• 26 de junho de 2022

O impacto da pandemia do COVID-19 no setor CBD

 O impacto da pandemia do COVID-19 no setor CBD

Nos últimos meses, Ben Kohler, chefe de vendas no Reino Unido, têm avaliado o impacto que a pandemia causou no setor de canabidiol.

Com a indústria de cannabis relativamente jovem e em expansão, muitas empresas ainda não estão utilizando os serviços financeiros tradicionais como outros setores normalmente fazem.

As taxas de câmbio (preço de uma moeda estrangeira em relação ao valor que a moeda nacional tem) são consideradas um importante custo de produção para qualquer um que opere internacionalmente na indústria de CBD. Principalmente para aqueles que estão no Reino Unido e precisam importar óleo de cânhamo, isolado ou óleo MCT (suplemento para atividades intensas e perda de peso) da Europa, ou dos EUA.

Diante desse cenário, as empresas podem ter em um grande aumento nos custos se a sua moeda cair, comparado a moeda usada pelos países onde fazem suas compras.

Existem os mesmos riscos para os que estão está vendendo internacionalmente. Se os movimentos no mercado fizeram com que a moeda do local em que o produto está sendo vendido suba, o fornecedor receberá menos moeda base ao fazer cada venda.

Em alguns casos, isso pode ser uma diferença mínima de alguns milhares de libras, mas se não for feita uma mudança grande nas taxas de câmbio, pode ocorrer perdas para os negócios, prejudicando o fluxo de caixa das empresas.

Como funciona o mercado de cannabis

Além dessa, existem outras grandes dificuldades que a comunidade de cannabis enfrenta, que é o fato de não conseguir abrir contas bancárias internacionais.

Geralmente, as empresas de cannabis enfrentam muitas análises do ponto de vista de conformidade e são obrigadas a fornecer diversos documentos comerciais ao decidir abrir novas contas bancárias. Isso torna as coisas mais difíceis ao tentar implementar uma solução internacional de bancos e pagamentos.

Para as empresas do setor, é vantajoso usar organizações de serviços financeiros com maior alcance internacional, que podem ser não necessariamente o banco, mas também os corretores de câmbio.

Essas empresas de câmbio costumam simplificar as coisas mais do que a maioria dos bancos e podem atuar como uma conta multimoeda para o negócio, erradicando as cobranças de transações e tornando os pagamentos internacionais mais fáceis de efetuar.

Variações

Trabalhar com um especialista em câmbio pode ser considerado um benefício adicional, pois, eles têm a capacidade de agir com seus olhos e ouvidos no mercado de moedas. É quase impossível prever totalmente os comportamentos nas taxas de câmbio e como eles se moverão, mas pelo menos entender o que os influencia pode ajudar no planejamento para manter as finanças da empresa segura.

Alguns fatores como eventos políticos e dados econômicos contribuem de forma constante para os movimentos do mercado, como também para oferta e demanda de diferentes moedas. Apesar de as empresas observarem esses fatores e planejar adequadamente, como vimos com a pandemia de coronavírus, situações inesperadas podem ocorrer e ter um grande impacto.

COVID-19 e gerenciamento de riscos

No início da pandemia houve um aumento de investidores que se mobilizaram para colocar seus fundos nas moedas consideradas “porto seguro”, o que causou grandes oscilações no mercado.

A velocidade dessas variações nas taxas de câmbio era algo que muitos corretores do meio nunca haviam vivenciado antes, com as moedas de refúgios seguros subindo cerca de 10% em apenas duas semanas. Com isso, as empresas do Reino Unido que compram dólares americanos viram seus custos aumentarem em 10%.

Sem dúvidas, uma pandemia mundial não é algo para o qual a maioria das empresas havia colocado em seu orçamento, mas aqueles que tinham uma estratégia de gerenciamento de riscos em vigor havia garantido sua moeda estrangeira durante o ano.

Essa garantia pode ser feita através do uso de um contrato ou termo, que permite o usuário a travar taxas de câmbio favoráveis ​​e pagar parcelas de um ano em moeda. Isso não somente gera mais segurança financeira, como também diminui o risco de os lucros serem prejudicados pelas flutuações do mercado: algo que muitas empresas sofrerão nos próximos meses devido ao surto de coronavírus.

Como será daqui para frente?

Olhando para o resto de 2020, com certeza ainda não estamos fora de perigo do ponto de vista da COVID-19. Isso quer dizer que agora é mais que necessário adquirir uma estratégia de gerenciamento de riscos o mais rápido possível, com a intenção de deixar as empresas pelo menos um pouco protegidas.

O próprio CBD é um setor de localização exclusiva; e por causa da regulamentação, pode ser mais difícil para as empresas de cannabis encontrar um provedor de pagamento internacional.

Contudo, com base nos riscos referentes ao câmbio, ter um especialista ao lado pode ser muito benéfico, principalmente aquele que pode oferecer muito mais do que uma economia de custos única, mas que acompanhará o mercado da empresa, atualizando sempre a empresa sobre as mudanças e se pode afetar positivamente ou negativamente.

Referências

  • Health Europa

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias