país?

Legalize Cannabis

Muitos não têm tanta certeza disso – ressaltando que, apesar do aumento no apoio nos últimos anos, há outros fatores em jogo. 

Em 2019, apesar de uma ligeira vantagem pró-cannabis nas pesquisas nacionais, 78% dos entrevistados disseram que não usariam a planta mesmo que fosse legal. 

Um cenário semelhante ocorreu nas eleições de 2020 na Nova Zelândia, quando a pauta da legalização da cannabis também estava em votação. 

Etapas

É fácil esquecer, principalmente quando se está dentro da bolha, que muitos assuntos básicos relacionados à cannabis ainda são estranhos para quem está fora dela. 

Apesar de um número cada vez maior de pessoas curiosas com o tema, a maré não mudou nem mesmo em países como Estados Unidos e Alemanha – possivelmente os dois países mais próximos de uma reforma federal completa. 

Muitos legisladores querem mais evidências para respaldar seu apoio – geralmente pedindo mais estudos ou uma abordagem gradual que comece com a “reforma médica” primeiro. Isso estabelece uma infraestrutura da indústria (Alemanha como o principal exemplo disso). 

O problema (particularmente na Europa) é que isso não resolve os problemas enfrentados pelos pacientes – desde a acessibilidade à descriminalização da posse.

Arthur Pomares

Jornalista e produtor de conteúdo da Cannalize. Apaixonado por café, futebol e boa música. Axé.

Mais Notícias