• 24 de setembro de 2021

Estudo analisa a possível relação entre cannabis e infarto

 Estudo analisa a possível relação entre cannabis e infarto

Foto: Getty Images

Embora sem apontar uma causa, a pesquisa deduz que o uso frequente da cannabis pode até dobrar as chances de infarto.

De acordo com um novo estudo publicado pela Canadian Medical Association Journal (CMAJ), a maconha pode dobrar as chances de infarto antes dos 45 anos, principalmente em usuários frequentes. 

A pesquisa considerou também o método utilizado, e concluiu que tanto no uso fumado, vaporizado ou comestível pode influenciar as chances de ter a condição. 

Os cientistas da Unity Health Toronto analisaram casos de mais de 33 mil pessoas com idades entre 18 a 44 anos. Os dados foram coletados de um levantamento feito pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) entre os anos de 2017 e 2018.

Foto: Getty Images

Fatores de risco como cigarros e o consumo de álcool também foram considerados e ajustados na análise. Contudo, a prevalência entre consumidores da cannabis ainda era alta.

Contudo, o estudo não conseguiu identificar qual o fator que influenciou os dados, por isso mais pesquisas precisam ser feitas. 

Outros estudos relacionados ao coração

A American Heart Association, entidade voltada à saúde cardiovascular dos Estados Unidos, divulgou uma declaração dizendo que fumar maconha ou inalar cannabis pode fazer mal para o coração.

A nota foi difundida em agosto de 2020, e acrescenta que a maconha pode prejudicar também os pulmões e vasos sanguíneos.

Um dos médicos que participou do comunicado, Robert Page II acrescenta na nota ainda que o seu uso pode desencadear condições cardiovasculares, como ataque cardíaco e derrame.

Outro ponto destacado foi o de que a maconha tem o potencial de interferir em medicações voltadas a problemas cardíacos.

Contudo é importante destacar também que não há evidências de que a cannabis, mesmo na forma de maconha possa piorar os quadros de hipertensão, por exemplo.

Pelo menos foi o que disse um estudo publicado em 2016 no Journal of Hypertension, que não observou nenhuma associação entre a pressão alta e a utilização da maconha que prejudicasse o paciente.

Ajuda ou atrapalha?

 Por outro lado, há estudos que também dizem que é possível tratar doenças do coração com a planta.  

Um estudo publicado em um jornal de cardiologia mostrou que a cannabis pode ajudar pessoas com problemas Fibrilação Atrial. A doença é caracterizada pelos batimentos cardíacos irregulares.  

Foto: Alan Pina

A pesquisa feita em 2017 analisou os dados de 24 mil pacientes com insuficiência cardíaca, mas que eram usuários de cannabis em um período de sete anos.

Eles compararam a mortalidade e o tempo de estadia no hospital das pessoas que utilizavam a planta e as que não utilizavam.

As conclusões foram que pacientes com insuficiência cardíaca, que assumiram fazer o uso da cannabis, eram menos propensos a morrer no hospital por causa da doença.

O tempo de internação do grupo também era menor. Por isso, as chances da Fibrilação Atrial se manifestar eram menores.

Outra pesquisa sobre a cannabis e o coração também está sendo feita no Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP).

Aqui o objeto de estudo é sobre o uso do Canabidiol (CBD) em tratamentos de insuficiência cardíaca.

O objetivo da pesquisa é melhorar tanto a saúde clínica quanto psíquica dos 105 pacientes do instituto, que serão acompanhados por dois anos.

Tainara Cavalcante

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias