• 24 de junho de 2022

Arizona aumenta as vendas de cannabis em meio à COVID-19

 Arizona aumenta as vendas de cannabis em meio à COVID-19

Com centenas de casos relatados de COVID-19 em seu estado, o governador do Arizona, chamado Doug Ducey, republicano, esperou até o final de março para emitir uma ordem de permanência em casa, que está em vigor até 30 de abril.

Distribuidores de cannabis medicinal no estado permaneceram abertos durante o surto.

A estação de televisão local informou nesta semana que “cerca de 17,000 libras de cannabis medicinal foram vendidas no estado no mês de março”, que “subiram cerca de uma tonelada em relação ao número de fevereiro e tinha cerca de 100,000 transações a mais que em fevereiro”.

O que dizem os especialistas?

Raul Molina, que trabalha com o Mint Dispensary (Dispensario de cannabis medicinal) em Tempe, Arizona, disse à TV que as vendas de cannabis no início da pandemia eram “parecidas com as vendas de papel higiênico. Todo mundo entrou tentando pegar o máximo que pôde”.

Na segunda-feira, 20/4, Molina disse que havia uma fila de clientes em volta do prédio da loja. Desde o início da pandemia, as vendas da Mint Dispensary aumentaram 50%, segundo Molina.

“Muitos dispensários diferentes tiveram falta de produtos. Isso era algo que não esperávamos. Pensamos que o Arizona tinha um suprimento grande até o ponto em que, se houvesse um pico, se acontecesse recreação ou algo assim, seríamos capazes de lidar com isso. ” disse Molina.

Especialistas do setor de cannabis disseram no mês passado que o surto de COVID-19 parecia ser um evento transformador para seus negócios.

Shareef El-Sissi, CEO da empresa de cannabis da Califórnia, Eden Enterprises, disse que o surto representou o “primeiro evento de compra de pânico” para o varejo de cannabis.

“Acredito que o varejo de cannabis nunca mais será o mesmo. Os varejistas foram forçados a criar uma primeira abordagem digital e os clientes se acostumaram rapidamente à nova norma”, afirmou El-Sissi.

“Quando a quarentena terminar, acho que os clientes continuarão a usar canais digitais para comprar cannabis. Isso está mais alinhado com o pedido online, retoma a tendência das lojas e também o varejo tradicional. ”

Referências:

Bruno Oliveira

Tradutor e produtor de conteúdo do site Cannalize, apaixonado por música, fotografia, esportes radicais e culturas.

Mais Notícias