• 25 de junho de 2022

Cultivo de cannabis utiliza menos água do que se pensava, diz estudo

 Cultivo de cannabis utiliza menos água do que se pensava, diz estudo

Marijuana in rain. Legalize it.

Estudo revela que o consumo de água não é algo com que se preocupar em plantações de cannabis.

Um relatório do Centro de Pesquisa de Cannabis Berkeley, da Universidade da Califórnia, constatou que os hubs licenciados de cultivo de cannabis usam menos água do que se pensava anteriormente.

Os pesquisadores do centro acadêmico começaram a estudar o uso de água pelos produtores de cannabis em 2017, após a legalização da maconha recreativa na Califórnia em 2016.

Estudo

Os dados foram coletados de relatórios sobre o uso de água por produtores licenciados de cannabis e de pesquisas anônimas de agricultores.

A pesquisa observou que os agricultores de cannabis estão irrigando suas plantações com água de várias fontes, incluindo córregos, poços, água da chuva captada, nascentes e da rede fluvial municipal. 

Os pesquisadores descobriram que a maioria dos hubs de cannabis regulamentados usam água de poços subterrâneos.

“Há uma preocupação crescente com os impactos das fazendas de cannabis no meio ambiente e nos recursos hídricos em particular, mas os dados sobre práticas de cultivo e padrões de uso da água têm sido limitados”, escreveram os autores do estudo, e acrescentaram: 

“O estudo atual usa dados relatados por inscritos no Programa de Cannabis do Conselho Regional de Controle de Qualidade da Água da Costa Norte da Califórnia. O objetivo é entender como a variação nas práticas de cultivo e o uso da água armazenada afetam o tempo e a quantidade de água extraída do meio ambiente”.

Cultivo

Van Butsic e Ted Grantham, codiretores do Centro de Pesquisa de Cannabis e membros adjuntos do Instituto de Políticas Públicas do Centro de Políticas de Água da Califórnia, disseram à mídia local que o estudo “não descobriu que a cannabis é “sedenta” em relação a outras culturas”. 

“A produção legal ao ar livre usa aproximadamente a mesma quantidade de água que uma plantação de tomate”, disse Bustic.

Natalynne DeLapp, diretora executiva da Humboldt County Growers Alliance, observou que o tamanho médio de uma fazenda de cannabis no condado de Humboldt é de cerca de 2 mil metros quadrados.

Comparação com outras plantações

Destaca que a maioria das fazendas para outros produtos agrícolas pode cobrir uma área de cem a mil vezes maior. 

De Lapp diz que, pegando todos os dados, uma fazenda de amêndoas utiliza 33 vezes mais água do que todas as fazendas de cannabis Humboldt juntas. 

Ela comparou o quanto um único galão de água pode produzir em valor: 

“Para outras culturas como tomate, alface ou amêndoas, um galão de água produz entre um décimo de centavo a dois centavos de valor em rendimento. Para a cannabis, um galão de água produz quase US $7 em valor. 

Nesse sentido, a cannabis é de longe o produto agrícola mais eficiente em termos de água na Califórnia.”

Os dados do estudo dizem tudo

Hezekiah Allen, diretor de educação do hub medicinal autorizado em Sacramento, o Therapeutic Alternative, trabalhou na indústria de cannabis da Califórnia quase toda a vida e esteve diretamente envolvido na política de cannabis na última década.

Ele diz que o estudo da UC Berkeley é um “Eu avisei”. 

“Embora os impactos ambientais da cannabis não regulamentada sejam significativos e graves na Califórnia, a conversa há muito é atormentada pela falta de dados e dados ruins com base no estigma proibicionista”. 

Allen comenta sobre a importância do relatório, muito por conta de ser um estudo sério e realista sobre os impactos da irrigação da cannabis.

“É facilmente perceptível que o cultivo de cannabis é uma colheita de água leve. Mas, mesmo assim, a dependência de águas subterrâneas hidrologicamente conectadas é uma ameaça real ao habitat aquático de terra firme, sensível e ameaçado.”

Tom Wheeler, diretor executivo do Centro de Informações de Proteção Ambiental, disse que, embora esteja preocupado com o impacto que o uso de água de poço terá nas nascentes e nos fluxos de água de superfície, no geral, “o modelo da cannabis é bom”.

“Não quer dizer que não haja problemas potenciais com a produção de cannabis e uso de água”, disse Wheeler. 

“Acho que a indústria, em geral, fez um trabalho melhor em descobrir como usar um recurso mais limitado e precioso do que outras formas de agricultura. Espero que a cannabis seja o primeiro passo para melhores regulamentações de outras formas de agricultura.”

 

  

 

Arthur Pomares

Jornalista e produtor de conteúdo da Cannalize. Apaixonado por café, futebol e boa música. Axé.

Mais Notícias