• 25 de junho de 2022

Luto: O que é, Sentimentos, Importância, Como lidar e Reflexão

 Luto: O que é, Sentimentos, Importância, Como lidar e Reflexão

A perda de um parente, amigo ou conhecido na maioria causa um impacto em todos nós, nos deixando tristes e com saudades. Geralmente em momentos assim, dizemos que estamos de luto devido a perda. Mas você já se perguntou alguma vez qual é o significado real de luto?

O luto e a perda andam lado a lado, pois ele é uma resposta esperada e natural que temos ao sofrermos uma perdermos algo ou alguém muito importante. 

Essa perda não está somente associada à morte, mas  também pode ser uma separação, desemprego, mudança de cidade, perda de um animalzinho ou objeto com um grande significado emocional.

Essas situações podem nos desestabilizar totalmente e precisamos encontrar um novo norte, pois nunca estamos preparados para isso, mesmo sabendo que é a qualquer momento pode acontecer. 

Sendo assim, é preciso uma readaptação à nova realidade, o que sem dúvidas é um grande desafio para muitos, pois estamos vulneráveis, paralisados e muito frágeis.

Se você já passou por algum momento de perda, já deve saber que ela produz em nós dor e muita reflexão!

Embora a dor seja muito intensa, ela é necessária para aquele momento.

No caso do luto, ele é singular e único, e com isso não tem um período estipulado para terminar e nem um roteiro a ser cumprido.

Quando somos intensamente consumidos por nele, entramos em um processo de mudança pessoal, pois a despedida de situações, momentos ou pessoas, inevitavelmente nos transformam.

Quais são os principais sentimentos causados pelo luto?

Como citamos acima, existem diversas formas de perdas, que ocorrem com inúmeros tipos de pessoas. Sendo assim podemos sentir e reagir ao luto de diversas formas, isto é, intelectualmente, emocionalmente, fisicamente e espiritualmente.

Mas de forma geral, o luto pode gerar os seguintes sentimentos: 

  • Tristeza;
  • Culpa;
  • Raiva;
  • Ansiedade;
  • Solidão;
  • Fadiga;
  • Fraqueza;
  • Déficit na memória;
  • Alteração no apetite;
  • Aumento ou perda da fé;
  • Isolamento e sentimento de não merecimento daquela dor.

Em momentos assim, o mundo, antes seguro e ordenado, é visto como injusto e incontrolável.

Basicamente, as nossas reações durante o período de luto estão diretamente ligadas ao grau de importância, vínculo e relacionamento que tínhamos com o que ou quem foi embora. 

Além disso, depende também se a perda foi súbita ou gradativa.

O luto é eterno?

Antes de tudo, vale ressaltar que o luto não é uma doença ou síndrome, nem mesmo sinônimo de vida desestruturada.

Infelizmente, ainda existem muitos paradigmas de que pessoas que estão de luto tendem a ser doentes ou ter algum distúrbio, simplesmente por estar passando pela dor da perda.

Claro que, em momentos de lutas, pessoas que sofrem de ansiedade, depressão, pânico e entre outras condições, podem sim ter uma recaída, mas isso não significa que o luto é uma doença.

A verdade é que cada caso apresenta particularidades, mas de maneira geral, ele não permanece por toda nossa trajetória.

Como lidar com o luto?

Como foi dito, o luto se trata de uma particularidade.Tudo vai depender de cada história, cada relação, cada impacto vivido com essa perda.

Mas de uma forma geral podemos dizer que para lidar com essa perda tão significativa é preciso respeito,muito respeito e de si mesmo com sua dor, momento e sentimentos, assim como por parte dos outros, sem nenhum julgamento.

A maior forma de expressão dos sentimentos é o choro, o que é muito comum entre nós.

Não há porque segurar, chorar é importante e não tem porque ter vergonha ou medo.

 

Se a pessoa quer falar sobre sua perda, relembrar os momentos bons e assumir a saudade e a dor que sente, está tudo bem.

Verbalizar dá espaço para esvaziar os sentimentos e entrar em contato com eles. Muitos dizem por aí, como: “ não chore, não fale disso, não fique triste” , como se fosse errado demonstrar fraqueza e dor.

O importante é não ter pressa, a nossa mente sempre estará tentando se adaptar a situação de ausência e tentando redirecionar a fonte se segurança e aconchego para outras referências em nossa vida e isso leva tempo.

Reflexão 

Vivemos uma vida cada vez mais agitada e cheia de surpresas, ganhamos e perdemos o tempo todo e isso é normal.

Assim como se sentir feliz pela presença e triste pela ausência também é normal.

Em casos de perdas e separações de pessoas, precisamos lembrar que parte delas, o que aprendemos e sentimos, está em nós e no que nos tornamos.


O que todos nós precisamos aprender é que quando precisamos nos despedir de alguém, não estamos nos despedindo do que ela representa e significa para nós. 

Aceitar não significa esquecer e sim ter a pessoa dentro de nós, mesmo sendo um processo demorado e dolorido.

E lembre-se, não precisamos passar por esses momentos sozinhos!

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias