Austrália torna-se o primeiro país a autorizar terapia com psilocibina e MDMA - Cannalize
Austrália torna-se o primeiro país a autorizar terapia com psilocibina e MDMA

Austrália torna-se o primeiro país a autorizar terapia com psilocibina e MDMA

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Os médicos agora podem prescrever psilocibina e MDMA na Austrália, um salto gigantesco para a reforma psicodélica.

Foto: Freepik

Traduzido do High Times

A Austrália se tornou o primeiro país do mundo a autorizar o uso de psilocibina e MDMA por meio de receita médica para tratar condições psiquiátricas como transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e depressão. Desde o último sábado (1º), os dois medicamentos foram autorizados para uso terapêutico depois que os reguladores aprovaram a nova opção de tratamento no início deste ano.

Austrália faz história psicodélica

A TGA (Therapeutic Goods Administration), regulador de medicamentos da Austrália, aprovou a mudança em fevereiro, após um processo de tomada de decisão de quase três anos, incluindo ampla consulta a vários especialistas no assunto.

O MDMA, também conhecido como ecstasy ou molly, foi aprovado como tratamento para TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático), enquanto a psilocibina, a substância psicoativa dos cogumelos psicodélicos, foi aprovada para depressão resistente ao tratamento.

Enquanto cidades e estados nos Estados Unidos diminuíram gradualmente as restrições aos psicodélicos para inaugurar uma nova era de cuidados terapêuticos, a Austrália é o primeiro país do mundo a reduzir a psilocibina e o MDMA para tratamentos clínicos.

O país agora permitirá que essas substâncias sejam adotadas como parte das sessões de terapia sob a orientação de um profissional qualificado e autorizado.

Leia também: Reforma psiquiátrica: Como a cannabis pode ser mais um tijolinho na construção da saúde mental?

Evidências crescentes sobre o potencial dos tratamentos psicodélicos

Embora drogas psicodélicas como psilocibina e MDMA tenham sido criminalizadas há muito tempo, a pesquisa abriu as portas para uma alternativa potencialmente revolucionária para o tratamento de saúde mental, especialmente para condições que não podem ser tratadas com métodos tradicionais.

Entre uma miríade de outros estudos sobre o assunto, um estudo de 2022 envolvendo o maior estudo randomizado, controlado e duplo-cego de psilocibina até o momento mostrou melhorias “significativas” na depressão resistente ao tratamento entre os participantes. O estudo envolveu duas doses, 1 mg e 25 mg de psilocibina, e descobriu que aqueles que receberam uma dose de 25 mg com apoio psicológico experimentaram uma “redução altamente estatisticamente significativa nos sintomas de depressão após três semanas”.

Da mesma forma, os pesquisadores examinaram minuciosamente o MDMA como um tratamento potencial para TEPT à medida que o renascimento psicodélico em curso se desenrola. Os resultados de um ensaio clínico do início deste ano “apoiam o desenvolvimento da terapia assistida por MDMA como uma terapia potencialmente inovadora para tratar indivíduos com TEPT – uma população de pacientes que muitas vezes sofre por anos”, de acordo com Amy Emerson, chefe executivo da MAPS Public Benefit Corporation, que conduziu o estudo.

Esses estudos são apenas dois de muitos no crescente campo da medicina psicodélica, embora ainda sejam necessárias mais pesquisas para desvendar completamente o potencial de drogas como MDMA e psilocibina. E alguns especialistas australianos expressaram preocupação com a recente mudança.

Preocupações e esperanças para o futuro da saúde mental

Por um lado, essas são drogas psicodélicas, então usá-las traz o risco de ter uma viagem ruim. Susan Rossell é psiquiatra da Swinburne University of Technology em Melbourne e está trabalhando no único ensaio clínico ativo da Austrália para testar a psicoterapia assistida por psilocibina para depressão resistente ao tratamento. Rossell indicou que uma das lacunas que a pesquisa ainda precisa fechar é determinar que tipo de paciente é mais adequado para o tratamento.

“Não é para todos. Precisamos descobrir quem são essas pessoas que terão experiências ruins e não recomendá-las”, disse Rossell à Nature, acrescentando que teme que, se o medicamento for administrado de maneira inadequada, o tratamento possa resultar em viagens ruins e deixar os pacientes com mais problemas psicológicos do que eles vieram com.

Em um sentido mais amplo, está claro que a mudança em torno da medicina psicodélica está se movendo muito mais rapidamente do que a cannabis antes, como uma droga igualmente criminalizada que agora está passando por uma grande reforma. Além da Austrália, alguns líderes e especialistas também questionaram se as coisas estão indo rápido demais.

Outros indicaram que a mudança da Austrália estabelece um marco importante para as terapias assistidas por psicodélicos. Payton Nyquest, co-fundador e CEO da Numinus, empresa de saúde mental focada em psicodélicos, elogiou os reguladores por fazerem a jogada ousada.

“A aprovação do TGA em torno do MDMA e da psilocibina para uso específico e controlado é um passo bem-vindo para a Austrália, bem como para todo o campo da saúde mental”, escreveu Nyquvest em um e-mail para a Forbes.

“Esta decisão afeta milhões de pessoas que sofrem de condições de saúde mental resistentes ao tratamento e abre um caminho para mudar profundamente suas vidas. Estou ansioso para ver o progresso sendo feito em escala global como resultado da missão coletiva de nossa indústria de ajudar o mundo a se curar”.

Legislação brasileira

No Brasil, a cannabis é aprovada apenas para fins medicinais e só pode ser comprada com receita. 

Atualmente, ela pode ser adquirida através de importações, nas farmácias e até por associações de pacientes. 

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar desde a achar um prescritor até o processo de importação do produto. Clique aqui.

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas