• 19 de outubro de 2020

Como obter óleo de cannabis: passo a passo

 Como obter óleo de cannabis: passo a passo

Nós fizemos um guia que vai te ajudar a tomar o rumo certo quando for seguir o tratamento com o fitofarmacêutico

Você já deve ter ouvido falar dos benefícios da cannabis medicinal para o tratamento de várias doenças, já que está lendo este artigo. 

Por isso, decidimos esclarecer todas as suas dúvidas na hora de comprar um medicamento à base da planta.

A cannabis ainda é muito restrita no Brasil, por isso, a receita médica e o histórico da doença é fundamental. Com os documentos todos completos, a compra é bastante prática.

Ela pode ser feita de três maneiras:

  1. Através da importação, seguindo uma série de requisitos
  2. Associações que auxiliam e disponibilizam o produto
  3. Farmácias, com prescrição médica

É importante lembrar que cada organismo reage de uma forma diferente, por isso, pode levar um tempo até você encontrar o canabinóide e a dosagem correta para o seu corpo. 

Hoje, há alguns testes no Brasil que auxiliam neste processo, mas podem ser um pouco caros. Veja mais sobre eles aqui.

Prescrição médica

Antes de tudo, fale com um médico. Medicamentos à base de cannabis só podem ser vendidos por meio de uma receita médica e o laudo do paciente. 

Hoje em dia, há médicos especializados em cannabis que são os mais indicados para prescrever, mas é possível conversar sobre isso com o seu especialista também.

No entanto, é válido ressaltar que o profissional é responsável por receitar a marca exata do medicamento. Isso porque as variações dos chamados canabinóides existentes na planta, não na mesma quantidade em cada produto, eles variam de acordo com a necessidade do paciente.

Lembrando que, mesmo que qualquer médico possa receitar de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para o Conselho Federal de Medicinal (CFM) apenas neurologistas, neuropediatras e psiquiatras podem recomendar a planta.

No Brasil, a cannabis medicinal é lícita, no entanto, apenas quando nenhum outro tratamento funcione. Por isso, o médico precisa declarar por escrito que a cannabis é a última opção, ou então que os tratamentos convencionais têm reações adversas muito incômodas.

Os medicamentos receitados poderão ser com menos de 0,2% de THC, a substância que causa efeitos alucinógenos, ou com uma quantidade maior do elemento. Dependendo do tipo, a receita será diferente, assim como alguns trâmites, como a compra. Produtos com um teor maior do elemento só são encontrados fora do país.

Autorização da Anvisa

No Brasil, apenas um medicamento à base de canabidiol (CBD) foi autorizado. Por isso, os pacientes que precisam de uma dose extra de THC ou até mesmo um outro produto de CBD, devem importar. E para isso, é necessária uma autorização excepcional concedida pela Anvisa.

Para obter a autorização excepcional é necessário fazer um cadastro no site da agência, segundo o órgão, a análise demora em média 10 dias.

O cadastro deverá seguir em anexo:

O laudo. Ele deve conter a descrição do caso, o CID da doença, histórico dos tratamentos anteriores e uma descrição completa sobre a necessidade de comprar um remédio que não está registrado pela Anvisa.

A prescrição médica. Aqui a receita deve ser completa e detalhada, contendo o nome do paciente, o produto, a dosagem, a quantidade, o tempo de tratamento, a data e também assinatura, número do registro profissional e carimbo do médico.

Declaração de Responsabilidade. O paciente e o médico precisam escrever um termo de responsabilidade e esclarecimento sobre a cannabis medicinal, com data, local e o carimbo do profissional de saúde.

As alterações devem ser feitas como um novo cadastro.

Ela é válida por um ano, por isso, é preciso ficar atento e renova-la, caso precise importar novamente. Para conseguir uma nova autorização, todo o processo burocrático precisa ser feito novamente, no entanto, com algumas modificações, como:

  •         Laudo com a evolução de caso;
  •         Uma nova receita;
  •         Um novo termo de responsabilidade.

Importação

Caso o produto não esteja disponível no país, você pode entrar em contato diretamente com a importadora do óleo de cannabis, que vai te auxiliar em todo o processo. Há casos em que a empresa também ajuda na autorização com a Anvisa, mas não é regra.

É comum que o próprio médico prescritor indique uma importadora. O produto chega diretamente na residência do paciente que já pode fazer o uso.

Associações

Associações em todo o Brasil ajudam pacientes com os trâmites, tanto para processos de importação quanto para a compra do produto nacional. Há entidades que também promovem compras coletivas, para o medicamento ficar mais barato.

Apenas a Abrace tinha o direito de plantar cannabis para os seus associados. Mas depois da decisão da Alerj no Rio de Janeiro, associações do estado também poderão cultivar a planta. A Apepi, por exemplo, já venceu uma liminar.

Farmácias

O Brasil tem hoje, apenas um produto à base de canabidiol aprovado para a venda em farmácias. Ele foi licenciado em abril, depois de um mês da lei ter entrado em vigor. No entanto, ele é bastante caro, custa mais de dois mil reais.

Porém ele é mais fácil e mais rápido de comprar, basta ter a receita médica para obter em qualquer farmácia.

A expectativa, é que com a nova resolução, mais farmacêuticas comecem a vender produtos à base de CBD nas drogarias. 

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias