• 16 de agosto de 2022

E se a cannabis não precisasse de prescrição médica?

 E se a cannabis não precisasse de prescrição médica?

Foto: Freepik

A medida foi aprovada em Washington e dará autonomia para os pacientes que precisam da cannabis medicinal. No Brasil, a receita médica ainda é um requisito necessário.

Na semana passada (6), a cidade de Washington DC, nos Estados Unidos, aprovou uma lei de emergência que permite a compra de cannabis medicinal para maiores de 21 anos sem receita médica. 

A medida havia passado uma semana antes pelo conselho distrital e foi aprovada com unanimidade. 

Agora, os pacientes que precisam do óleo ou algum outro tipo de produto feito com a planta, podem comprar diretamente nas farmácias, sem a necessidade de passar por um médico. 

Foto: Freepik

Leia também: Por que as amostras grátis são proibidas?

Projeto de lei derrubado

Em 2014, quando Washington criou uma legislação para o  uso medicinal, ela permitiu a posse, o cultivo e a doação pessoal, mas tudo tinha que ser feito com prescrição médica. 

Uma proposta de lei sobre o assunto foi derrubada ainda em abril no plenário. Mas a rejeição foi motivada porque permitia empresas não licenciadas a “presentear” com cannabis. 

Contudo, a medida não passou na nova lei promulgada.

E no Brasil?

Aqui, a cannabis ainda só pode ser adquirida com receita médica. Se o paciente optar por comprar nas farmácias, ele ainda vai precisar de uma receita azul ou amarela, dependendo do produto.

Já se a pessoa optar pela importação, além da receita ela também precisará de uma autorização excepcional da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

E se não precisasse de receita médica?

Apesar do uso medicinal, boa parte dos Estados Unidos e até outros países como Portugual, a cannabis é vendida como um suplemento, ou seja, pode ser comprada em qualquer lugar.

Por outro lado, de acordo com a médica de esportes, Jéssica Durand, a terapia canábica é específica para cada paciente e deve ser acompanhada por um médico.

“Apesar da cannabis ajudar pessoas que não tem patologias, como a melhora do bem estar e desempenho nos esportes, eles têm efeitos colaterais. As dosagens também são muito individualizadas.”

Ela acrescenta que a compra sem receita pode levar a um consumo excessivo que pode ser danoso e pode aumentar os efeitos colaterais, principalmente de compostos que tenham Tetrahidrocanabinol (THC), componente que gera os efeitos da maconha.

Por isso, consultar um médico é tão importante. Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar em todo o processo para encontrar um tratamento ideal. Clique aqui.

 

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias