• 28 de junho de 2022

Grupo de defesa da cannabis faz parceria com um dos principais centros de HIV do Canadá

 Grupo de defesa da cannabis faz parceria com um dos principais centros de HIV do Canadá

O universo canábico já é interessante por si só, e quando se abre para novas oportunidades e parcerias se torna mais atraente e cativante. Assim tem sido no Canadá.

No ano passado, Cristina Michael, fundadora e CEO da varejista independente Marigolds Cannabis, com sede em Vancouver, começou a fazer um plano para abordar o centro Dr.Peter sobre a formação  de uma possível parceria. 

Desde 1997, o centro Dr.Peter tem fornecido cuidados com aqueles que vivem com HIV / AIDS com uma ampla gama de apoios clínicos, iniciativas de redução de danos e outros serviços de apoio. 

Em 2002, o centro ganhou as manchetes ao se tornar a primeira unidade de saúde da América do Norte a incluir o consumo supervisionado em seu modelo de atendimento.

Foi o número um na lista de organizações que eu queria abordar, disse Michael, que abriu a Marigolds em Outubro de 2020, ao site The GrowthOp.

Eu me alinhei muito bem com a forma como eles abordam seu trabalho e defesa. acrescentou a empresária.

Então, em Agosto de 2020, Cristina Michael disse que ela enviou um e-mail para a instalação e apresentou a eles uma nova iniciativa liderada por mulheres chamada de Cannabis For Harm Reduction (CFHR).

Nós decidimos que não queremos nenhum chefe. E o que incorporamos são nossos quatro pilares: inclusão, colaboração, educação e comunidade.” disse ela.

Não demorou muito até que Scott Elliott, o diretor executivo do centro Dr.Peter, escreveu de volta. Ele estava interessado. 

Você é a primeira pessoa do universo canábico a se aproximar de nós” relatou Michael. 

O grupo começou a crescer. Sua primeira iniciativa pública foi uma campanha de roupas de inverno em dezembro. 

A CFHR conseguiu através de duas redes sociais os contatos de indústria canábica e perguntou sobre as roupas que estavam se acumulando nos depósitos em todo o país.

Vivian Dang, líder de comunicação do centro Dr.Peter , disse que ter acesso às necessidades básicas como roupas quentes, é uma parte essencial da redução de prejuízo.

Isso se estende além do uso seguro de substâncias, comidas, medicamentos, moradia, acesso a necessidades básicas como chuveiros, lençóis, meias, coisas assim”, disse Dang. 

Com as feiras em espera, Michael sabia que havia um excedente de mercadorias crescendo. 

Nós dissemos: Sabemos que você tem muitas coisas que não utiliza e que estão em boas condições,  um monte de coisas que precisa se livrar, doe isso para nós, porque não podemos aceitar roupas usadas durante a pandemia da COVID-19 e precisamos manter as pessoas aquecidas, disse Michael. 

Os caminhões de mercadoria estavam a caminho. Durante uma entrevista ao site The GrowthOp no início deste mês, Michael disse que o CFHR coletou mais de 8 mil libras de roupas, incluindo mais de 3 mil moletons da Canopy Growth.  

Ao todo, o grupo coletou cerca de 10 mil novas roupas e itens auxiliares e os distribuirá para o centro Dr.Peter e suas instituições e organizações de atendimento em todo o país.

Qual o próximo passo?

O próximo objetivo é estabelecer um programa piloto para melhorar o acesso à cannabis medicinal. Michael estima que a maioria dos participantes consomem cannabis medicinal, mas o acesso legal é um desafio. 

O CFHR está recentemente coletando doações para comprar cartões-presente que podem ser usados em varejistas de cannabis licenciados e fornecedores médicos. 

O grupo irá distribuir os cartões no centro Dr.Peter e em outros lugares do Canadá. 

Michael espera que a iniciativa possa ser lançada neste trimestre e ajudar a quebrar a dependência sobre a fonte de cannabis de fornecedores não licenciados

“O dinheiro simplesmente volta para a indústria e temos um processo cíclico de poder fornecer cannabis medicinal regulamentada e recreativa para aqueles que precisam dela diretamente, sem que tenham que gastar seu próprio dinheiro”, diz ela. 

Eventualmente, o CFHR espera ser capaz de fornecer cannabis medicinal por meio de máquinas biométricas.

Em 2019, a Dispersion Industries, com sede em Nova Scotia, lançou seu projeto piloto MySafe no Downtown Eastside de Vancouver. 

A máquina, que se parece com uma caixa eletrônico, foi o primeiro quiosque de distribuição de opióides do mundo e faz a varredura da palma da mão do usuário para registrar sua identidade.

Em agosto do ano passado, a Dispension anunciou que mais cinco máquinas estavam a caminho de Vancouver, Victoria, Dartmouth, NS e Londres, Ontário.

Outros dispositivos semelhantes que estão abastecidos com cannabis, já estão sendo usados ​​nos Estados Unidos, mas os obstáculos regulatórios permanecem no Canadá, pois dispositivos de distribuição e exibição de autoatendimento são proibidos pela Lei da Cannabis .

Cristina Michael diz que a cannabis medicinal ficou em segundo plano desde que a cannabis recreativa veio à tona, mas o CFHR é uma oportunidade para ajudar a corrigir isso e conectar os pacientes aos recursos médicos necessários e ir além.

“Há tantas pessoas sofrendo e não há educação suficiente”, disse ela. 

“Eu acho que se trouxermos esse elemento humano pro nosso meio, e as pessoas realmente virem que consumir cannabis não é tão assustador.

Essas são coisas em que realmente precisamos nos concentrar.” acrescentou a empresária. 

Referências

  • The Growth Op

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias