• 20 de outubro de 2020

Como nosso corpo metaboliza a cannabis

 Como nosso corpo metaboliza a cannabis

Metabolismo de medicamentos refere-se a todo o processo de transformação e conversão das indicações de uma forma química em outra, desde o momento em que entram em nosso corpo até serem eliminadas. Mas como isso funciona quando se trata da cannabis? Vamos entender melhor.

Às vezes as pessoas chamam o processo de metabolismo de “decomposição” de substâncias químicas em seu corpo, mas na maioria dos casos o metabolismo realmente faz o oposto, adicionando mais moléculas para a estrutura química. Acontece que geralmente, quanto maior o produto químico se torna, mais fácil é eliminar do seu sistema.

Então como funciona este processo? Em geral, o metabolismo ocorre principalmente no fígado, devido a presença de uma grande quantidade de diferentes enzimas. Mas não ocorre exclusivamente no órgão, a metabolização de medicamentos pode acontecer em todos os tecidos biológicos presente no corpo humano. 

Ainda assim, esses outros locais estão envolvidos de forma mais limitada neste processo quando comparados com o fígado.

O metabolismo de remédios pode em si ocorrer em duas fases diferentes:

Na fase 1, as enzimas iniciam uma reação química que adiciona uma molécula de oxigênio à medicação. Apesar dessa fase também ser capaz de produzir compostos que são mais fáceis de eliminar do corpo, a maioria dos produtos químicos ainda não estão prontos para serem eliminados.

Na fase 2, esses compostos químicos modificados passam por outra rodada de reações químicas em que outra molécula maior é ligada a droga. Catalisada por outra classe, chamadas de enzimas transferase ou UTGs, essa transformação faz com que os produtos químicos se tornem solúveis em água e, portanto, capazes de serem eliminados do corpo, pela urina.


Ativando a cannabis no corpo

Os dois canabinóides primários da cannabis, THC e CBD na verdade começam a vida na forma ácida. Nas flores de cannabis cruas, como as usadas para fumar, vaporizar ou fazer alimentos, não existe muito tetrahidrocanabinol ou canabidiol. Em vez disso é encontrado THCA e CBDA, que são seus ácidos precursores

Apesar desses precursores às vezes terem efeitos medicinais ativos, tendem a ser diferentes de suas formas neutras bem conhecidas. O THCA, por exemplo, compartilha os efeitos anti-inflamatórios do THC mas não produz efeitos intoxicantes.

O THC se torna ativo quando o THCA é transformado por meio de um processo chamado descarboxilação. Esse processo geralmente ocorre com o calor, por isso acontece naturalmente quando você queima ou aquece a cannabis para fumar ou vaporizar. O mesmo é feito com o CBDA e outros canabinóides menores. 

Como o metabolismo da cannabis começa

Uma vez que os canabinóides, como o THC e CBD, são consumidos, absorvidos pela corrente sanguínea e depositados nos tecidos de todo o corpo, eles podem causar efeitos desejados. Mas como isso acontece?

Neste momento, ao consumir os canabinóides importantes, eles já estão circulando nas correntes sanguíneas. Então, nossos corpos vão reagir a seguir? 

Primeiro, ocoração vai enviar sangue para o fígado, e os canabinóides contidos no sangue serão metabolizados pelas células do fígado.

Embora o fígado seja a primeira localização de transformação metabólica a acontecer, devido ao nível de enzimas, o metabolismo dos canabinóides pode também ocorrer em outros tecidos. Por exemplo, foi demonstrado em um experimento que o THC pode ser metabolizado no cérebro.

As células do fígado contém a maioria das enzimas que metabolizam as drogas necessárias para o processo de transformação. A nova molécula produzida por esse processo é conhecida como metabólito.

Embora haja muitas maneiras diferentes de ocorrer o metabolismo dos canabinóides, assim como outras drogas, ele geralmente ocorre nas duas fases a seguir:

FASE 1

A metabolização da fase 1 envolve hidroxilação e oxidação. Nessa fase, determinadas enzimas hidroxilam parte do canabinóide, adicionando uma molécula de oxigênio e de hidrogênio a sua estrutura.

Com o THC isso leva para a criação de 11-OH-THC (um metabólico muito ativo farmacologicamente, conhecido por seus efeitos sedativos e psicoativos).

Curiosamente, é possível notar níveis mais baixos de 11-OH-THC no plasma sanguíneo quando alguém fuma cannabis, do que quando ela é ingerida através de algum alimento.

Isso ocorre principalmente porque o THC passa pelo sistema de esticamento quando comido, portanto, uma parte maior é processada pelo fígado e convertida em 11-OH-THC  antes de chegar à corrente sanguínea.

Quando o 11-OH-THC é oxidado pela mesma família de enzimas, ele produz THC-COOH, um metabólito inativo que é um dos principais produtos finais do uso da cannabis.

Normalmente 30-45 minutos após fumar, as concentrações de THC-COOH aumentam gradualmente e são encontradas em níveis mais elevados do que as concentrações de THC. Isso indica que o tetrahidrocanabinol está sendo metabolizado nesses derivados, que já não podem mais se ligar aos receptores canabinóides e não causam efeitos medicinais. 

Outros canabinóides, como o CBD, passam por processos semelhantes, são metabolizados em uma variedade de metabólitos. Embora, qualquer dose de canabidiol passa pelo sistema é inalterada e eliminada nas fezes. 

Curiosamente, as enzimas responsáveis ​​pela metabolização da fase 1 podem variar de pessoa para pessoa por causa dos fatores genéticos. Portanto, algumas pessoas metabolizam o THC e o CBD de maneira diferente de outras.

Alguns experimentam os efeitos psicotrópicos por um tempo maior do que outros ou são mais propensos a falhar em um teste de drogas por causa do acúmulo de canabinóides em seu sistema.

Fase 2 

Na fase 2, o processo consiste em preparar o medicamento para sair do corpo.

Nesta etapa, as enzimas UGT são capazes de conectar uma molécula de glicuronídeo ao THC-COOH. Isso transforma o produto químico em uma molécula de THC-COOH-glicuronídeo, o que é fácil de eliminar do corpo através da urina e fezes. Quando é transformado nesse metabólito, o medicamento está pronto para ser eliminado do corpo.

No último estágio do processo, os metabólitos do THC são eliminados do corpo quando a pessoa urina ou evacua.  

Em aproximadamente cinco dias, 80-90% do THC e seus metabólitos terão sido eliminados, mais de 65% pelas fezes e 20% pela urina.  Mas ainda não é o fim da história. Parte do THC e seus metabólitos continuam retidos no tecido e será liberado de forma mais lenta. 

É por isso que os metabólitos do THC podem ser detectados no corpo, mesmo semanas após o uso, em casos de alguns consumidores de cannabis.

Como podemos ver, os componentes ativos da cannabis passam por uma longa jornada da absorção até a eliminação, passando pela transformação de uma substância química para outra conforme avançam.

O que começa como THC quando o absorvemos pela primeira vez, provavelmente terminará como uma substância química totalmente diferente no momento em que sair do corpo. Mesmo assim, este processo incrível permite que a cannabis entre em nosso sistema, forneça sua variedade de efeitos e, em seguida, saia de nosso sistema, sem causar nenhum problema.

Referências

  • Cannigma

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias