• 25 de junho de 2022

Cannabis Medicinal no tratamento de glaucoma

 Cannabis Medicinal no tratamento de glaucoma

Ophthalmology concept. Male patient under eye vision examination in eyesight ophthalmological correction clinic

Nos Estados Unidos cerca de 3 milhões de americanos vivem nessa condição, de forma global o cenário é de 60 milhões. O Glaucoma é reconhecido como a principal causa de cegueira irreversível.

O glaucoma é uma condição comum na região dos olhos, que geralmente causa danos nos nervos óticos e quando não são tratados, podem levar a cegueira.

Desde 1980, os procedimentos cirúrgicos e tratamentos tem melhorado, diminuindo quase pela metade o risco de desenvolvimento de cegueira.

O tratamento tem melhorado, mas o número de medicamentos efetivos são limitados.

O que causa glaucoma?

As evidências sugerem que a doença é considerada por ser uma condição neurodegenerativa (doenças em que ocorre a destruição progressiva e irreversível de neurônios), com uma conexão com outras doenças neurodegenerativa como o Alzheimer.

O glaucoma aparenta ser um fator significativo de alzheimer. Uma causa específica da doença, ainda é um mistério no meio científico.

Opções atuais de tratamento para o glaucoma

Como a pressão intraocular (PIO) influencia no progresso de glaucoma, os oftalmologistas prescrevem tratamentos direcionados a pressão intraocular. De fato, o jeito de prevenir a perda da visão ou uma cegueira é diminuir os níveis de PIO.

Dependendo da gravidade, os oftalmologistas podem tratar o glaucoma com medicações como colírios ou, se necessário, cirurgia.

A cannabis poder ser usada para o tratamento

Voltando um pouco para a década de 1970, estudos mostraram que o uso de cannabis pode alivia os sintomas de glaucoma, porque diminuem a pressão intra-ocular e tem ações sobre doenças neurodegenerativas.

Por exemplo, um estudo de 1971 descobriu que a ingestão de cannabis reduz a PIO de 25% a 30%. Apesar de pesquisas mostrarem pontos positivos, poucos oftalmologistas apoiam o uso de cannabis para pacientes com glaucoma inicial ou intermediário.


O principal problema que os oftalmologistas têm é que os efeitos adversos, particularmente quando se fuma a cannabis, podem superar os benefícios a curto prazo.

Por exemplo, fumar pode levar para uma pressão intraocular, aumentando o risco de perder a visão para sempre. Além disso, como os efeitos terapêuticos sobre a glaucoma são a curto prazo, os pacientes teriam que consumir cannabis frequentemente, uma vez a cada 3 ou 4 horas.

Os doutores afirmam que pelo fato do glaucoma precisar ser tratado 24 horas por dia, o paciente precisaria consumir cannabis de seis a oito vezes ao longo do dia para atingir os níveis reduzidos de PIO. Essa frequência é difícil de manter e pode causar um uso descontrolado de cannabis.

Quando se trata do nível avançando da doença, os oftalmologistas são mais atenciosos ao auxilio que a cannabis pode oferecer. Nesse estagio, o foco tem mais a ver com aliviar os sintomas.

De acordo com o oftalmologista Bainnson, MD ”Já sabemos a algum tempo, que a cannabis medicinal é muito efetiva para tratamento de náuseas e dores, mas não tanto para glaucoma. Existem alguns pacientes que no final do estágio tem náuseas e que a cannabis poderia aliviar, mas não do ponto de vista do glaucoma. ”

O futuro da cannabis medicinal e do glaucoma

Embora a cannabis, como é manuseada hoje em dia, possa não ser o tratamento ideal para o glaucoma, medicamentos derivados de canabinoides que estão sendo desenvolvidos, representam uma direção pro futuro.

Se a cannabis é ou não um tratamento ideal para o glaucoma, há pessoas que juram que são uma dadiva, enquanto outras a consomem como um complemento, mas não como tratamento principal.

Referências

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias